Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

O sistema de castas é o melhor

 

 

Greg Mankiw publicou este gráfico no seu blogue, acrescentando-lhe o seguinte comentário: "This graph is a good example of omitted variable bias, a statistical issue discussed in Chapter 2 of my favorite textbook. The key omitted variable here is parents' IQ. Smart parents make more money and pass those good genes on to their offspring."

Por outras palavras, Mankiw, autor dos manuais de economia mais usados em todo o mundo, acha que a distribuição dos rendimentos reflecte com grande rigor a capacidade intelectual dos seus detentores, e que estes os passam aos seus filhos através dos seus genes, razão pela qual estes terão melhor desempenho escolar e, mais uma vez, melhor sucesso profissional.

Para Mankiw, se alguém é pobre isso explica-se por alguma espécie de deficiência intelectual que inevitavelmente legará à sua prole.

Ora, mesmo que se acredite que a distribuição das pessoas pelas classes sociais se faz essencialmente com base no mérito, o mérito não se reduz - muito longe disso - à inteligência. Acresce ser extremamente duvidoso que a inteligência, no sentido vasto e vago em que aqui a expressão é utilizada, se transmita através dos genes.

Eu não posso deixar de felicitar Mankiw pela sua franqueza. Não há muita gente à direita capaz de afirmar publicamente com todas as letras a sua preferência por uma sociedade de castas.

Propriedades

Alguma confusão noticiosa sobre o que disse ontem no Campus da JS em Santa Cruz. A propósito de questões de igualdade defendi dois pontos. O primeiro sobre como compete à geração mais jovem ultrapassar a cisão revolução/democracia liberal que herdámos do período revolucionário de 74-75 e da "normalização" do 25 de Novembro. O segundo sobre como compete à geração mais jovem integrar a sério as questões de combate à desigualdade socio-económica e as questões de combate à desigualdade de base identitária - ultrapassando assim quer o primado da primeira em muitas teorias de esquerda e o primado das segundas no modelo norte-americano que tende a globalizar-se. A propósito disto quis deixar bem claro que as questões de igualdade identitária, nomeadamente LGBT, não podem ser vistas como propriedade da esquerda mais radical - que as introduciu de modo mais visível em Portugal (ao contrário de outros países). Elas devem ser parte de sectores mais alargados, peocupados com a democracia, os direitos humanos e a dignidade. Ainda bem - e digo-o sem qualquer problema e até com um bocadinho de orgulho pelo que fiz por isso - que o Bloco de Esquerda assumiu as questões de igualdade para lá da socio-económica. Esse facto jogou um papel crucial na divulgação do assunto na política portuguesa - papel que, aliás, também a JS jogou. Mas não pode ficar propriedade de nenhum partido nem ser necessariamente associado a um partido. Até porque, em última instância, a força reivindicativa reside nos movimentos sociais e associações que agregam as pessoas que directamente sofrem com as discriminações.

Reduzir isto a uma questão politiqueira entre o PS e o BE é coisa que não me interessa nem motiva. Até porque bem mais importante é denunciar o projecto reaccionário do PSD neste campo. (publicado 1º no Simplex).

com certeza que alguns

chegada de férias longe, oiço as declarações de cavaco silva em querença pela primeira vez. a joão já as qualificou com justeza, mas há algo que me parece ainda de frisar. o presidente da república, instado a comentar uma história surgida no público há duas semanas, que cita como fonte um ou mais dos seus assessores e que acusava o governo de espiar a presidência, resolve, após longo silêncio, atribuir a história àqueles ('com certeza que alguns') que desejariam 'afastar as atenções, porque o desemprego é elevado, porque Portugal tem problemas de competitividade, porque existem problemas de insegurança'.

 

ou seja, das duas uma: ou o presidente da república acusa o jornal público de ter forjado a história para favorecer 'esses' que desejam afastar as atenções, ou acusa um ou mais dos seus assessores de estarem a fazer isso mesmo.

