Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

um qualquer Relvas, Crato ou Coelho que me ilumine, por favor

Entrou hoje em vigor o novo estatuto do bolseiro de investigação. Toda a imprensa refere o facto, se bem que fixando-se na figura do Provedor e dizendo umas pseudo-novidades, como a de que a duração das bolsas de pós-doc passa a 6 anos (na verdade já o era, só que este limite não constava no Estatuto mas sim na regulamentação específica destas bolsas). Não sei se alguém foi ler o Diário da República. Eu fui. E deparei com uma bizarria interessante: uma das novas restrições diz respeito ao regime de exclusividade e, mais especificamente, à limitação da acumulação de serviço docente, que anteriormente era vaga e imprecisa e que agora diz (art. 5º, 3 h): "Prestação de serviço docente pelos bolseiros de pós-doutoramento, exclusivamente no âmbito de programa de estudos avançados conducentes ao grau de doutor, quando, com autorização prévia da instituição de acolhimento, se realize sem prejuízo da exequibilidade do programa de trabalhos subjacente à bolsa e não exceda, em média anual, um total de quatro horas semanais".

Ninguém nota nada de estranho aqui? Eu noto: se sou bolseiro de pós-doc posso dar 4 horas de aulas semanais, devidamente autorizadas pela instituição de acolhimento e sem prejudicar o plano de trabalho da bolsa. Ok. E quanto ao "exclusivamente no âmbito de programa de estudos avançados conducentes ao grau de doutor"? (bold meu). Ou seja, mesmo que tenha feito doutoramento há 5 anos e que o projeto de pós-doc seja substancialmente diferente (e deve sê-lo)? Bom. Alguém que me explique. Das duas, uma: ou a investigação já me queimou neurónios e estou incapacitado de perceber raciocínios elementares ou as pessoas que escreveram isto não fazem ideia do que seja um doutoramento, um pós-doutoramento, uma bolsa ou o que quer que seja.

 

Adenda - tive uma epifania: não posso dar aulas numa licenciatura ou num mestrado, mas apenas num curso de doutoramento, será? é que se é isso, é ainda mais bizarro, para não dizer estúpido.

5 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media