Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Mais vergonha

Ver um ministro de um governo português usar como argumento, numa discussão com a deputada do BE Ana Drago, "eu não fui eleito coisíssima nenhuma", é algo que nunca imaginei ver mas aconteceu há uns minutos na AR.

 

Adenda: agora em imagens

 

Da vergonha

 

Estão neste momento a iniciar-se as Conferências do Estoril. Entre os oradores deste ano conta-se o primeiro ministro húngaro, Viktor Órban, que está indissociavelmente ligado às alterações constitucionais que, digo eu, até deviam levar a que aquele país pudesse ser expulso da UE.  Na ausência desta possibilidade ao menos que não se legitime esta criatura, convidando-o a participar a eventos patrocinados pela presidência e governos portugueses.

 

Fingir que este senhor é um PM europeu como os outros é praticamente igual a dizer que o Aurora Dourada é um partido igual aos outros na Grécia. Não são, nem um nem outro e, por isso mesmo, foi vergonha a palavra de que me lembrei quando, há uns tempos, vi o programa das ditas conferências. Tive, contudo, a secreta esperança que alguém da organização tivesse... vergonha na cara e retirasse o convite. Tal não aconteceu e agora cá vamos ter o senhor, e recebido com honras tenho a certeza. 

 

Para se perceber bem do que estou a falar alguns textos de apoio:

 

. Reportagem de Paulo Pena na Visão em Outubro do ano passado, "Viagem ao fim da democracia".

. Relatório do Rui Tavares sobre a situação dos Direitos Fundamentais na Hungria (não é o único relatório do Rui sobre estas questões, encontram     outros aqui).

. O blog Hungarian Spectrum

"Mr. McNamara, you must've never read a History book", disse o PM vietnamita

Magnífico testemunho da lucidez e da inteligência superior de um homem, capaz de refletir sobre os seus atos e sobre as terríveis consequências dos seus erros. De reconhecer quão enganado estava, ele e os seus inimigos. Prova de que a guerra é muitas vezes causada por equívocos, que o medo cega, que a ignorância é um mal universal e que a estupidez atinge e afeta mesmo os mais dotados. Robert McNamara, alguém que eu gostaria de ter conhecido. No dia em que se assinalam 38 anos sobre o fim da guerra do Vietname.

(excerto de The Fog of War, que deveria ser de visualização obrigatória em tudo o que é curso de ciência política, academia militar, conselho ministerial ou concelhia partidária)

getting older

Primeiro foi o choque, no ano passado, ao verificar que o Blade Runner tinha feito 30 anos. Um dos filmes mais marcantes da minha geração, aquela obra-prima que não envelhece e não acusa nem o passar dos anos nem a altura em que foi feito, completava três décadas. Meu Deus, tanto tempo. Depois, há uns meses, novo arrepio: agora era Quem Tramou Roger Rabbit?, o prodígio da animação combinada com filmagem "real" que revisitava os personagens clássicos (já muito clássicos, em 1988) da Disney e dos Looney Tunes, que faz um quarto de século. Mas o mais bizarro estava ainda para vir. Há duas semanas, completaram-se 30 anos sobre a estreia de Flashdance. Não é que eu tivesse sido fã do filme ou que me tivesse marcado por aí além. Pelo menos, que tivesse dado por isso na época. Mas passado tanto tempo - revi-o há dias - , pude constatar que sim,  foi uma verdadeira revolução. A MTV dava os primeiros passos e o primeiro videoclip (Video Killed the Radio Star, dos Buggles) era ainda uma coisa relativamente recente. Uma história simples, pobrezinha e convencional, sem rasgos interpretativos e com elenco mais ou menos obscuro que não passa de um suporte ao essencial: uma justaposição de clips bem concebidos, dançados e filmados. Quem não se lembra da Jennifer Beals e do seu duche em palco (ou da sua stunt)? Esta inversão é hoje banal e corriqueira (o primado da forma, do embrulho, da imagem ou dos efeitos especiais sobre o conteúdo, o argumento ou a realização), mas na época era novidade. E há outra: não me lembro, até essa data, de outro filme com tal carga de presença feminina, onde uma das músicas ponha uma mulher a dizer "I'm goin' on a manhunt, turn it around / Women have been hunted, now they're huntin' around" e onde a protagonista diga, com todas as letras, "in fact, I fucked his brains out".

dúvida nostálgica

Quem quererá Seguro encarnar? Orry, o sulista de bom coração arrebatado pela bela Madeline, ou George, o yankee idealista? Quem escolheu a banda sonora do Congresso do PS tem fina ironia ou gosta de mandar mensagens subliminares. Selecionar uma coisa destas precisamente no momento em que se acentuam as clivagens entre o norte e o sul da Europa é delicioso, e invocar no PS a história dos amigos desencontrados tem muita piada. Bah! quem quero enganar? Foi apenas mau gosto musical, decerto.

Pág. 1/9

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Manolo Heredia

    O imagem de neutralidade não tem nada a ver com a ...

  • Sandra Wink.Wink

    O que me preocupa é esta mediatização da questão d...

  • Jorge Rodrigues

    bem...independentemente do credo religioso ou polí...

  • Miguel Madeira

    A minha opinião - a partir do momento em que se ad...

  • JgMenos

    A esquerna deve ter um par de mantras para dar res...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media