Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Doclisboa'13 | 11º festival Internacional de Cinema Amanhã às 22h. na VOZ DO OPERÁRIO

(uma parceria com a Alambique)

Seguido de uma conversa com a participação de Daniel Oliveira e Pedro Mexia.


Depois do filme The Pervert's Guide to Cinema (O Guia de Cinema Depravado), os seus criadores regressam numa nova e divertida viagem cinematográfica, desta vez ao coração da ideologia - os sonhos que moldam as nossas crenças e as nossas práticas colectivas. Em The Pervert's Guide to Ideology, o filósofo e teórico cultural Slavoj Žižek e a realizadora Sophie Fiennes interpretam um conjunto de filmes de época, "a fim de melhor os explorar e explicar de que forma estes reforçam as ideologias dominantes na altura."

O filme, que chegará brevemente às salas de cinema em Portugal, mostra-nos Žižek com um inflamado discurso filosófico, sobre os cruzamentos entre cinema e filosofia, numa análise provocadora e frequentemente hilariante. Após a exibição do filme, segue-se uma conversa com o público, com a participação especial de Pedro Mexia e Daniel Oliveira. The Pervert's Guide to Ideology, integrado no programa 4 do Doclisboa'13, será exibido, no dia 30 de Outubro, às 22h00, na Voz do Operário.

uma canção para pires de lima

imagina que não há 17% de desemprego

é fácil se tentares

não há mais escavar

só preocupação com a economia e as pessoas

imagina as pessoas a viver com um governo decente


imagina que não há a maluqueira dos mercados, do fmi, do bce e da comissão europeia

não é assim tão difícil

nada por que cortar ou aumentar loucamente a austeridade

e nem maria luís sequer

imagina as pessoas todas a viver decentemente e em paz


tu, podes dizer

que sou um sonhador, mas não sou o único

espero que um dia te juntes a nós

e a europa será como um só país


imagina que não havia mais medidas doidas

pergunto-me se és capaz

nem necessidade de continuar a inventar desculpas para os maus resultados

uma irmandade de europeus

imagina as pessoas todas a partilhar na europa


tu, podes dizer

sou um sonhador, mas não sou o único

espero que um dia te juntes a nós

e a europa será como um só país

 

dos outros padrões éticos e da corrente do que aí veio (morceaux choisis)

'O que o protagonismo voluntarista faz - e os exemplos são legião - é substituir o conhecimento do mundo, a inteligência das suas transformações e a sensibilidade aos seus problemas, num mero exercício narcísico da sua vontade, enquadrada nas mais diversas piruetas da comunicação.'

 

'As notícias enganam porque focam sempre o mais pitoresco ou o mais anedótico em qualquer acontecimento, em prejuízo do fundamental. As notícias são irrelevantes porque, se pensarmos nas cerca de dez mil novas histórias que as notícias passaram nos últimos doze meses, somos incapazes de indicar uma única que nos tenha ajudado a tomar uma boa decisão na nossa vida. Quando toda a gente vive em competição, elas são uma desvantagem competitiva.'

 

'no momento de extrema gravidade que o País atravessa, o que é urgente é afirmar outros padrões, tanto éticos como políticos. Os tempos de crise que vivemos são tempos radicais. Sê-lo-ão, sem dúvida, cada vez mais. E o radicalismo começa na moral, antes de se fazer sentir na rua. Quem não o entender, será arrastado pela corrente do que aí vem: basta olhar para o que se passou por cá esta semana.'

Rock and Roll Heart

 

Called Rock and Roll Heart after Reed’s 1976album and single of the same name, the film lets Reed tell much of his own story: his teenage years as a devotee of 50s rock and doo wop, his college-days association with poet Delmore Schwartz, episodes in his life that very much came to define his art, which marries a finely-tuned literary sensibility to the simplicity and tunefulness of classic rock and roll. Reed’s warped, lyrical takes on streetlife psychodrama and his love for drone notes and feedback, however, took rock songwriting places it had never been before. At the opening of the film, Reed delivers an epigrammatic gem about himself: “I disliked groups, disliked authority. Uh… I was made for rock and roll.” (daqui)

Pág. 1/9

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media