Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

ai ai ai minha machadinha

É uma velha canção popular, a história de uma machadinha a quem o dono acusa de ter-se deixado nomear por outro: “Aiaiai minha machadinha/quem te pôs o nome sabendo que és minha”. Responde a machadinha: “Ai se tu és minha também eu sou tua/salta a machadinha para o meio da rua”. Lembrei-me dela a propósito de uma conversa com colegas do jornal. Uma, recém casada, comentou o facto de ter ficado com o nome do marido. Outro, que vai casar, certificou que gostaria muito que a namorada usasse o dele. Quando questionado sobre o porquê do desejo, hesita: “É uma tradição”. O facto de a lei permitir a “troca” de nomes não os estremece. “O meu nome já é muito comprido”, esclarece ele; a recém-casada afiança que isso – o marido ficar com o nome dela -- nem lhe ocorreu. Apesar de andarem nos trinta anos, os dois estão longe de constituir caso raro: conheço muita gente dessa idade, incluindo mulheres de postura dita “independente” e “feminista” e homens “avançados” que no momento de casar assumem a tal da “tradição”. “É uma coisa tão normal”, diz a minha colega, com um encolher de ombros. “Não percebo sequer por que há-de ser uma questão para alguém”. É uma forma curiosa de ver as coisas. Afinal, que há de “normal” em apenas um dos membros de um casal assumir o apelido do outro, e de essa “normalidade” ser determinada em função do sexo? Que haverá de “normal” no facto de aos homens, modo geral, não passar pela cabeça assumir o nome da mulher, mas fazerem tanta questão em que ela assuma o deles?

Conheço casos em que houve aceso debate, no qual o membro masculino do casal argumentava ser uma desconsideração a eventual resistência à adopção do seu nome. Ora, e parafraseando Shakespeare, o que há num nome? Desde logo, um certificado de identidade: eu sou o meu nome. Não há ninguém que não reaja com estranheza ou mesmo agressividade se depara com uma troca, pronunciação ou grafia errada do seu. Assumir a identidade de outrem passa geralmente por “roubar o nome” e fugir à sua por assumir “um nome falso”. Por outro lado, apôr o nome a algo ou alguém é uma afirmação de autoridade e posse, controlo e ascendência. Num interessante jogo de palavras, o psicanalista francês Jacques Lacan assimilou “o nome do pai” ao “não do pai” (o trocadilho só funciona em francês: “le nom du pére/ le non du pére”). Não surpreende que alguém que ama queira certificar de forma ostentatória o vínculo com o objecto ou ser amado. Que outra coisa é a aliança, senão um símbolo anunciado de uma união que é também uma pertença que exclui (supostamente) outras uniões da mesma natureza? Mas, ao contrário da aliança, que é usada pelo dois membros do casal, a transferência do apelido é vista como uma operação não recíproca. Quantas vezes se leu ou ouviu que no casamento “a mulher ‘perde’ o nome de solteira”? Que esta operação de anulação simbólica da identidade surja ainda hoje como “normal” e fruto de um tão arreigado desejo masculino (cuja génese os homens, ao apresentar “o costume” como alibi, parecem ter dificuldade em racionalizar/explicar) devia fazer reflectir sobre a forma como a dominação patriarcal e a submissão feminina permanecem, apesar de estabelecida na lei a igualdade, no cerne das relações entre homens e mulheres, emergindo de modo tão claro naquele que é apresentado como o momento mais romântico do compromisso entre duas pessoas. (texto publicado na coluna 'Sermões impossíveis' da Notícias Magazine de 5 de Agosto -- o texto Malacuecos, publicado uns posts abaixo, saiu a 12 e não a 5, como escrevi)

37 comentários

Comentar post

Pág. 1/4

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media