Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

é feio porquê

Nunca li um daqueles livros de boas maneiras dondocos. Se calhar devia. Dizem que são muito divertidos e se descobrem umas coisas. A única coisa do género que folheei foi em pré-adolescente e devia ser para aí dos anos 40 do século passado. Era tudo sobre banquetes e como apresentar embaixadores, que cor e comprimento de luvas e que tipo de chapéu escolher para cada ocasião e tal. Também havia uns livros “para meninas”: como sentar e andar e sorrir, do que falar, o que fazer quando um rapaz “mostra interesse”, o que desejar na vida e como lá chegar. Deliciosos.

 

Tal décalage temporal, porém, impede-me de poder certificar se algumas normas que me acompanham desde miúda no que respeita ao que “é bonito” e ao que “é feio” ainda constam dos tais códigos de bem conviver em toda a sala. Coisas, por exemplo, como “uma mulher honesta não tem ouvidos”. Uma mulher, desde logo: de um homem espera-se reacção, resposta, lavagem da honra (com sangue ou, pronto, umas pêras). Honesta: leia-se “séria”, “educada”, que “conhece o seu lugar” – humilde, reservada, aprimorada, adequada. Uma mulher que queira adequar-se espera que alguém fale por ela, a proteja, lhe guarde a dignidade – não se defende e muito menos ataca. Cala-se. Faz de conta que não ouviu. Se não quiser ser isso que se só se diz das mulheres: vulgar.

 

Vulgar é uma palavra interessante. Quer dizer normal, comum, mas também sem interesse nem apelo – ordinário. Ou seja, baixo, rasca, desprezível. Uma mulher que mostre ter ouvido algo de que não gostou e a quem passe pela cabeça responder; uma mulher que tente fazer valer a sua dignidade e ideias; uma mulher que, impensável, se lembre de discutir e levantar a voz é portanto uma mulher sem qualidade: medíocre, reles, em distinção – menos mulher, então.

 

Se não sei se ainda se dizem estas coisas às meninas assim desta forma, não tenho dúvidas de que ainda se dizem às mulheres – todos os dias, em todo o lado, e muitas vezes dito por mulheres. Qualquer uma, por exemplo, que se apresente publicamente a defender as suas ideias será sempre “histérica” e “arrogante”, ou, claro, “peixeira”, isto descontando tudo o que se dirá sobre o penteado, a largura das ancas, as rugas ou falta delas, a escassez ou excesso da sua vida sentimental, etc. Que as mulheres sejam as principais fautoras deste controle do género, esforçando-se, em manada, por manter o “decoro” das que tresmalham, não é pequeno milagre. É como se estivessem, o tempo todo, a assegurar-se de que não vão ter de se portar “como homens”, ou seja, a reagir e a defender-se e a atacar sempre que tal seja necessário, mas que podem continuar a pedir e esperar protecção (o que é o mesmo, talvez não se tenham dado conta, de pedir e esperar agressão). E que quem fura o esquema levará a etiqueta que merece, a do ridículo e do opróbrio.

 

Como as regras sobre colocação de pernas – sempre cruzadas, nunca “abertas” -- que só fariam sentido (esteticamente) no tempo em que as mulheres não usavam calças e funcionam como mais uma conformação à ideia de reserva e decoro e não ocupação de espaço, a maioria das normas chamadas “de boa educação” que se recomendam/impõem às mulheres são uma demonstração eloquente do quanto há a fazer em termos de desconstrução dos adquiridos e dos estereótipos. Podemos começar até por coisas aparentemente anódinas e simpáticas, como a regra de que os homens deixam sempre passar as senhoras ou lhes devem dar o lugar. Que fragilidade especial ou deferência específica distingue as mulheres dos homens, que os deverá levar a tratá-las com tal paternalismo? Todo um programa, então, a “boa educação” – e tanto a apontar-lhe. Com o dedo, sim, e bem espetado (e alguém, de caminho, que explique também esse aparvalhado interdito).

 

(publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 22 de agosto)

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media