Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Bom governo

Para alguém que está profissionalmente ligado ao bom governo das instituições, sobretudo públicas ou com funções públicas, a melhor medida que ouvi neste Congresso do PS foi a previsão de um Secretário-Geral adjunto para assegurar a ligação entre o Governo e o partido, quando o PS chegar ao poder. É um bom sinal, desde logo por ser uma medida de bom governo e por começar em casa. 

 

Não há boas políticas públicas sem boas organizações e os sucessivos governos têm descurado a organização, esquecendo que sem ela até as melhores medidas sucumbem, ou, pelo menos, produzem resultados medíocres.

 

A nossa Administração Pública está assente numa estrutura que, no essencial, não muda desde a matriz fixada por Napoleão e Bismarck (sim, esses mesmos) e, apesar de termos tentado algumas ideias novas - estruturas de missão, agências com competências transversais sediadas na Presidência do Conselho de Ministros - a verdade é que não conseguimos criar uma estrutura nova e muito menos uma nova cultura. Isso só pode ser feito com um sinal claro da liderança política e com uma perseverança férrea em prol das mudanças que devem ser feitas. E há boas ideias que podem ser estudadas (ou simplesmente adaptadas) e aplicadas pelo próximo Governo na nossa Administração Pública.

 

Mas para isso é fundamental que o PS e outros partidos de esquerda resistam ao medo de acharem que podem perder o seu eleitorado pela simples menção de mudanças na Administração Pública. A maior parte das pessoas estaria disposta a uma discussão sobre as funções e o modo de organização do Estado se os partidos preparassem, enquadrassem e motivassem essa discussão. E estaria disposta a aceitar a mudança se a compreendesse. Não a fazer demontra apenas que os partidos não a querem. E isso é dramático, pois só o bom governo da Administração Pública pode no curto prazo (face a um crescimento económico deprimente) trazer a eficiência que permite reduzir despesa, para além de ser um bem em si mesmo.

 

É preciso reduzir a dimensão dos Ministérios, melhorar fortemente a regulação e as parcerias público-privadas (sem medo das palavras e mostrando aquelas que são virtuosas) e aumentar exponencialmente as estruturas transversais por oposição às estruturas verticais de tipo ministerial. E tudo isto tem que ser feito com uma discussão sobre as funções do Estado e o modelo de combinação de entidades que as desempenham, entre entidades públicas e privadas. Ora, nada disto parece estar em cima da mesa. Só se pensa na organização como resultado de novas políticas públicas ou suas redefinições e esta subordinação é quase sempre geradora de ineficiências, desperdícios e disfuncionalidades.

 

Um governo com boas políticas públicas e uma administração pública organizada de modo obsoleto e disfuncional é um mau governo. Temos 10 meses para nos assegurarmos de que isso não acontece.

contar a morte, descontar a vida

muito comovente ouvir recitar, por céu guerra no congresso do ps, o nome das mulheres assassinadas este ano.

 

mas estou tão cansada de momentos simbólicos sem consequência, de ramos de flores e poemas marejados de lágrimas que só sublinham a indiferença e a continuação do costume do resto do tempo.

 

olho para o secretariado nacional e vejo uma esmagadora maioria de homens. olho para a prática legislativa e vejo o ps a defender que o assédio sexual, evidência quotidiana da violência e da menorização das mulheres, da certificação de que o espaço público é masculino e que as mulheres nele se devem aventurar sempre a medo e sob ameaça (em que cores será preciso fazer um desenho para se perceber que isso condiciona todo o percurso das mulheres na esfera pública?), 'não tem dignidade penal'.

 

as mulheres são mortas, e tantas, porque vivemos num país que as desconsidera quotidianamente, que nem sequer reage quando um pr vai a um país onde as mulheres têm um estatuto legal de inferioridade fazer publicidade a portugal como tendo 'cavalos e mulheres bonitas'. não ouvi uma palavra -- houve? -- em todo o congresso do ps, e muito menos no discurso de costa, sobre essa obscenidade. se calhar não repararam.

 

só reparam na morte? a morte não tem remédio. é na vida que temos de reparar, e agir. porque só isso pode evitar a morte, real e simbólica, das mulheres.

 

nota: acabam de me dizer no twitter que alegre criticou a nojeira de cavaco. menos mal. mas a ausência de ligação entre o que cavaco disse -- e cavaco, por mais que isso pareça incrível, é o representante mais alto do sistema político -- e a lista das mulheres mortas, como com toda a desconsideração e agressão quotidianas de que as mulheres são alvo, é o essencial da cegueira. um país que assiste com um sorriso ou encolher de ombros ou, pior, com total 'normalidade' ao que cavaco disse não pode surpreender-se com ter 34 mulheres mortas este ano ou noutro ano qualquer. enquanto isso não for entendido, enquanto não se perceber que esta cultura de insulto permanente é a cultura em que o homicídio de mulheres por serem mulheres floresce, nunca saíremos daqui. 

