Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Descubra as diferenças

Esto sólo lo arreglamos entre todos:

"Queremos arreglar esto, y no vamos a esperar a que nadie lo haga por nosotros. Porque si no lo arreglamos nosotros, ¿quién lo va a hacer?

"Llevamos demasiado tiempo viendo en todas partes lo mal que está todo. Es casi lo único que nos cuentan.

"Pero la crisis no solo está ahí fuera, también está en nuestras cabezas. Nos ha hecho perder la confianza, nos ha contagiado el pesimismo, el desánimo."

Patrocinado por:Abertis

BBVA

Caja Madrid

Cámaras de Comercio

Cepsa

Endesa

El Corte Inglés

Iberdrola

Iberia

Indra

La Caixa

Mapfre

Mercadona

REE

Renfe

Repsol

Santander

SEOPAN

Telefónica

a lei esfumada

Em 1 de Janeiro de 2008, entrou em vigor a lei que ficou conhecida como “do tabaco” e que se propôs, pela primeira vez em Portugal, limitar seriamente o fumo em locais públicos. Projectado para, à imagem do que sucedeu por exemplo no Reino Unido, proibir completamente o tabaco (ou quaisquer outros fumos) em locais como restaurantes, bares, discotecas, casinos, etc, o diploma acabaria por ser “temperado” graças às pressões dos industriais hoteleiros, permitindo a existência de zonas para fumadores em estabelecimentos com mais de 100 metros quadrados e a autorização total de fumo para os mais pequenos.

 

Apesar de qualificada pelos seus detractores como nada menos que “nazi”, após um período inicial em que a maioria dos estabelecimentos se declarou livre de fumo (e os seus frequentadores e trabalhadores souberam pela primeira vez o que era não comer/cozinhar/servir bife com batatas fritas e fumo a cavalo e chegar a casa sem ter de pôr a roupa a arejar e o cabelo em saponária), a legislação está a ser “mitigada” na prática, com grande parte dos locais a “abrir” zonas de fumo. Isso não seria necessariamente um problema se atendessem aos requisitos necessários para tal – a saber, a instalação de mecanismos de tiragem que impeçam as áreas contíguas de serem “invadidas” e os frequentadores e trabalhadores de sofrerem o efeito do fumo alheio. Mas tudo – a começar pelo olfacto – leva a crer que assim não é.

 

Poder-se-á culpar a fiscalização deficiente. Mas o problema de fundo reside na lei. Esta, ao permitir estabelecimentos mistos e a possibilidade de locais – restaurantes, por exemplo -- só para fumadores, especifica que estes, além de estarem devidamente sinalizados (encarnado para as áreas de proibição, azul para as outras), devem “ser separados fisicamente das áreas contíguas ou disponham de dispositivo de ventilação, ou qualquer outro, desde que autónomo, que evite que o fumo se espalhe às áreas contíguas”, assim como que “seja garantida a ventilação directa para o exterior através de sistema de extracção de ar que proteja dos efeitos do fumo os trabalhadores e os clientes não fumadores”. Sucede que ninguém sabe como aferir a qualidade do ar nos estabelecimentos e portanto a capacidade de ventilação dos equipamentos, de modo que cada um faz como lhe apetece. Há locais que ficaram aliás exactamente como eram antes da lei – antros irrespiráveis – e outros estão a caminho de regressar à primeira fórmula. Os que combateram a lei dirão, claro, que só lá vai quem quer, como antes diziam de todos os locais onde o fumo era livre. Mas não só há quem esteja lá por obrigação e necessidade – os empregados, de quem toda a gente parece sempre esquecer-se – como nada leva a crer que os estabelecimentos tenham sofrido com a exclusão do tabaco: na generalidade dos restaurantes onde há espaços de fumadores e de não fumadores os segundos, apesar de maiores, enchem muito mais rapidamente.

