Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

se a terra treme, tuíta


Foi há mais de 15 dias, sim, e no ano passado. Passava da 1.30 da manhã. Um ruído cavo e depois aquele abanão brutal: a casa a dançar e eu parva paralisada a pensar “que é isto” até concluir: “um tremor de terra”. Nada a fazer, nenhuma saída, nenhuma resposta. Dura, dura, e depois pára. Aconteceu mesmo? À janela, as ruas desertas, nenhum sinal. Mais alguém sentiu? Mais alguém está aí? Sonhei?

 

Na TV, passa um programa qualquer pré-gravado no canal de notícias. O computador está ligado. Abro a janela do twitter. Das 90 pessoas que sigo – a minha “timeline”, onde surgem as frases dos que escolhi como interlocutores nesta rede, muitos gente que nunca vi e alguns cujo nome “verdadeiro” nem sei – ninguém a falar do assunto. Faço um tweet (piu): “estou a sonhar ou houve um abalo de terra em Lisboa?”. São 1.39h da manhã. De imediato, começam a cair respostas na coluna dos que não sigo mas me seguem a mim (quase duas mil pessoas). Em segundos, tenho respostas do Algarve, do Porto, de todo o país: “Eu também senti”; “Não foi sonho e não foi pequeno”; “Que susto”; “Será que vêm mais?”; “Alguém sabe o que devemos fazer?”; “Metam-se debaixo de uma mesa ou de uma ombreira se voltar”.

 

Há descrições, perguntas, informações, piadas. Um diz: “Se morrermos na réplica foi bom conhecer-vos” (a maioria das pessoas não se conhece). Uns asseveram que não vai haver réplicas, outros agoiram: “Em Itália houve várias nos dias seguintes”. Goza-se: “Com esta gente toda acordada a esta hora, como é que este país pode andar para a frente?”; “Este era o abanão de que o pais precisava”. Toda a gente está à procura de orientações. Ligamos a rádio, mudamos os canais da TV, vamos ao site da Protecção Civil, nada. Chovem críticas aos media e elogios ao Tuíta (alcunha tuga para a rede). “Antes a terra tremia e as pessoas corriam para a rua; agora correm para o twitter”. No Facebook, outra rede um pouco menos “rápida”, a coisa passa-se igual. Toda a gente parece estar on line a debitar piadas e a passar informação. A fazer humor do medo: cria-se no Facebook um grupo novo, “Eu sobrevivi ao sismo de 2009”. Alguém comenta: “Ainda é cedo para dizer que se sobreviveu ao sismo de 2009”.

 

Passa quase meia hora – pareceu muito mais – até que se saiba a dimensão do abalo, o epicentro, a hora exacta. 6 na escala de Richter, a 160 quilómetros do Cabo de São Vicente, às 1.37h. Entretanto, já houve telefonemas, gente aflita a querer saber se está tudo bem com quem ama, apareceram amigos de carne e osso a tuitar “o cagaço”. Todos dizem o mesmo: como raio é possível, na era dos canais de notícias e da informação em rede, que não haja comunicações das autoridades responsáveis, da Protecção Civil, dos bombeiros, da polícia a sossegar as pessoas? Como é possível que as páginas na net destas instituições não reajam na hora? Como é possível que o site do Instituto de Meterologia tenha “instruções” para um sismo que levam longos minutos a ler e pressupõem um planeamento prévio que obviamente ninguém não paranóico faz, como ter uma mochila preparada com comida enlatada, sacos-cama, lanternas e disparates quejandos?

 

Às duas da manhã, as TVs e rádios dão a informação básica que os tuiteiros já haviam partilhado e passam para enlatados de notícias do dia. O primeiro site de jornal a reagir é o do Público, com ligação ao twitter e à palavra chave (hashtag) “sismo”, mas mais nenhuma informação que a já conhecida. Comunicado das autoridades, nem vê-lo. No twitter, conclui-se que sismos fora de hora de expediente estão entregues a eles próprios – e a quem os sofre. E que é mandatório que a Protecção Civil tenha uma conta no twitter para estas ocasiões. Às 3.30h, a maioria das pessoas já se despediu. Durante quase duas horas, perfeitos desconhecidos e gente que só se conhece de conversas de net esteve a fazer isto que parece pouco mas é imenso: falar. Espantar o medo. “Isto também serve de algum consolo”, diz um tuiteiro, à guisa de moral da história. É isso que somos uns para os outros, não é? E o Tuíta, deus o abençoe, provou-o bem provado.  (publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 3 de janeiro)
 

1 comentário

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    PS: só um avivar de memória http://jugular.blogs.s...

  • Pinto

    Filipe, muito rapidamente. Eu não estou a discutir...

  • Filipe Gomes

    (1) "A palavra consenso refere-se a uma conformida...

  • Pinto

    A palavra consenso refere-se a uma conformidade de...

  • Filipe Gomes

    (1)"O resultado dessa votação não foi unânime. Por...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media