Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Sair do euro: um desígnio nacional?

Imaginemos que uma parte substancial da nossa dívida - digamos, metade - se evaporava no ar.
Ficariam os nossos problemas resolvidos?
Provavelmente não, visto que, permanecendo inalterado o enquadramento institucional da zona euro, a política económica geral europeia permaneceria inalterada. Ora ela tem-nos sido sistematicamente prejudicial.
A Zona Euro manteve até 2007 taxas de juro demasiado baixas para Portugal, que potenciavam o crescimento descontrolado do endividamento. Fê-lo, porque isso era do interesse da Alemanha.
Desde 2007, a Zona Euro impõe-nos taxas de juro demasiado elevadas, que agravam a recessão e o desemprego em Portugal. Fá-lo, porque isso é do interesse da Alemanha.
As duas décadas decorridas desde o lançamento do Sistema Monetário Europeu demonstram à saciedade que nós não estamos aqui a fazer nada. É hoje mais que evidente que a pertença à Zona Euro não tem para nós nenhuma vantagem e tem todos os inconvenientes.
O país deixou de ter política monetária e cambial própria, perdeu controlo sobre a sua política fiscal e ficou muito condicionado nas suas políticas industriais. Numa palavra, prescindiu da sua soberania entregando poder de decisão a quem não acautela minimamente os nossos interesses.
Tudo isto é hoje óbvio, tal como é óbvio que, descontando a eventualidade de uma reforma do Euro cada vez mais improvável, o futuro imitará o passado.
Escusam de me explicar que a saía da zona euro não é de momento possível, porque eu proponho apenas que essa opção seja seriamente encarada e estudada.
Quanto ao momento adequado, ele virá quando se tornar claro que os elevados custos de ficar são afinal superiores aos elevados custos de sair.

11 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media