Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

A tirania de um príncipe numa oligarquia não é tão perigosa para o bem público como a apatia dos cidadãos numa democracia*

No final do século V a.C., Atenas viveu uma profunda crise económica e política devido à longa guerra do Peloponeso. À rendição de Atenas, em Abril de 404, seguiu-se um golpe oligárquico apoiado por Esparta. A oligarquia que, com o apoio das tropas espartanas, fez cair a democracia ateniense ficou conhecida como a Tirania dos Trinta. Embora a democracia tenha sido formalmente restaurada pouco depois, em 403, o populismo retórico da aristrocracia fez crescer a insatisfação dos cidadãos com a crise económica. A aristocracia culpou a democracia pela crise vivida e exigiu um governo forte que permitisse o retorno à antiga glória e ao poder atenienses. Com a confiança no regime seriamente abalada, no início do século IV a.C. os cidadãos deixaram de participar na Res Publica o que levou a que fossem remunerados os que condescendessem a comparecer às sessões da Assembleia. A Assembleia tornou-se assim o ponto de confluência dos ociosos, dos demagogos e dos cidadãos que nela viam apenas uma forma de subsistência. Décadas de demissão da cidadania por parte dos atenienses e de retóricas ocas por parte de quem queria o poder pelo poder tiveram como consequência que, no final do século IV a.C., a tirania oligárquica vingasse.

 

É desta época conturbada que data uma das obras mais maduras de Platão, Górgias, de que é especialmente emblemático o Diálogo entre Górgias e Sócrates em que ambos discorrem sobre as virtudes relativas da retórica e do conhecimento técnico. Sócrates e Górgias concordam que a maioria dos cidadãos é incompetente para tomar decisões fundamentadas na justiça e na política pública, mas divergem no que se deve usar para influenciar os cidadãos nas suas escolhas, a «persuasão que gera a crença» - como Górgias define retórica - ou o conhecimento dos peritos:

 

Górgias: «eu quero dizer [pela arte da retórica] a capacidade de convencer, por meio do discurso, um júri num tribunal de Justiça, membros do Conselho na sua Câmara, os eleitores durante uma reunião da Assembleia, e qualquer outra reunião de cidadãos, seja ela qual for

 

Sócrates: «Quando os cidadãos se reunem para nomear oficiais médicos, construtores navais ou qualquer outra classe profissional, certamente não deverá ser o orador que os aconselha então. Obviamente, em todas as eleições desse tipo a escolha deverá recair sobre os melhores especialistas».

.

Ou seja, para Górgias, a maior virtude da retórica ou «arte dos discursos» é ser um meio eficiente para atingir o poder. Para Sócrates, o poder baseado na habilidade para produzir persuasões que são crenças e não conhecimento não pode ser boa coisa, porque:

 

«se pela retórica é possível persuadir sem ter saber, como pode transmitir o saber quem previamente o não possuir

 

Uma questão que, a todos os níveis, se mantém actual 2400 anos depois de ter sido formulada.

 

*Charles de Montesquieu

5 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media