Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Morreu um poeta

porque não escreveste nada sobre o Vasco Graça Moura?, perguntaram-me esta manhã. é simples: politicamente, Vasco Graça Moura encarnou toda a vida ideais que desprezo, nomeadamente através da sua perseguição a uma suposta "subsídio-dependência" das artes portuguesas em relação ao Estado, com a falta de honestidade intelectual suficiente para passar ao lado do facto de centenas de outras áreas da sociedade viverem realidades idênticas.... apesar disso, VGM dedicou toda a sua vida à Cultura. isso - pelo menos isso - merece-me pelo menos respeito. Vasco Graça Moura (1942-2014) morreu um poeta

AS TOUPEIRAS - Hoje, na Avenida Liberdade, nas comemorações dos 40 anos do 25 de Abril | desfile connosco!

"Que fazer? quando não queremos viver num país em que milhares (sobre)vivem na rua, milhões (sobre)vivem no gueto do desemprego e de salários miseráveis, em que milhares procuram a «sopa dos pobres» para algumas centenas degustarem em restaurantes-gourmet? Que fazer? quando não suportamos uma sociedade cada vez mais desigual, em que os de cima e os seus acólitos arrogantemente nos dizem que vivemos acima das nossas possibilidades e que temos de empobrecer? Que fazer? quando querem educar-nos para servir os poderosos? Se queremos ser oposição a esta normalidade terrorista do capitalismo real temos de procurar aliados. Mas quem é este «nós»? Pessoas que não perderam a capacidade crítica e gente de todas as esquerdas, que tem como princípio a liberdade na base da igualdade social, gente para quem este princípio não é só um sonho, mas que quer agir e procurar aliados.
As Toupeiras"

 

 

 

 

 

Sinais do fim...

 

 

O parágrafo reproduzido acima consta do número dedicado ao 25 de abril da Valores Próprios, revista do Instituto Superior Técnico, que merece leitura. Ao dar com esta passagem lembrei-me de conversas com o João Pinto e Castro, quando nos descreveu o ambiente vivido na Faculdade de Economia nos últimos dois anos do Estado Novo. A maioria de nós, jugulares, éramos uns putos em abril de 74 (fora os que ainda não tinham nascido) e conhecíamos, porque são bastante faladas, as crises académicas de 62 e 69 mas aquilo que o João nos descrevia era-nos quase desconhecido, professores que desistiam de tentar dar aulas, alunos em auto-gestão...na imprensa da época é escusado procurar referências  ao que se passava em, pelo menos, algumas universidades lisboetas. Paralelamente, e num (só) aparente paradoxo, são anos em que a repressão política, através da prisão, endurece.  O João já cá não está para nos continuar a contar as histórias desses anos de estertor do Estado Novo mas eu gostava de ouvir outros como ele contá-las...

Hoje e amanhã, sempre!

Quem como eu nasceu em África pode ter passado muito tempo sem perceber o que foi, como se fez e porque se fez o 25 de Abril. consciente ou inconscientemente, mais ou menos amargamente, a maioria das famílias de portugueses das colónias acabou por viver a consciência da Revolução como símbolo do princípio do fim – um símbolo de perda e não de conquista. naquele meio da década de 1970, muitos dos milhares de portugueses que chegaram a Portugal vindos de África estavam a aterrar sem nada num país pequeno e escuro ao qual tinham já poucas ou mesmo nenhumas ligações. muitos, provavelmente a maioria, não percebiam sequer a política nacional – não tinham vivido a ditadura ou tinham-na esquecido e a convulsão social do PREC, em vez de um caminho rumo à luz, provavelmente não diferia muito, a seus olhos, de uma continuação do estado de alerta da guerra que tinham deixado para trás. de resto, por aqueles dias tinham mais o que fazer do que pensar em política: para eles, era o momento do tudo ou nada da sobrevivência – a luta pela vida era omnipresente e omnipotente. para nós, os filhos, foi um vazio que as escolas também não serviram para preencher quando nomes como o de Salgueiro Maia não constavam dos livros ou chegavam sequer a ser mencionados. Acho que só a partir dos 20 anos comecei a perceber o 25 de Abril. fiz por perceber. e percebi. e não vejo que haja desculpa para que alguém não perceba. o 25 de Abril é todos os dias – é todos os dias que as suas conquistas devem ser exercidas e defendidas, contra tudo e contra todos. e sair à rua hoje e amanhã para celebrar o direito a essa constante luta que é a vida em democracia é um dever, uma responsabilidade de todos os que acreditam na liberdade.

Pág. 1/7

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    1. Da próxima vez que for a um médico em vez de um...

  • Pinto

    O seu problema é não perceber nada de Direito. As ...

  • Alexandre Camões Barbosa

    Caro ou cara comentador ou comentadora, há-de cont...

  • TAiresMat

    Só uma achega: salvo erro, no seu curto texto (em ...

  • TAiresMat

    Eu não tenho dúvidas de que V. Exa. seja um bom mé...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media