Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

salgados, insossos e picantes

Então parece que agora a família da Carolina Salgado, a ex-noiva daquele senhor que preside há um ror de anos ao Futebol Clube do Porto, veio a público desmentir o que a Carolina escreveu naquele livro chamado Eu, Carolina que saiu há uns bons meses e que quando saiu foi lançado pela Carolina em grande confraternização com a família.

Vi ontem na TV a irmã da Carolina, que parece até que é gémea, embora não exactamente igual, a dizer que desaconselhou a irmã de escrever o livro, que o livro era só para a irmã se vingar do ex-noivo e o pôr a ridículo, que a primeira versão do dito (que ela tem lá em casa muito bem guardada) não tinha aquela narrativa do enxerto que a Carolina diz que mandou dar em não sei quem a pedido do senhor do Futebol Clube do Porto e que entre outras coisas fez da Carolina uma testemunha apresentada como fundamental no processo Apito Dourado. Mais: a irmã da Carolina, que se chama Ana (a propósito, não era esta irmã da Carolina que, grávida, teria sido pontapeada por um segurança do Porto?), acusa a equipa da Polícia Judiciária que está a investigar o processo de ter induzido depoimentos, insinuando a existência de uma cabala contra o presidente do Futebol Clube do Porto que incluíria interesse de outros clubes, nomeadamente o Benfica. Acusações às quais responderam não só a procuradora Maria José Morgado, que dirige a investigação (negando qualquer manipulação), como a própria Carolina, que ligou para a Sic afiançando que o dinheiro neste caso “fala mais alto que o sangue”. Tudo isto, que a gente até pode achar instrutivo (e é) e divertido (talvez) e sobretudo previsível (extremamente) é uma tão velha tragédia humana que dá vontade de muito elitisticamente lamentar que se leiam tão poucos clássicos em Portugal. Rapariga desprezada conta tudo para se vingar do ex-noivo, ridicularizando-o de forma obscena e denunciando histórias atrozes de desmandos e ilegalidades. Família apoia-a primeiro e ataca-a depois, acusando-a das piores aleivosidades. Rapariga acusa de volta. É tudo um nojo, é. Mas foi de matérias como estas – despeito, abandono, ciúme, raiva, ambição e vingança – que se construíram as mais sublimes tragédias da literatura. E muitas vezes é assim que as coisas se passam. Com salgados e com insossos, à vista ou mais escondido. No futebol como num banco comercial qualquer. (texto publicado na coluna Black Out do DN Sport de sábado)

10 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media