Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Governação

"Ninguém põe o país a pão e água por precaução"

(Miguel Relvas, 15 de Março de 2011)

 

O partido que acusava o outro, há 3 meses, de pretender deixar o país a "pão e água" encaminha-se, aparentemente, para cortar parte do 13.º mês. O partido que achava ridículo que o PECIV tivesse o objectivo de ganhar uma margem de segurança na redução do défice de 2011 quer, afinal, agora ganhar uma folga para impressionar (não venham com os números do INE conhecidos ontem, porque quem manda é o Conselho Europeu, e desde a semana passada se sabia que vinha aí mais austeridade). O partido que achava a todos os títulos inaceitável aumentar impostos em vez de reduzir a despesa (mas onde estão os míticos consumos intermédios que tudo resolviam?) e que prometia, no futuro, que a austeridade incidiria apenas e só sobre o Estado - porque a sociedade já estava dela farta -, vai, tudo indica, criar um novo imposto extraordinário que, obviamente, não distingue público do privado. E o partido (já governo) que disse que "não usaremos nunca a situação que herdámos como desculpa", não demorou uns dias a violar uma afirmação tão nobre como destituída de sentido (no contexto em que vivemos).

 

Será esta a nova "política de verdade"? Não, é a esperteza estratégia clássica: está nos "manuais de ciência política" - para usar uma das expressões preferidas de Miguel Relvas - que nos primeiros 100 dias de um Governo, em termos de sacrifícios a impor, vale tudo menos arrancar olhos, por ser ainda cedo para as pessoas chamarem os políticos de "mentirosos".

 

Mas lá chegaremos. Sejam, por isso, bem-vindos à governação.

ouvi mal...

...ou a Sandra Felgueiras disse mesmo ontem (terá sido ontem?), em direto de Atenas, que "aqui, uma em cada cinco lojas fecha diariamente"? Se sim, terá a simpática menina alguma vez feito contas na vida? Ou já chegámos ao ponto de se poder dizer qualquer coisa, qualquer enormidade, para apimentar o efeito dramático da crise? E de as alarvidades serem proferidas sem reparo, sem sanção, sem coreção, sem consequência, sem nada disso?

Adenda: "uma em cada cinco lojas na Grécia fecha diariamente". dixit. obrigado Shyz. Portanto, havendo, por exemplo, 5 milhões de lojas na Grécia, ontem fechou um milhão; hoje há apenas 4 milhões, e estão a fechar 800 mil. Amanhã haverá apenas 3 200 000 lojas, e fecharão umas 640 mil. Bestial. Daqui a umas semanas não haverá lojas. A menos que entretanto abram novas, coisa impensável nesta conjuntura, presumo. Ou que a jornalista ("menina" não, que é ofensivo) tenha inventado, improvisado ou outro rasgo qualquer de génio profissional. Ou ainda, quem sabe, o que ela queria dizer era que ontem, dia de turbulência em Atenas, 1/5 das lojas estavam encerradas. Ou porque era de noite. Quem sabe?

A árvore da vida - III - O sagrado e o profano

(com a devida vénia)
Volta e meia também tenho ouvido, a pessoas de bem, uma crítica a A árvore da Vida que é, contudo, difícil de precisar (estejam à vontade para o fazer na caixa de comentários): o carácter missionário, evangelizador, proselitista (na versão hardcore) ou "místico-gelatinoso", demasiado católico, e outras que entretanto esqueci (na versão softcore). É uma crítica cuja justeza só poderia apurar-se sabendo o grau de sensibilidade à espiritualidade e à religião de todas estas pessoas de bem. O que é uma tarefa, além de quase impossível, de pouco interesse.
Parece ser mais interessante e profícuo tentar perceber o melhor possível o ponto de partida do autor e deixar o ponto de chegada à sensível subjectividade do espectador.
Malick é um católico protestante anglicano episcopal. Só esta referência deveria deixar perceber que, tendo em conta a sua obra, e até mesmo apenas a Árvore da Vida, é um católico protestante anglicano episcopal moderado. Não só é inexistente qualquer referência a Cristo nos seus filmes (sendo Cristo a figura central da sua religião), como as questões religiosas surgem sempre em campo e contra-campo, normalmente entre personagens mas, às vezes, na mesma personagem, entre fé e dúvida (como, aliás, acontece em Árvore da Vida, com a personagem do filho mais velho e do pai).
Creio, pois, que podemos deixar de lado a versão hardcore da putativa crítica e duvidar de que Malick tenha qualquer intuito evangelizador, proselitista ou missionário (excepto se adoptarmos uma visão passive-agressive do mesmo).
Resta-nos a reflexão, vamos colocar o problema assim, sobre se A Árvore da Vida não pretende ser uma grande xaropada católica de características gelatinosas.
Sim, pretende.
Retirando as opções terminológicas destinadas a traduzir um certo posicionamento em relação a esta obra-prima, a verdade é que, a Árvore da Vida, como aliás, todos os filmes de Malick (incluindo, aposto, o que aí vem), contém uma reflexão espiritual. Essa reflexão religiosa é enquadrada pela experiência pessoal episcopal de Malick mas muito temperada por uma reflexão filosófica (Heidegger, por exemplo) que torna o produto final muito mais próximo de um panteísmo ou de um misticismo esotérico, do que de uma ortodoxia católica. Essa reflexão, contudo, não nos é imposta. Ela surge como uma tessitura natural dos filmes de Malick, como esperamos que aconteça na criação de qualquer artista: que aí esteja ele, de um certo modo.
Esta presença do espiritual e do religioso na criação artística e na expressão pública faz falta, no que concordo com André Folque, quando invoca, no Público de há uns dias, esse mesmo argumento para defender o aprofundamento do exercício em sociedade da liberdade religiosa: a presença pública da fé não deve ser confundida com imposição pública da fé. A primeira deve ser louvada, a segunda combatida. Ora, em A Árvore da Vida, Malick, sem pretender negar a sua província religiosa, não a impinge antes a infunde na sua obra, que não pode ser reduzida a um manifesto religioso. É evidente que, quando se fala da origem da vida é difícil deixar de fora, quer histórica, quer filosoficamente, a dimensão religiosa da humanidade, mesmo que nessa humanidade se integrem muitos milhões de seres que não têm qualquer molécula espiritual.
Para esses Malick parece deixar um caminho ou, pelo menos, uma provocação ou um dilema: o caminho da Natureza. E, acrescentaria eu, que gosto de desafios: tentemos fazê-lo superar o da Graça. Ou com ele mesclar-se e confundir-se.

Pág. 1/19

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Manolo Heredia

    O imagem de neutralidade não tem nada a ver com a ...

  • Sandra Wink.Wink

    O que me preocupa é esta mediatização da questão d...

  • Jorge Rodrigues

    bem...independentemente do credo religioso ou polí...

  • Miguel Madeira

    A minha opinião - a partir do momento em que se ad...

  • JgMenos

    A esquerna deve ter um par de mantras para dar res...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media