Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

panos de pó


Há coisas totalmente inexplicáveis que toda a gente parece achar normais. Caso para uma pessoa se sentir uma incompreendida, uma pária, uma exilada do senso comum. Exemplo? Exemplo comezinho, comezinho (aliás, só coisas comezinhas são tão inexplicáveis e ao mesmo tempo tão comummente aceites)? Os panos de pó. Sim, os panos de pó. Não percebe porquê? Eu explico.

 

O pano de pó é o quê? É um rectângulo (ou um quadrado, vá) de flanela. Serve, como o nome indica, para limpar o pó, e limpa-o precisamente em virtude do material de que é feito: flanela. Posto isto, estando todos de acordo sobre esta verdade essencial do pano de pó, digamos mesmo sobre a natureza ontológica do pano de pó, mesmo que até se possa aventar que um pano de pó poderia limpar igualmente bem o pó caso fosse de outro material que limpasse também bem,  falta perceber por que raio todos – todos, nunca vi algum à venda neste país que o não fosse – os panos de pó são cor-de-laranja. Que fique claro: até gosto, e muito, de cor-de-laranja. E acho que se os panos de pó fossem, sei lá, cinzentos ou castanhos eu ia querer panos de pó cor-de-laranja. O problema é que como todos os panos de pó são desta cor eu quero panos de pó cinza, pretos, amarelos, azuis, encarnados. E, sobretudo, não percebo como é que tal coisa nunca ocorreu a quem fabrica panos de pó, a quem decide de que cor eles devem ser, a quem tece flanelas, enfim, a que tem esta responsabilidade.

 

Este insondável enigma tem muitos gémeos. Alguns, felizmente, já são apenas recordações. Quem é que não se lembra de quando todos os lençóis eram brancos? E as toalhas turcas, que só existiam em branco ou em cores desmaiadas, ditas cor-de-cueca (que, por sua vez, eram como é bom de ver cor de cor-de-cueca também). E os roupões? Só havia roupões de cor de baby-grow de bebé, como só havia baby-grows de bebé rosinha pálido, azulinho pálido, amarelinho pálido e cremezinho – os bebés estavam, por decreto, impedidos de ser fashion. E os panos de cozinha? Os panos de cozinha tinham de ser todos aos quadradinhos, e com desenhinhos. A primeira vez que vi um pano de cozinha liso de cor forte – encarnado – ia desmaiando de felicidade.

 

Podemos ir por aí fora: o papel higiénico. O papel higiénico era, lembram-se?, sempre branco. Ou amarelinho ou azulinho ou rosinha (para fazer pendant com as cuecas, os baby-grows, os roupões e – ia-me esquecendo – as camisas de noite, que ainda por cima tinham de ter bordados ou coisa parecida) -- agora que penso nisso, tudo o que tinha remotamente a ver com partes pudibundas era de “cores de bebé”. Coisa estranha, até inquietante, esta. Freud explicará? Cá para mim, Freud, coitado, nunca deu por isso, até porque era austríaco e se calhar lá pelas Áustrias os panos de pó são de todas as cores (que sei eu de panos de pó austríacos). Mas esta infantilização forçada, decretada, da intimidade é coisa para reflexão (noutra crónica, que esta está, hèlas, quase a acabar).

 

Outras charadas cromáticas: por que raio as meias de ginástica disponíveis até há uns anos eram sempre brancas com raquetes ou com riscas encarnadas e azuis? A falta de imaginação e o mau gosto não explicam tudo, caramba. E, noutra ponta do espectro das meias: porque é que as de rede eram sempre pretas? O totalitarismo insinua-se de muitas formas, e as estéticas não são menos normativas que as outras. Servem, aliás, de aviso: da China à URSS, da Alemanha “democrática” aos khmers vermelhos e à Coreia do Norte, a imposição sem apelo de cores e feitios para tudo sinaliza a negação da individualidade, da diferença. É bem possível que a uniformização ditatorial dos panos de pó que há décadas se impõe em todas as casas seja uma das heranças mais renitentes do salazarismo, uma espécie de lembrete paradoxal -- já que aparentemente não damos por ele. Chega. Numa democracia liberal, devemos poder escolher a cor dos nossos panos de pó. E já.  (publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de domingo passado)

8 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media