Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

o presidente que se declara 'instância não própria'

Gostava muito de saber com exactidão o que foi perguntado pela TSF a Cavaco Silva sobre o incumprimento da nova lei do aborto pelo Governo Regional da Madeira. Recordemos as declarações em causa. Disse Cavaco: "Quando a legislação não é aplicada, os cidadãos podem recorrer a instâncias próprias, ao sistema de justiça";"[É] às instâncias próprias, judiciais, que compete analisar se há ou não cumprimento da lei e, se não há, aquilo que deve ser feito". Assim, à partida, fica-se com a ideia de que o que terá sido perguntado a Cavaco é que opções tem uma madeirense que queira interromper a gravidez nas primeiras dez semanas, de acordo com a lei que ele próprio promulgou. Se foi essa a pergunta, ficamos então a saber que para o presidente a opção será colocar um processo (a quem? Ao hospital que nega a interrupção? Ao governo regional? Ao Estado? Ao destino?) -- e, naturalmente, esperar pelo resultado. Umas semanas, uns meses, uns anos -- não há pressa e, de caminho, terá nascido mais uma criança, que tanta falta faz a um país com tão mísera natalidade (isto se a mulher não abortar clandestinamente, o que a colocará, então, em condições de ser ela a processada, para além de lhe pôr em risco a saúde, mas isto são minudências). Claro que a pergunta também pode (e deveria) ter sido: 'Senhor presidente, o que acha da recusa do governo regional da Madeira em aplicar a lei?' Não sabemos. Mas sabemos, sem sombra de dúvida, que Cavaco decidiu não condenar a posição do Governo Regional. E declarar-se como 'instância não própria' para a sua resolução.

É talvez muito insolência minha recordar ao presidente da República quais os seus deveres, mas a Ana Matos Pires já o fez e eu reitero: ele é o mais alto magistrado da nação, eleito para garantir a qualidade da democracia e o normal funcionamento das instituições, tendo jurado sobre a Constituição. Num caso como este, em que pela primeira vez uma parte do território nacional recusa cumprir uma lei por si promulgada, o presidente da República só pode ter uma posição: exigir que seja respeitada a democracia, garantidos os princípios constitucionais e reposta a legalidade. Ou seja, condenar vigorosamente (de forma substantiva, sem se refugiar no formalismo de passar a bola que não tem por que ser passada aos tribunais) a atitude do governo regional. Ao não o fazer, o presidente demonstra ou não conhecer as suas funções ou não ter vontade de as cumprir. O que nos leva a levantar um incidente de suspeição. Dever-se-á esta atitude às suas convicções pessoais sobre o aborto por vontade da mulher ou a uma qualquer incapacidade de fazer frente a um líder regional do partido do qual foi dirigente (que, recorde-se, já o tratou respeitosamente por 'Sr Silva')? Qualquer que seja a sua motivação, porém, Cavaco Silva acaba de demonstrar, na primeira grande prova à sua presidência, que não está à altura do cargo. Que, de facto, é instância 'não própria'. Aliás, se um presidente remete para os tribunais as funções que são suas e só suas temos de concluir que o que nos está a dizer é que não precisamos dele. Ficamos com os tribunais e ainda poupamos uns trocos -- para aplicar, por exemplo, em incentivos à natalidade. A bem da nação. (recorde-se que Marcelo Rebelo de Sousa, ontem, na RTP 1, considerou inaceitável a posição do Governo Regional, insistindo, como o já fizeram outros juristas, em que este não tem legitimidade para não cumprir a lei. Esta asserção, porém, não o impediu de dizer que Cavaco 'disse o que havia a dizer'. Ou seja: Marcelo não precisa de perguntar aos tribunais se é ou não ilegal e ilegítimo o que o governo regional está a fazer, mas acha bem que o problema seja por eles dirimido, sem porém explicar como e por que tipo de tribunal e a pedido de quem. 'Imprecisões' que terão passado despercebidas à dialogante de serviço a quem, pelos vistos, também não terá ocorrido questionar Marcelo -- que foi nomeado por Cavaco para o Conselho de Estado -- sobre quais serão, finalmente, as obrigações de um presidente da República e de que fórmulas dispõe a democracia para impedir que um governo regional lhe cuspa em cima)

44 comentários

Comentar post

Pág. 1/5

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media