Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

à atenção do jornal Público

dialeto

Não me parece ser preciso grande conversa, basta ir buscar, por exemplo, o artigo 19 da Constituição de Angola e dar uma espreitadela no portal do governo angolano.

A Língua Oficial é o Português, para além de diversas línguas nacionais(dialectos), sendo as mais faladas: o Kikongo, Kimbundo, Tchokwe, Umbundo, Mbunda, Kwanyama, Nhaneca, Fiote, Nganguela, etc.

Não sei se a Lei sobre o Estatuto das Línguas Nacionais foi ou não publicada, mas é irrelevante para o caso. Já se perdia a mania de tratar as línguas africanas como dialetos, não?

Na AR e fora dela

Falemos agora da vivência interna dos alunos. As alunas e alunos do CM relacionam-se entre si e com a restante comunidade educativa dentro da especificidade do seu enquadramento e formação de matriz militar, a qual não deixa de ser uma extensão da formação cívica ministrada nas outras escolas, em que transmitem os mesmos valores e princípios para a cidadania através de regras e procedimentos associados à vida militar. Esta formação de matriz militar, o internato, o volume de atividades escolares e complemento curricular, os estudos obrigatórios e os inúmeros eventos, militares e não militares, de representação do colégio em atividades exteriores são sinónimo de maior exigência de trabalho, menos tempo livre, mais deveres mas nunca menos direitos de serem crianças e jovens  com as brincadeiras, as alegrias, as tristezas, os entendimentos e desentendimentos, códigos e tabus, o seu comportamento tem de ser visto neste enquadramento e não no das exigências que são feitas a adultos.  

Quanto ao subdiretor do CM, o tenente coronel António Grilo é um oficial de exceção, com uma excelente capacidade de liderança, a par de inegáveis princípios e valores de conduta profissional. Considero ter sido um dos pilares para que a transformação interna para o ensino misto no CM tivesse êxito em consequência da reforma efetuada. Não nos esqueçamos que muitas dúvidas eram colocadas no âmbito da eventual discriminação de género relativa â admissão de alunas. Pecar por omissão ou deixar as coisas seguirem o seu caminho não faz, de todo, o jeito deste oficial e a reserva que considero sempre possível e justa nas suas declarações a uma jornalista decorre não só das suas qualidades pessoais e dos seus valores e princípios de conduta profissional, mas também das condições em que foi efetuada a entrevista, das questões de semântica, bem como de algum artificio e criatividade jornalística nas perguntas e nas citações. interpretadas posteriormente ao sabor de variadas conveniências e apreciações, as quais vão muito além da simples discussão da alegada discriminação por orientação sexual no CM e muito a jeito de juizos que inferem processos de intenção sobre o futuro desta instituição. Nas suas declarações este oficial referiu-se tão só aos afetos que não são permitidos no regulamento interno, os quais não são exclusivos de alunos homossexuais.

 

Transcrição de parte da audição desta manhã ao Major Cóias Ferreira

 

- A homossexualidade é um tabu também? para vocês?... silêncio 

- Hum, é uma maneira de mantermos, hum... como é lógico a sexualidade  é aberta na sociedade e a homossexualidade é aceite legalmente. Poderemos dizer que é uma maneira de salvaguarda da sã [sic] relacionamento entre eles no âmbito do internato. Eles não se cobrem para nada, não se escondem para nada, não têm armários fechados, é sempre tudo aberto para poderem viver como irmãos que são. E na salvaguarda desse relacionamento é bom que não haja afetos.
- Mas esta tríade, digamos assim, é passada para eles, roubo drogas e...

- É deles,  não é passada para eles, é deles

- É absorvida e defendida...

- É deles! É deles,é deles,  temos conhecimento delas sim, sempre que ocorre qualquer situação dessas não é considerado denúncia e imediatamente as sabemos. Imediatamente, eles próprios se encarregam disso..

- De vos transmitir isso...

- Eles próprios...