 

nota 2: ontem à noite soube que a presidência tinha desmentido a referência a mulheres, bonitas ou não, no almoço de 27 em abu dabhi, e que a sic assumira ter havido 'um mal entendido'. ao mesmo tempo, soube que a intervenção de cavao no almoço está no site da presidência e fui ver. em vez de referência a mulheres bonitas, oiço (em inglês) referência a paisagens bonitas. portanto, um repórter, aparentemente, terá feito confusão entre women e landscapes, o que já de si é extraordinário, e só deu pelo facto passados três dias? mais extraordinário ainda, a presidência da república, perante a reportagem da sic e a imediata reacção nas redes sociais (onde a pr está e onde não colocou até agora qualquer desmentido), não achou necessário reagir durante três dias? e nos media nacionais nenhuma reação (de monta, pelo menos) a tal barbaridade?o desmentido de cavaco, aliás, só surge depois de alegre ter referido criticamente a coisa no seu discurso no congresso. a única explicação para tudo isto é óbvia: se cavaco não disse, nem a presidência nem a sic nem o resto dos media e comentadores sortidos achou impossível que o tivesse dito ou que isso tivesse qualquer gravidade. o facto aliás de ninguém ter duvidado de que cavaco pudesse ter dito aquilo, mesmo entre as pessoas que consideram inadmissível tal coisa na boca de um presidente, diz tudo sobre o que se pensa de cavaco (et pour cause) mas também sobre a cultura generalizada de machismo -- ou seja, de absoluta falta de respeito pelas mulheres -- em que estamos todos mergulhados. 

É comprar, meus senhores, é comprar.

Portugal "tem sol, tem mulheres bonitas, diz o Presidente, tem cavalos e também tem aviões.". Ausência de consciência mórbida?

 

Adenda1: @pedro_sales: a única razão para ir a uma teocracia árabe e falar das mulheres portuguesas é para enumerar os seus direitos, ok, cavaco?

 

Adenda2: Ainda não consegui chegar ao pedido de desculpas da Sic - se alguém tiver link agradecia - mas venho repor a verdade dos factos deixando o discurso de Cavaco Silva, onde não há qualquer referência a "mulheres bonitas". Melhor assim.

 

PS, Costa e os socráticos

António Vitorino já colocou correctamente a questão: é evidente que há um problema político, para além de criminal, quando um membro de um Governo é indiciado pelo crime de corrupção. Afinal, a ser verdade, trata-se de um dos piores crimes contra a República - o aproveitamento do trabalho e do esforço de todos os contribuintes em benefício de uma pessoa - e isso não pode deixar de se reflectir no juízo que fazemos do partido a que essa pessoa pertence.  Porém, dito isto, fica quase tudo por dizer e é bom que tenhamos ideias claras. Não só para podermos viver bem com as nossas consciências, mas para podermos rechaçar os ataques políticos desmedidos e oportunistas.

 

A tentativa de colar o PS de Costa ao PS de Sócrates, para além da responsabilidade política que a normal institucionalização de um partido permite, é uma estratégia política rasteira e que não resiste a qualquer análise minimamente séria e honesta. Uma coisa é o PS de Costa ter que encontrar uma política que o defina, como, por exemplo Sócrates teve o seu Plano Tecnológico. Uma coisa é o PS de Costa ter que encontrar um discurso que responda ao pedido de resgate do PS de Sócrates como é a luta pela renegociação da dívida. Outra bem diferente é tentar transformar uma batalha ideológica entre o Governo e o PS num salganhada de desinformação e confusão política, destinada a enganar os eleitores, em que se começa com a crítica a Sócrates, se evoca o socratismo para apanhar nesta malha todas as pessoas - sejam sérias e competentes ou não - que trabalharam com Sócrates e acaba-se a tentar condenar Sócrates por antecipação, com isso pretendendo manchar - como no tempo dos crimes de sangue da vindictas privata - todo os que com ele trabalharam, contactaram ou privaram.

 

Sejamos claros: 1. Sócrates não foi ainda condenado por nada; 2. Indícios são isso mesmo: indícios; 3. Mas mesmo que Sócrates venha a ser condenado por alguma coisa será por crimes, não por más políticas; 4. A ideia do contágio político ao PS está por demonstrar e depende mais de Costa do que de Sócrates; 5. O juízo político, esse, os portugueses já o fizeram em 2005 e em 2009, quando Sócrates ganhou as eleições e em 2011, quando Sócrates perdeu as eleições. E fá-lo-ão de novo em 2015 quando Costa ganhar as eleições.

 

O juízo político - e apenas esse - é um juízo sobre o PS e quem o lidera, pois é quem o lidera o responsável pelo programa político. A circunstância de Costa, como líder, contar entre os seus apoiantes com aqueles que um Governo desesperado chama de socráticos demonstra uma realidade muito simples: quando um bom líder mobiliza, o melhor PS aparece. Aconteceu com Sócrates - independentemente do que venha a ser o resultado do inquérito que agora decorre - e acontecerá com Costa, com todas as diferenças que há entre um e outro e com todas as diferenças de liderança que existirão. Essa demarcação existe naturalmente e é tempo de Costa confrontar o discurso do contágio político por aquilo que é: uma mistificação de um Governo que não tem como combater Costa e a alternativa que ele representa às políticas desastrosas dos últimos três anos.

 

O melhor que Costa tem a fazer quanto ao socratismo, que PSD e CDS tanto abocanham, é rapidamente criar o costismo. Chamando os melhores e oferecendo uma alternativa política que exponha a táctica do papão do socratismo como aquilo que é: uma mistura de oportunismo e desespero político.

Sou uma mulher de sorte

Não só tenho as melhores filha, irmã, sobrinha e mãe de todas como tenho as melhores amigas assim do mundo e arredores, que trazem com elas mulheres fantásticas que também se tornam minhas. Obrigada miúdas.

Pág. 1/4

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Paulo Pinto

    (aliás, e passe a imodéstia, foi essa a minha prin...

  • Paulo Pinto

    Sim, concordo. E a Inquisição continua a ser um do...

  • Pinto

    Nada disso. A minha opinião é exactamente essa. O ...

  • Paulo Pinto

    pois, essa é uma das questões. Não vejo qualquer u...

  • Pinto

    Concordo que os assuntos devam ser debatidos. O ar...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media