Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Costa do Marfim à beira da guerra civil

Continua o crescendo de violência na Costa do Marfim com os partidários de Laurent Gbagbo a ameaçarem não só as forças da ONU como Alassane Ouattara, protegido pela Missão da ONU. Blé Gudé, o líder dos Jovens Patriotas, organização que apoia o presidente derrotado, ameaçou tomar de assalto o hotel que alberga Ouattara: «A partir de 01 de Janeiro, eu, Charles Blé Gudé, e os jovens da Costa do Marfim vamos libertar o Golf Hotel com as mãos nuas», disse Blé Gudé,ministro da Juventude de Gbagbo, aos milhares de militantes que o ouviam em Yopugon, um bairro de Abidjan.

 

Alain Le Roy, que chefia as operações de manutenção de paz das Nações Unidas, denunciou os apelos ao ódio que estão a ser feitos pela facção Gbagbo na RTI, a televisão pública. «As declarações que ouvimos na televisão estatal marfinense preocupam-nos e chocam-nos, porque instigam, claramente, a população a virar-se contra a Missão da ONU na Costa do Marfim, instigam ao ódio», afirmou Le Roy. O recente ataque a um comboio da ONU segundo Le Roy, «é evidentemente uma das consequências directas do ódio promovido contra a ONUCI, via RTI».

 

A retórica inflamatória dos apoiantes de Gbagbo está a dividir o país, anos após outro conflito muito semelhante ter resultado numa guerra civil entre o norte rebelde, maioritariamente muçulmano, e o sul, predominantemente cristão e enclave do governo, que terminou em 2007 num estádio de futebol, com a mediação de Didier Drogba. Youssoufou Bamba, o recém nomeado embaixador da Costa do Marfim na ONU, avisou que a recusa de Laurent Gbagbo em deixar o poder que perdeu nas últimas eleições, está a deixar o país à beira de outra guerra civil. De acordo com Bamba, nomeado por Alassane Ouattara,  «é preciso fazer qualquer coisa», pois está-se «a dois dedos de um genocídio».

 

Para se perceber esta menção a genocídio são necessários alguns vislumbres do  complicado xadrez étnico, religioso e político na Costa do Marfim. Laurent Gbagbo, 65 anos, antigo professor de história, está no poder há uma década, apesar do mandato que o elegeu em 2000 ser de apenas cinco anos. Cristão, foi opositor histórico de Felix Houphouët-Boigny, o pai da independência desta antiga colónia francesa que foi presidente do país desde a independência em 1960 até à morte em 1993 e o transformou no principal produtor mundial de cacau. Gbagbo pertence à etnia Bété, um sub-grupo dos Kru, dominantes no sul do país, e rivais dos muçulmanos Dioula e dos Baoulé, etnia de Houphouët-Boigny e do seu sucessor, Henri Konan Bédié.

 

Alassane Dramane Ouattara, que fará 69 anos no próximo dia 1, é muçulmano e pertence à etnia Dioula, uma das duas principais etnias nortenhas. Doutorado em Economia pela universidade da Pensilvânia, foi economista do FMI e era primeiro-ministro do governo de Felix Houphouêt-Boigny aquando da morte do presidente. Suplantado na sucessão pelo presidente da assembleia nacional, Bédié, Ouattara apresentou a demissão e regressou ao FMI em Washington onde assumiu o cargo de director-geral adjunto. O governo provisório de Bédié aprovou uma lei eleitoral, depois parcialmente consolidada na constituição, que restringia a admissibilidade de candidatos presidenciais a filhos de marfinenses que tivessem residido na Costa do Marfim nos últimos 5 anos, o que impediu Ouattara de concorrer nas eleições de 1995, em particular depois de um tribunal ter decretado que a sua mãe era do Burkina Faso.

 

Bédié herdou uma situação económica complicada devida à queda dos preços do cacau o que, conjugado com corrupção generalizada, obrigou o novo presidente a pedir ajuda ao FMI. A crise fez piorar ainda mais as condições de vida da população que começou a protestar os desmandos governamentais, algo que não fizera durante as décadas de prosperidade em que aceitara a acumulação de uma enorme fortuna pessoal por Houphouët-Boigny e os seus delírios de grandeza, como a construção, nos anos 80, da maior igreja do mundo, a basílica de Notre-Dame de la Paix de Yamoussoukro, que duplicou a dívida externa da Costa do Marfim.

 

A tensão no país aumentou e em 1999 o governo de Bédié foi derrubado por um golpe de Estado militar. O general na reforma Robert Guéï foi convidado a liderar a junta que governou o país até às eleições de Outubro de 2000, que elegeram Laurent Gbagbo. Guéï não aceitou o resultado e proclamou-se presidente da Costa do Marfim, levando ao aumento da violência e do número de mortos entre a população civil. Em 25 de Outubro, Guéï abandonou o cargo e  Laurent Gbagbo assumiu o poder.

 

Gbagbo criou um Comité de Mediação para a Reconciliação Nacional, com a presença de representantes de partidos políticos e antigos presidentes como Guéï e Bédié,  e dignitários católicos e muçulmanos. No entanto, esta iniciativa não diminuiu as tensões criadas por umas eleições que dividiram o país já que muitos candidatos tinham sido impedidos de concorrer, incluindo os líderes dos principais partidos da oposição, representantes das principais etnias rivais dos Bété: Bédié, presidente do partido que fora de Houphouët-Boigny, o PDCI-RDA  Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire — Rassemblement Démocratique Africain, e Alassane Dramane Ouattara, líder da União dos Republicanos. Em 2002, o crescendo de tensão culminou numa guerra civil. Em 2010 a situação repete-se. Infelizmente.

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media