- O que é que vocês fazem nesse momento?

- Hum?

- Falam com os encarregados de educação?

- Falamos com os encarregados de educação, como é lógico. Há situações que, situações de furto e droga é transferência de escola imediata. Situações de afetos, falamos com os encarregados de educação e procuramos - e temos conseguido - que os encarregados de educação percebam, porque não podemos fazer transferência de escola...

- Não é motivo..

- Não é motivo para isso mas que os encarregados de educação percebam que o seu filho acabou de perder espaço de vivência interna e a partir daí vai ter grandes dificuldades de relacionamento com os pares, porque é o que se verifica. são excluídos 

- São excluídos? pelos outros? já aconteceram muitas situações dessas?

- Não, quando acontecem... aconteceram muits situações? hum...lembro-me de uma

- E o que é que aconteceu exatamente?

- Nada de... Nada de... Nada de transcendente, ou seja, uma determinada orientação de um aluno que não...

- Mas ele falou sobre isso? Fez alguma coisa? Tentou acarinhar um aluno?

- Sim, tentou, e a partir daí, como é lógico, ele continuou e de facto foi isso que se comprovou, ou seja, os pais ainda quiseram que ele se mantivesse mas perdeu o espaço, perdeu o espaço porque foi completamente excluído e perdeu espaço de convívio... 

- Quem é que o denunciou?

- ... o que num regime de externato pode ser. pode ser, han, governável ou pode ser gerível, num ambiente de internato, 24h por dia, é extremamente pesado para o equilíbrio de uma pessoa 

 

Transcrição não editada do excerto da conversa com a Catarina Rodrigues do Observador que deu origem à polémica 


 

 

ó pá parem...

... a não ser que se disponham a contribuir para o fortalecimento dos meus abdominais via ataques de riso. 

 

Esgotada que está a minha costela pedagógica (vide post infra) apelo a que uma alma caridosa se prontifique a fazer sessões de esclarecimento junto das associações de oficiais - de forma "clarinha, clarinha para que militar perceba", claro - sobre sexualidade e conceitos ligados. Alguém tem de explicar aos senhores que homossexualidade e heterossexualidade não se proíbem.

 

(declarações do Comandante do Estado Maior da Armada à TSF)

“clarinho, clarinho, para militar perceber” *

A ver se com a explicação pedagógica de Diogo Leão, hoje publicada no DN, chegam lá.

 

Aproveito a ocasião, e sendo também pedagógica, para aconselhar as altas patentes do exército, mesmo se na reserva, a terem algum cuidado com o que escrevem. Primeiro Garcia Leandro, conforme se pode ler no post abaixo, demonstrou que a Constituição, que tem por missão defender, é coisa que não lhe é muito familiar, a seguir veio outro general, Raul Durão, mostrar ao mundo que tem alguma dificuldade em seguir regras (sendo as regras tão importantes na vida de um militar), no caso as regras ortográficas, usando repetidamente a suposta palavra "descriminação"[sic]. Não fica nada bem quando estamos em presença de um grupo de pessoas que enche a boca com a excelência da sua formação. Ah, e por falar em coisas com que os militares enchem a boca, também costumam fazê-lo com Valores, como Honra, Verdade e Honestidade (sempre capitulares), não é? Pois...

 

*Não estou a chamar burro a ninguém, limito-me a usar uma frase que é descrita por militares como "velha máxima". E se eles o dizem...

lê-se e não se acredita

A única referência de "teor sexual" na Constituição da República Portuguesa encontra-se no seu artigo 13º, que reza o seguinte:

Artigo 13.º

Princípio da igualdade


1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.

2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.

 

Hoje o DN dá à estampa um texto de Garcia Leandro a propósito de Colégio Militar onde, a certa altura, se lê " Estes alunos não são adultos e obviamente que estão ainda em formação física, intelectual, comportamental e de carácter; aquilo que a Constituição declara sobre comportamento sexual de qualquer cidadão não se pode aplicar de modo cego para estas idades.". 

