Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

beijo-te os pés, daniel

'Claro que Francisco José Viegas pode contar as anedotas que entender. E pode acusar muita gente de falta de sentido de humor por não achar grande graça. Eu digo aqui a única razão porque não acho: porque acho fácil. Viegas estaria apenas a procurar a simpatia da maioria sem beliscar as suas convicções. O que para ele seria visto como uma provocação seria, na realidade, ouvido, pela esmagadora maioria, como uma evidência. O humor sobre as minorias é tão legítimo como qualquer outro (não há humor ilegítimo e as minorias costumam ser o principal tema). É só mais cobarde. E pelo menos a mim a cobardia dá-me pouca vontade de rir. Em Portugal, prefiro piadas sobre católicos. É mais dificil e aí sim, como pode testemunhar Herman José, a censura pode fazer-se sentir.'

 

chiça. bonito, com graça, inteligente, alto, e ainda por cima trágico. tem tudo, tem. dá raiva, dá

'no hamlet, há uma parte de que gosto imenso: o hamlet vai ao cemitério e o coveiro está a abrir a cova que vai ser para a ofélia e saem duas ou três caveiras, uma delas do yorick. que é o bobo da corte, que tinha andado com o hamlet às cavalitas. se era só um confronto com alguém de quem o hamlet gostasse muito, aquela caveira poderia ser de uma ama ou de um tio -- já que os pais não lhe ligavam grande coisa, pelos vistos. mas o shakespeare escolhe o bobo da corte e eu acho que não é por acaso. a última coisa que ele diz à caveira é: 'diz as coisas que tu dizias antes, que faziam rir uma mesa inteira. vai ter com a minha senhora e diz-lhe que, por muita maquilhagem que ponha na cara, vai acabar por ficar como tu estás agora. fá-la rir disso.' isso é a minha epígrafe. acho que o nosso trabalho é justamente esse: fazer as pessoas rirem-se da morte. no fundo, cada gargalhada que a gente dá é uma gargalhada contra a morte. isso acho espantoso.' ser ou não ser ricardo araújo pereira. no p2, hoje.

eram só 30 mil, no mínimo, mas deixem lá isso, quem é que se lembra?

a propósito desta indignação aqui (e de outras gémeas, isto propaga-se como um incêndio num campo de células cinzentas ressequidas), e tendo já dito o que me aprouve dizer na respectiva caixa de comentários, acrescento apenas esta singela notícia. e umas contitazitas: 20 milhões de euros por ano a 650 euros cada aborto (por acaso um bocadinhozito mais que aquilo que eles efectivamente custam -- os preços-referência do sns variam entre 375 e 475 euros, conforme se trate de aborto químico ou cirúrgico -- mas quem é que repara nestas coisas) dá só mais de 30 mil abortos/ano. escuso de lembrar que a estimativa da 'plataforma do não' (que, como o nome indica, era a confederação dos movimentos do não) se situava num intervalo entre 20 e 30 milhões de euros. como dizia o outro, é fazer as contas e concluir que eles esperavam/anunciavam/proclamavam/garantiam mais de 30 mil abortos por ano. assim, se fosse aos 'indignados' (onde estariam eles quando o economista antónio borges fez estas estimativas, que não lhe perguntaram em que se baseava?) metia a violita no saco mais fundo que tiverem lá por casa. mas isto sou eu a achar que isto é gente com vergonha na cara -- silly me

ainda a propósito de uma conversa acabada

passagem: significa, por exemplo, acto ou efeito de passar; ou/e lugar por onde se passa; ou/e preço que paga quem transita por certos lugares; ou/e ponteado que se faz para unir uma peça rasgada ou tapar um buraco; ou/e frase ou trecho de um texto ou obra literária; ou/e lance; ou/e caso; ou/e acontecimento; ou/e conjuntura; ou/e transição de um tom para outro; ou/e lançamento da bola a um companheiro da mesma equipa para a furtar ao ataque do adversário. quando se coloca antes um 'de', como em 'de passagem', significa 'por alto; de leve; sem demora'. é um substantivo feminino. it works both ways, though.

a princesa e o quiosque

lugar: hoje, marquês de pombal, quiosque no cimo da rodrigues sampaio. hora: três e tal da tarde. propósito: comprar a time out, essa revista maravilhosa e indispensável feita por pessoas maravilhosas e indispensáveis para pessoas maravilhosas e indispensáveis (over the top, i know, mas tenho algumas das minhas pessoas preferidas naquela redacção, so, humour me). momento maravilhoso e indispensável: o homem já sabe o que quero e estende-me a t.o. enquanto ao meu lado uma senhora segura uma caras/flash/lux-vip-whatever de letizia ortiz na capa e diz, 'estou muito preocupada com esta princesa. ela tem qualquer coisa'. o homem do quiosque responde: 'assim anorexia ou bulimia? se calhar não. sabe, a vida dela não é fácil. as pessoas pensam que sim, mas não deve ser fácil'.

Pág. 1/4

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media