Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Re: Miguel Botelho Moniz

Miguel,

 

1- Não sei donde retiraste a ideia de que eu o considerava que a entidade emissora de moeda é ou deve ser omnisciente. Mas o facto de me imputares essa afirmação diz muito sobre o modo como tu olhas para a economia e, por implicação, como julgas as posições dos outros. Como tu achas que a actividade de um banco central perverte o funcionamento de uma realidade ideal a que chamas mercado livre, interpretas a minha posição como se eu defendesse o inverso. Mas eu limito-me a defender a necessidade da existência de um banco central, o que é uma coisa totalmente diferente de dizer que a sua actuação é sempre correcta ou ideal. Podemos discutir se um banco central é, de facto, necessário. Mas isso é outra conversa;

 

2- Ao contrário dos monetaristas, não considero que a política monetária seja uma questão técnica passível de determinação objectiva. Eu digo outra coisa: para além de ser necessária, a política monetária é, como toda a política, falível. Isto só constitui uma limitação para quem tem a divindade como referência. Para quem sabe estar condenado a realidades terrenas, a política monetária é, a cada momento e de acordo com as regras e as práticas que estruturam a sua actividade, aquilo que os seus responsáveis consideram adequado. Como todos os juízos de natureza política, o just right é contestável e contém uma dimensão incontornável de descricionariedade. É por tudo isto que defendo que a actuação de um banco central deve estar sujeita a mecanismos de controlo democrático;

 

3 - As tuas três alternativas pressupõem que a moeda tem apenas efeitos nominais, nunca efeitos reais. Eu considero isto totalmente inadequado para abordar o funcionamento de uma economia moderna. A moeda só tem um papel fundamental na história do capitalismo porque não se limitou a ser um instrumento que facilita trocas não monetárias entre agentes;

 

4 - A moeda não tem de ter um valor intrinseco para ter valor. Uma moeda tem valor pelas funções que desempenha, não por representar, em si mesma, e independentemente dessa relação funcional, uma forma de valor. Já agora, surpreende-me que um subjectivista (os austríacos são subjectivista, certo?) considere que algo passível de ter valor intrinseco. Parece-me uma contradição, mas enfim.

 

5 - Para finalizar, não percebo em que medida é que esses gráficos constituem um argumento contra a minha afirmação de que não há uma relação causal entre expansão monetária e inflação. O simples facto de ser possível arranjar gráficos que dizem coisas diferentes desses (o Krugman tem publicado vários) só reforça o meu ponto, isto é, que a relação, mesmo quando existe, é contingente, não necessária. Já agora, convém dizer que uma política monetária expansionista não tem de implicar um crescimento do M2, pela simples razão que o banco central, por si só, não determina a oferta monetária.

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media