A única conclusão possível a tirar é que, segundo o douto general, a não discriminação em função da orientação sexual não é para se aplicar na sua plenitude a adolescentes. Really?!

 

P.S. - Alguém pergunte ao senhor general que raio são "comportamentos sexuais", por favor

Esperemos que não mudem nunca

Afinal o melhor do congresso do PSD ainda estava para vir. Refiro-me evidentemente ao post Uma conversa com Pedro Passos Coelho, de Mário Amorim Lopes, publicado no início da semana no blogue Insurgente.  

Aparentemente, «Pedro Passos Coelho disponibilizou-se para uma conversa de cerca de meia hora com os social media», sendo que por social media devemos entender aqui «Eu [Mário Amorim Lopes], o Carlos Guimarães Pinto, o Vítor Cunha, entre outros». O Insurgente, portanto.

O texto arranca com uma afirmação inquestionável: «A pontualidade não define um grande líder (…) mas define um homem pontual». A frase deve ser mais profunda do que parece à primeira vista, pois «um homem pontual é alguém que leva os seus compromissos a sério, e isso não é pouco», especialmente quando o compromisso é conversar com o Insurgente.

A conversa com o antigo primeiro-ministro decorreu num espaço que «era o melhor que um contentor montado de improviso em zona privada do Congresso poderia proporcionar». Essa privacidade poderia ter permitido «uma ou outra piadola de circunstância, os ice-breakers, que seduzem quem se quer deixar seduzir» - e se há quem queira deixar-se seduzir por Passos Coelho é Amorim Lopes.

Infelizmente, o Insurgente só teve direito a «uma referência a “gajos” e nada mais se aproximaria do coloquialismo». Pensando bem, nem poderia ser de outra maneira, já que, para quem não sabe, «Pedro Passos Coelho, o homem e o político, são a mesma pessoa. Frio, sereno, responsável, determinado, como haveria de dizer Santana Lopes», insuspeito desse tipo de virtudes.

«A primeira [e única] questão prendeu-se inevitavelmente com algo que há muito me preocupava.» O que seria? O desemprego, a segurança internacional; o Sporting, o Benfica? Nada disso: «preocupava-me o slogan que Passos decidira adotar: Social-democracia, sempre! Credo». Amorim Lopes socorre-se de um clássico para justificar tamanha angústia: «em 2008, Henrique Raposo definiu bem o posicionamento ideológico dos partidos portugueses: mais coisa menos coisa, tudo de esquerda». Mais coisa menos coisa.

«Era isto que o PSD ambicionava voltar a ser? Impôs-se o silêncio. Expectante, Passos aguardava por uma questão.» Amorim Lopes reformula: «O que é a social-democracia em 2016?». E Passos dá finalmente sinais de vida: «a nossa social-democracia não é a social-democracia de Bernstein ou de Rosa Luxemburgo». Amorim Lopes estava agora «um pouco mais descansado». É que, para este insurgente, «essa social-democracia [de Bernstein e Rosa Luxemburgo] é socialismo de fato e gravata, pérolas e iPhones».

Mas se não é das pérolas de Rosa Luxemburgo nem dos iPhones de Bernstein, do que fala Passos quando fala de social-democracia? O mistério adensa-se e Amorim esclarece: Passos Coelho «refere-se à Dinamarca, à Suécia e à Finlândia», que agora aderiram à liberdade de escolha. Ficamos todos mais descansados, a começar pelo autor que mesmo assim continua a preferir o modelo da Irlanda. O seu lema para Portugal lembra um título muito conhecido: «somos aquilo que quisermos ser», ou em inglês, «Aim for the sky and you’ll reach the ceiling».

