Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Seguro baralhadote, aldrabão ou de como pensar com o intestino não resulta

O mesmo sujeito que recusa agora uma decisão política para o PS - usando um formalismo para impedir um congresso - vem falar em "solução política" e, em simultâneo, em "abdicar". Estou esclarecida.

 

Além disso alguém lhe explique o que é um processo de primárias abertas. Ninguém abdica de ser PM num processo de primárias abertas, quanto muito decide não se candidatar a poder vir a ser candidato a PM e eventualmente ser eleito.

 

Isso para já não falar nos argumentos que usou há um ano para impedir a discussão, em congresso, da "proposta dos 45". Foi então explicado que "essas propostas ou outras" seriam passíveis de discussão depois das eleições legislativas (ler abaixo uma notícia do Público de 23/4/2013)

recapitulando

nos totais contabilizados até agora, o ps teve 1.032.252 votos, a ap 909.402, a cdu 416.151 e o be 149.580.

 

nas legislativas de 2011, o psd teve 2.159.742 votos, o ps 1.568.168, o cds/pp 653.987, a cdu 441.852 e o be 288.973.

 

ou seja, primeira constatação: os partidos da maioria já não se podem chamar partidos da maioria. de 2.813.729 votos passaram para menos de um terço (perderam 1.904.327, praticamente dois milhões de votos). pode-se dizer, claro, que as europeias não são as legislativas; não são. mas o afundanço brutal na votação destes dois partidos não é algo que se possa negligenciar.

 

segunda constatação: em oposição a um governo de direita brutal, em eleições em que o voto de protesto é mais expressivo, o ps não consegue igualar, quanto mais ultrapassar, o resultado obtido em 2011 por um partido desgastado por seis anos de governação e após um pedido de resgate: tem menos 535.916 votos. menos meio milhão. repito: menos meio milhão de votos.

 

terceira constatação: a cdu também tem menos votos que em 2011. menos 25 mil (25.701). 

 

e o be, pobre be. se em 2011 já estava em slide, agora chegou ao seu mínimo histórico. tem menos 139.393 votos que em 2011.

 

ou seja: todos, absolutamente todos os partidos parlamentares perderam votos em relação a 2011. o somatório combinado de votos perdidos é 2.605.337. destes, 701.010 são do ps, cdu e be.

 

parece óbvio que a maioria dos votos perdidos não foram para ninguém, mesmo se os 'pequenos partidos', entre os quais se conta o mpt/marinho pinto com mais de 200 mil, tiveram, combinados, 529.107 votos. 

 

não há pois um único partido com representação parlamentar que não tenha levado um abanão.

 

o que o eleitorado disse ontem speaks volumes -- e é um sério aviso. aquilo que se está a passar na europa toda já começou por aqui. o terreno está fértil para populismos 'redentores' e extremismos aterrorizadores. e se não é crível que no tempo que medeia entre hoje e as legislativas de 2015 surja uma força política capaz de capitalizar a irritação e ressentimento do país, certo é que se nada mudar até lá o que se segue é muito provavelmente o dilúvio -- que já nos rodeia. 

 

o be acabou; a cdu dificilmente crescerá mais; o ps tem de decidir se quer ficar como está e morrer (é olhar para o psf de hollande, aquilo é o futuro do segurismo -- 15% e a descer, pasok style) ou fazer alguma coisa. quanto ao psd e ao pp, espero que tenham o que merecem, e o que merecem ainda é pior que aquilo que tiveram ontem. 

Combater, desde já o populismo demagógico

Já calculava. O populismo demagógico, que noutros países é expresso por partidos (anti-partidos) de extrema-direita, aqui em Portugal já tem uma cara - Marinho Pinto (é ele próprio, não o partido de aluguer pelo qual concorreu). Cá está uma lição desde já a ser retirada. Trata-se de algo a combater e já. Assim como a terrível abstenção. Le Pen começou assim. Aqui ainda não tinha acontecido, mas já está no terreno - uma mistura de populismo anti-partidos com um enorme reaccionarismo nos costumes. Nada de enganos, Marinho Pinto não é de esquerda.

Pág. 1/6

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media