 

Isso não só significa que há mais procura para as zonas sem fumo como que é provável que quem não arranja lugar nessas acabe por ir parar às de fumadores. Já me sucedeu – e a semana passada até dei de caras com uma criança na zona “azul”. Antes as crianças também iam a restaurantes e toda a gente fumava para cima delas? Pois era. Mas não só iria apostar que quem marcou a mesa foi para ali por ausência de lugar na outra sala (aliás, até há um mês todo o restaurante era “encarnado”) como ver uma criança numa zona de fumadores e os fumadores a fumar, imperturbáveis, nas mesas ao lado -- “se aquela criança está aqui é porque os pais a trouxeram, e se a trouxeram o problema é deles, não é meu” -- torna clara a auto-exclusão dos nicotinómanos das regras mínimas da civilidade. Estão fora – e irem “lá fora” fumar, por penoso que seja para os próprios e para os outros, é a simbólica consequência. Não há meios-termos nem negociação possível com os fumadores: esta lei falhada demonstra-o bem.

 

(publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 21 de fevereiro)

Da irrelevância ética da psicologia evolutiva

Knowing something about evolutionary psychology might contribute something to understanding the revenge culture in which Orestes finds himself in Aeschylus’s Oresteia, and so why he feels pulled both to avenge his father’s murder by his mother Clytemnestra, and also feels horrified at the prospect of killing his mother in cold blood. But none of that can be, would be, at all helpful to Orestes or anyone in his position.  Knowing something about the evolutionary benefits of altruistic behavior might give us an interesting perspective on some particular altruistic act, but for the agent, first-personally, the question I must decide is whether I ought to act altruistically and if so why. I cannot simply stand by, as it were, and “wait” to see what my highly and complexly evolved neuro-biological system will do. “It” doesn’t decide anything; I do, and this for reasons I must find compelling, or at least ones that outweigh countervailing considerations. It is in this sense that the first-personal perspective is strictly unavoidable. I am not a passenger on a vessel pulled hither and yon by impulses and desires; I have to steer."

 

Robert Pippin, Normative and Natural

Chiado

 ©av

«Dois quilos de bolachas de manteiga». E a voz da minha avó, doce, tão doce: «escolhe chocolates Aninhas, escolhe chocolates». Quarenta e cinco anos passados e o remorso de nunca lhe ter feito a vontade de deixar de roer as unhas.

Shyza Sound Trash - I rest my case

Já usei esta comparação noutro sítio a propósito dos double standards da discussão dos últimos dois dias. Se bem se lembram o clip de Robert Palmer foi recebido com um coro de críticas - as mulheres que o acompanham eram meros objectos decorativos, etc., etc. -, já o de Shania Twain teve uma recepção absolutamente pacífica. I rest my case...

Sono da razão: o lado negro das redes sociais

O debate da Almedina sobre o diálogo impossível entre evolucionismo e criacionismo permitiu-me confirmar o que trata um artigo que recomendo de um dos editores do jornal Frontiers in Neuroscience,  o lado negro da web e os «kooks and nutcases» que encoraja.

 

De facto, após Artur Villares ter criticado a «caricaturização» que eu supostamente fiz do criacionismo quando expliquei as razões porque o criacionismo, como o moderador tinha constatado, estava hoje em dia no centro da atenção da ciência em alguns países, caiu em todas essas caricaturas e apresentou-as como factos consumados que uma grande (e efabulada) conspiração a nível mundial impedia serem do conhecimento geral. Todas essas caricaturas são perpetuadas e copiadas ad nauseam pelas boas graças de alguns criacionistas, como o pastor Ken Ham, que mantêm sites como o Respostas no Génesis. Ou seja, os pseudo argumentos esgrimidos por criacionistas de todos os flavours e em todos os locais do mundo são iguaizinhos e assentam, a menos de traduções deficientes, em teorias da conspiração, mentiras puras e duras e coisas bizarras debitadas nesses sites.

 

Pág. 1/33

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media