Ground Control to Major Mário. Estava na hora de descer à terra: «Um assessor avisa que o tempo está a terminar, há afazeres a fazer». Passos foi à sua vida, seguindo o bom exemplo «dos verdadeiros heróis acordam às 7 da manhã, trabalham sine die e não têm tempo para congressos», como os Insurgentes. O objetivo também era só dar a conhecer Passos, se possível «com um traço de humor», o que, voluntária ou involuntariamente, foi plenamente conseguido. «Passos é isto. Esperemos que não mude nunca». Esperemos que não, e só podemos desejar o mesmo ao Insurgente em geral e ao Mário Amorim Lopes em particular.

mistérios...

pr

Está hoje em tudo o que é sítio (conforme imagem supra) uma proposta - aparentemente muito revolucionária ou não teria tido tanto eco, não é? - de Paulo Rangel para que se abandone o péssimo e serôdio hábito de juntar os títulos aos nomes das pessoas (a conversa toda pode ser lida, por exemplo, no Público). Confesso que me espantei com o sururu já que ainda não há muitos meses o governo tinha inovado nesse departamento, aquando da tomada de posse o único título que surgiu foi o do PM da responsabilidade de Cavaco, e não vi ninguém valorizar o facto nem lhe dar especial destaque mediático. Acrescente-se que, pelo que percebo daquilo que estou a ver com a página aberta, a prática se mantém no Portal do Governo

glória, o daesh, mariana e nós

é quase a minha vez na fila do embarque para amesterdão – de onde conto apanhar um comboio para bruxelas, cujo aeroporto está fechado devido aos atentados dessa manhã -- quando o telefone toca. 'alô, é mariana de sousa moreira.' mariana, 48 anos, é a única filha de glória fernandes de oliveira esteves de sousa moreira. glória moreira, em curto: a primeira portuguesa vítima mortal do daesh, assassinada na tunísia em 2015, aos 76 anos.

 

mariana vive no brasil. quando a mãe morreu, não teve forças para falar comigo. foi com o marido e a tia, irmã de glória, que recolhi a informação necessária ao perfil publicado no dn em que descrevia uma pianista intrépida que, três anos após a morte do muito amado marido, decidira ir de férias sozinha para o lugar onde costumava ir com ele. agora, quase um ano depois – os atentados que vitimaram a mãe e 37 outras pessoas, apanhadas na praia por um homem de 23 anos com uma metralhadora, foram a 26 de junho – mariana vinha a portugal e tinha combinado, por mail, encontrar-se comigo. daí a chamada. digo-lhe onde estou e porquê. 'imaginei que pudesse estar de partida.' a coincidência estremece: vou ao encontro de uma cidade atingida pelo terror que lhe matou a mãe num atentado cujo dia e número de mortos provavelmente na europa já ninguém recorda, à parte dos familiares das vítimas e dos turistas que lá estavam. nem os portugueses se lembram da portuguesa que morreu na tunísia. porquê? ainda nessa manhã escrevera no twitter: 'bombas na turquia, nenhuma comoção; bombas em bruxelas e ficamos malucos.' caiu uma chuva de insultos e respostas tortas: 'esperavas o quê? é normal ralarmo-nos mais quando morrem os nossos.'

 

os nossos. os deles. começa e acaba tudo aqui, nesta distinção, nesta fronteira. às vezes, muito raramente, conseguimos fazê-los, aos nossos e aos deles, coincidir. como quando vimos um menino sírio de três anos, jeans e ténis de borco numa praia turca e percebemos que era só um bebé e podia ser nosso – parecia-se mesmo com os nossos, caramba – e chorámos baba e ranho e dissemos 'temos de os salvar todos', até que dois meses depois o daesh matou em paris e pensámos melhor no assunto.

 

mas glória, que era mesmo mesmo nossa, portuguesa do douro, desapareceu porquê do nosso radar? por que raio a esquecemos? é disso que mariana me quer falar: do calvário burocrático que enfrentou sozinha, daquilo que descreve como zero apoio das autoridades portuguesas. 'sinto mais apoio do foreign office britânico que do governo português', diz. 'vai haver no mês que vem uma celebração e o reino unido convidou-me para estar presente. pediram-me desculpa por não me poderem pagar a viagem.'

