Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

pena e psicoterapia

Há umas semanas, escrevi aqui sobre uma amiga que está apaixonada por uma mulher e que é correspondida. Falei das dificuldades dessa relação, da forma como tanta coisa que é considerada normal e desejável e, sobretudo, espontânea é dificultada ou mesmo impossibilitada por um contexto social e cultural que trata o amor entre pessoas do mesmo sexo como uma aberração e uma ameaça. Ver uma relação de amor consentânea entre adultos como uma ameaça social é algo que, confesso, ultrapassa a minha capacidade de entendimento. Não creio, aliás, que haja alguma forma de explicar esse tipo de atitude que a do mais puro e tenebroso preconceito, aquilo a que se chama fobia. Um sentimento que nada tem de razoável ou racional, e que retira a sua virulência de uma caldeirada de temores, atracções e recalcamentos que são decerto muito interessantes para especialistas mas que só servem para fazer o mundo um lugar mais perigoso. Vem isto a propósito da carta de um leitor que, em reacção ao meu texto, começava por dizer que tinha “pena” da minha amiga. E que lhe aconselhava, para fazer face à situação em que se encontra, o recurso a psicoterapia. Para este leitor, a minha amiga, uma mulher de 30 e tal anos que se apaixonou por outra mulher da mesma idade e que tem de, diariamente, medir os gestos e as palavras para não ter de lidar com a incompreensão e a agressividade das pessoas que acham isso impensável e inaceitável, é que tem de, digamos, se emendar.

Para este leitor, não são as pessoas que, conhecendo a minha amiga, mudam de opinião e de atitude por saberem que ela, em vez de gostar de um homem gosta de uma mulher, que têm um problema. Não são as pessoas que se a virem na rua de mão dada com a namorada a insultarão e os colegas ou patrões capazes de a ostracizar e de a conduzir ao despedimento ou os que acham que a paixão dela é uma espécie de vírus da perdição que precisam de tratamento. Não são os legisladores e sacerdotes que em tantos países do mundo, incluindo vários estados dos EUA, criminalizam o amor dela, chegando a castigá-lo com a pena de morte, que estão doidos. Ela é que tem de ir à consulta. Estou certa que o leitor que enviou esta carta se considera boa pessoa. Que não se vê como capaz de condenar alguém à infelicidade e a uma vida clandestina, quanto mais à prisão e à morte. Que acredita mesmo que está a lutar pelo bem ainda que, quando escreveu a carta que enviou à NM, não foi decerto capaz de, nem por um instante, imaginar-se no lugar da minha amiga, ou de pensar que pode haver, ao seu lado, na sua família, entre os seus amigos, pessoas que as suas palavras iriam magoar profundamente. Não: o leitor acha-se um justo. Quando escreve que sente pena, o que está a dizer é que se considera melhor e mais correcto que a minha amiga, capaz de lhe dizer o que está certo e errado. Que ela deve, se insistir em amar uma mulher, viver esse amor escondida e temerosa e envergonhada, sem jamais se arrogar o direito de o proclamar e consagrar publicamente. O que o leitor diz é que o amor que ela sente a torna menos digna. A faz menos que ele. É porque há tanta gente como o leitor da NM que se fazem festas do orgulho gay e festivais de cinema queer como o que esta semana decorreu em Lisboa. É, digamos, uma forma pública de terapia. Para toda a gente. Um dia virá – e desenganem-se os que o temem, porque é inevitável – em que estas festas e festivais vão deixar de fazer sentido. O dia em que a pena que o leitor impõe à minha amiga seja vista por todos como a aberração e a ameaça que é. (publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 23 de Setembro)

48 comentários

Comentar post

Pág. 1/5

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media