 

como não há notícia de qualquer mudança no pessoal da presidência, temos de concluir que cavaco está a acusar o público de favorecer quem gostaria de desviar as atenções desses problemas. como quem poderia desejar o desviar das atenções desses problemas só poderia, por exclusão de partes -- temos a oposição toda aos gritos a dizer que esses problemas são os maiores do mundo e arredores, portanto não poderá ser suspeita de não querer que se fale deles --, ser o governo, então cavaco está não só a acusar o governo de querer esconder esses problemas (o que é muito coerente com a sua afirmação de estar 'acima dos partidos políticos' e de superioridade em relação à luta partidária e sobretudo muito leal e límpido pela forma como é feito), como a dizer que o público está a ajudar o governo nesse desidério.

 

com certeza que alguns vão achar normal que o público e o seu director não reajam a estas declarações como um jornal que tem confiança nos seus jornalistas e nas suas fontes deveria reagir a uma acusação desta monta. com certeza que alguns acham que brincar aos watergates e às teorias da conspiração faz parte da dignidade constitucional do cargo de presidente. 

 

numa coisa podemos crer em cavaco, porém: quando diz, no fim destas declarações, falando de si na terceira pessoa, 'ele não vai desviar-se daí'.

 

adenda: depois de escrever isto, dei com este artigo do pedro marques lopes.

Alguém beije o João Gonçalves*

«Oh, boa noite, Guilhermina, era mesmo de ti que eu andava à procura! Sou um feiticeiro da floresta. Adormeci debaixo de uma bétula numa noite de lua cheia e fiquei aluado [e apanhei ténias. No cu!]. Desde então, adormeço várias vezes por dia, mas nunca mais do que uns minutos. Só um dos teus beijos me poderá libertar desta maldição.»

 [in "52 histórias para todas as noites de Domingo"]

 * Vidal, anda cá, o teu amigo quer um beijinho!

Energia, biocombustíveis e insustentabilidade laranja



Logo na sua prioridade máxima, a economia, podemos ler no programa do PSD um ponto 15 referente a energia. Este ponto, tirando as políticas energéticas do actual governo que prometem continuar (estas aparentemente não rasgam nem repudiam), é um conjunto vazio de propostas em que se debitam uma série de termos que estão no ouvido do eleitorado, alguns em sintaxes que me deixam perplexa, outros, como os biocombustíveis, que espero sinceramente sejam apenas buzz words lançadas inconsequentemente.

 

Tal como no resto do programa, parece-me no entanto que o PSD, por uma razão que não percebo nem vem inscrita em nenhum lado, considera que o facto de ser governo seria q.b. para que os cidadãos, e em particular as empresas privadas, alterassem drasticamente os comportamentos. Por isso, considera não ser necessário apresentar qualquer proposta nem linha de acção concretas num programa que assume que o futuro do país assenta exclusivamente na mão da iniciativa privada que, num passe de mágica, só porque o PSD é governo, vai fazer milagres por motu proprio.

 

Políticos de palmo e meio

 

Mais um extracto da entrevista de Louçã ao Jornal de Negócios de 4ª feira:

P - Esta "desprivatização" da Galp e EDP seria um confisco ou uma compra?

R - Há várias formas possíveis. De Gaulle nacionalizou sem indeminização.

Reparem na subtileza. Se algo grave suceder, o responsável terá sido De Gaulle, não Louçã. (Poderia ter lembrado Vasco Gonçalves, mas, no momento, só lhe ocorreu De Gaulle.) Louçã não se pronuncia directamente pelo confisco: "há várias formas possíveis", constata o homem de ciência. Mas, se até o reaccionário do De Gaulle confiscou...

Sintomática dicotomia

Não é o veto de Cavaco à lei da união de facto que me interessa agora mas sim a mensagem que esconde o discurso de alguns dos que o aplaudiram. Volto a Maria José Nogueira Pinto (que começa a tornar-se a minha musa de eleição, está visto). Reparem neste período da crónica que escreveu no DN há 2 dias:

 

Seria então proibido proibir as famílias e os cônjuges de serem o que são, e proibido proibir os que vivem em união de facto de serem o que querem ser.

 

Depreende-se das palavras da senhora que "família" existe quando existem conjuges e mai' nada. Uma reciclagenzita sociológica para estas pessoas não se arranjará?

Pág. 1/20

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media