Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Cláudia Vieira fora das bermas de estrada

Não tenho a pretensão de vir a ser acusado de plágio, mas admito à partida que li há uns dias este post do Pedro Mexia. Os textos pedem o mesmo - a atenção da Cláudia Vieira, bem entendido - mas há algumas diferenças. A começar, o Pedro endereça a sua carta a uma entidade privada e eu exijo mais regulamentação por parte do Estado - o que faz todo o sentido e, perante declínio da ideologia, chega a ser reconfortante. A seguir, o Pedro preocupa-se com a erosão pública da sua fantasia e só é hipócrita na sua preocupação com a fantasia do outros e eu, absolutamente hipócrita, preocupo-me apenas com a segurança dos condutores. Por fim, diferimos na apreciação estética, mas não vos quero maçar mais.

 

 

Li na imprensa especializada que a actriz Cláudia Vieira suspeita de que nas cenas íntimas “aparecem, por vezes, pessoas no plateau que não parecem estar ali por razões totalmente profissionais”. Sem ousar discordar, ocorreu-me que nas minhas deslocações diárias totalmente profissionais, quem aparece é a Cláudia – e em trajes bastante íntimos. Ora bem, sustento a tese de que a presença na praça pública de uma Cláudia de lingerie de ligas é um atentado à segurança rodoviária. Ainda ninguém quantificou os acidentes que, não se devendo a aselhice, embriaguez, intempérie, estado do parque automóvel ou das estradas, resultam de uma desatenção provocada pelos anúncios, mas creio que fortes interesses se opõem a este escrutínio. De outro modo, não percebo como se autoriza ecrãns com imagens que fazem da A5 uma sala de estar e anúncios radiofónicos com buzinadelas de carro que tomamos por reais. É neste contexto que sou pela imposição de uma distância mínima de segurança que impeça a presença de imagens de Cláudia Vieira junto das estradas –impor a prisão domiciliária à própria Cláudia foi ideia que, a custo, abandonei.
 

A mudança nos costumes, que banalizou o sexo e subiu a fasquia daquilo que é considerado impróprio, transformou a publicidade à lingerie em sublimação sexual colectiva. Sobre soutiens escreveu Prado Coelho uma crónica de antologia e sobre a nossa Cláudia pode um jovem entabular conversa com a sua avó a propósito do tamanho da copa ideal. Afinal, as grandes imagens do final do século passado são os alemães a destruir o muro de Berlim à martelada e o peito de Eva Herzigova no aconchego do Wonderbra. Ora, com o aumento da qualidade da publicidade rodoviária aumenta o perigo para os condutores. O anunciante põe ligas na Cláudia Vieira e o consumidor agradece. De resto, protestar contra tais imagens vem com duplo pejo, porque “não é de homem” e é “um atentado à liberdade de expressão”. Mas o ónus da prova não é meu. Prove-se então que não estamos perante um problema real – bastaria calcular a frequência de acidentes em determinados trechos de estrada, antes e depois dos outdoors com fotos de Cláudia Vieira serem substituídos por fotos de Jorge Gabriel.
 

O código da publicidade tem 8 restrições para anúncios sobre álcool e proíbe a publicidade ao tabaco e ainda aos jogos de fortuna – sendo a única excepção as iniciativas da Santa Casa. O que há de comum no álcool, tabaco e jogo? O prazer e o vício. Então por que motivo não aparece o sexo nesta lista? Porque o sexo na publicidade não é uma mercadoria, é um veículo de transmissão. Nada contra. Mas repensemos o que queremos ver quando vamos ao volante. Atafulhem-me pois a caixa de correio com a Cláudia Vieira, mas afastem-na para sempre das bermas da estrada -  uma regra que, em contraste com o carácter de excepção concedido à Santa Casa para o jogo, qualquer legislador com bom senso faria ainda aplicar com reforçada fiscalização e ad eternum,  caso a moça venha a ser canonizada.
 

Este texto era para o Metro, mas embora a 1 de Dezembro de 1640 tivesse ficado determinado que o jornal não seria editado hoje, só me dei conta disso ontem.

Cenas da vida doméstica num lar português - Grrr!

Porque é que as grandes empresas de telecomunicações se armam sempre em chicas espertas? Aviso já que estou irritada e, coitado do rapaz, quem comeu com a minha irritação foi quem teve o azar de me atender no Apoio ao Cliente da TMN. Mas, bolas, tenho razão. Passo a explicar.

Dia 20 de Novembro recebo um telefonema do louro a dizer-me que lhe tinham ligado da TMN para oferecer um serviço não sei quantos, que ele tinha respondido que não queria "Mas a senhora disse que mo iam oferecer e mais não sei o quê, mamã. Não percebi bem porque estava muito barulho à minha volta, estamos no intervalo das aulas". Comecei logo a ferver porque se há coisa que qualquer pessoa percebe quando fala com o meu filho ao telemóvel é que ele é puto, os 12 anos de idade estão-lhe estampados na voz. Ora parece-me óbvio que propor alterações de serviços da TMN a putos é obsceno. Respirei fundo três vezes e liguei para o apoio a clientes procurando saber o que é que lhe tinham proposto e dizendo que o que quer que fosse não queríamos.

Branqueamento

A modesta casinha de Salazar vai dar museu e o antigo edifício da PIDE está a ser transformado em condomínio de luxo. Chamam-lhe agora Paço do Duque - os nomes dos condomínios de luxo em Portugal são invariavelmente freudianos. Passei ontem pela rua António Maria Cardoso e já se percebe com que cor  vai ficar o edifício.

Pág. 27/27

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media