Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

os números 'expressivos' do aborto legal

Este fim de semana, li no semanário Sol uma pequena notícia sobre o número de abortos efectuados sob a vigência da nova lei. 300, dizia a notícia, que considerava o número 'expressivo'. O tamanho do texto não terá permitido ao autor explicitar o carácter desta expressividade. À qual, frisava-se, faltaria juntar os abortos efecuados no privado. Hoje, a Sic abriu o jornal da tarde com um novo número, 'mais de 500' (mais exactamente 526), que incluirá já as intervenções fora do público. Ora recordemos um facto: aquando da discussão sobre o referendo e sobre a nova lei, falou-se repetidamente de uma estimativa, baseada nas médias gerais para abortos em função do número de nascimentos (calcula-se de um modo geral que aqueles corresponderão a cerca de 20% destes), que remetia para 20 mil interrupções de gravidez/ano. Se fizermos as contas, verificaremos que este valor corresponde a cerca de 1666 abortos por mes. Parece pois que longe de 'expressivo', o número de abortos contabilizados desde a entrada em vigor da lei está muito aquém daquele que se esperaria. O que é, naturalmente, normal: ninguém espera que no primeiro mês de aplicação da lei se alcance uma média. Aliás, de acordo com o que ameaçaram alguns dos adversários da lei, deveriamos assistir a um tropel de mulheres no sentido das virtualidades abortivas -- e afinal o que temos é um número muito abaixo daquele que a estimativa, assumida aliás pela Direcção Geral de saúde, prevê. O que me parece muito expressivo é que haja notícias sobre estes números em que não se faz referência à estimativa existente, descontextualizando assim radicalmente a informação.

29 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media