 

tenho há muito uma teoria sobre a maneira como dividimos (e notem este 'nós'; é mesmo nós) os atentados entre aqueles que achamos que são connosco e os que não são. não tem a ver só com quem morre; tem a ver com o lugar e também com quem mata. em Istambul, a 12 de janeiro, morreram 12 alemães e um peruano; a 19 de março, na mesma cidade, morreram dois israelitas e dois americanos. ninguém em portugal se preocupou muito com isso. ninguém foi ‘enviado especial’ a istambul. o mesmo para os atentados no egipto, em bali, em mumbai, na tunísia e até na rússia (ah, a rússia; é europa mas não é bem, não é?). morreram europeus mas em lugares que, mesmo em alguns casos fazendo parte da europa, colocamos fora do nosso território sagrado.

 

como glória. não morreu nos nossos domínios. não foi em paris, não foi em bruxelas, nem em madrid. além disso, aquilo a que chamamos de ciclos noticiosos cada vez mais se acelera, cada vez mais nos falta indignação e energia para cada um dos escândalos, cada uma das catástrofes, cada vítima, cada dor. não temos que chegue, nem queremos ter. custa demasiado: melhor surfar sobre tudo isto, com umas partilhas de fb e tuita, e ala que vem a vaga seguinte. e este nós, volto a sublinhar, é nós mesmo – eu incluída, todos os jornalistas incluídos, tudo incluído.

 

daí nunca mais termos querido saber da história de glória, desta história, nunca termos perguntado: e depois? como foi? que se passou? que se passa depois das notícias? não saberíamos, não saberia, eu, se mariana não me tivesse ligado. obrigada, mariana, por nos lembrar; obrigada por nos dar oportunidade de saber, de querer saber. e de sentir. e de, talvez, podermos fazer alguma coisa.    

Como é que é mesmo financiado o Colégio Militar?

cm

 (imagem daqui)

 

Em 2013 lia-se, no DN, "Atualmente, a receita das mensalidades corresponde a um quinto dos custos de funcionamento dos três EME, rácio considerado desproporcionado e que é compensado com 14 milhões de euros do Orçamento de Estado.". É verdade que não está discriminado o custo por cada um dos três estabelecimentos de ensino militar à época, mas presumo que o rácio seja semelhante em todos. Como é possível que o financiamento público se mantenha perante afirmações como as reproduzidas acima é algo que me transcende (e não falo de todas as outras aberrações que foram ditas ao Observador).

apocalipse assim que tiver vagar

às vezes leio comentários em páginas de jornal e fico a pensar que escrevo numa língua diferente da daquelas pessoas que, no entanto, também usam o português.

muito diferente é ler os posts que vários indivíduos, todos de uma direita, digamos, pouco esclarecida escreveram sobre o meu texto de molenbeek. aquilo não é iliteracia, nem sequer estupidez -- não acredito que mesmo eles sejam assim tão estúpidos, até há ali malta com doutoramentos. não; é ódio.

a fatwa é antiga, mas os jihadistas andavam calmos. e agora regressaram, em força. devo, para seguir a lógica habitual destas coisas, ter bombardeado lá uma das cenas mais queridas deles. vai daí, o mullah chamou-os outra vez para a guerra santa.

devo andar a fazer alguma coisa muito bem. a ver se faço ainda melhor. adoro o cheiro da raiva dos brutos de manhã. e à tarde, e à noite.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia

Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Olhemos para o que é dito no segundo parágrafo da ...

  • Mike

    Cara,Para satisfazer a sua persistente dúvida: As ...

  • Shyznogud

    Ah, é um seguidor convicto da velha regra do Esmer...

  • Mike

    E essas sessões vão ser sobre orientação, sobre at...

  • Rui

    presumo eu que o problema maior está na "comunicaç...

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

blogs

media