Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

"Mehr Licht!"?

Há uma frase que me vem frequentemente à memória. No Retrato de Dorian Gray, Lord Henry diz ao protagonista, ao verificar a péssima prestação cénica de Sibyl Vane: "It is not good for one's morals to see bad acting", e aconselha-o a sair do teatro. Relembro esta passagem quando deparo com lixo televisivo, por exemplo. Não quero estar atualizado com o que se passa na Casa dos Segredos ou com o último devaneio da Júlia Pinheiro ou do João Manzarra. Tenho as minhas preferências musicais e cinematográficos, gosto mais de Tim Burton do que de Steven Segall e prefiro definitivamente Sakamoto a Lady Gaga. Não é apenas uma questão de gosto. Considero que má televisão, mau cinema e má música me tornariam uma pessoa pior. É ilusão, arrogância, pretensão? Provavelmente. Gostava que alguém o fizesse por mim e decidisse o que me faz bem e o que me faz mal ler, ouvir, ver? Não. Conforta-me saber que são opções minhas. Se são más, não posso acatar responsabilidades a ninguém. Não consigo entender qualquer apologia da ignorância. Que é a fonte de todos os erros e preconceitos, não duvido. Lembro-me das polémicas, há já alguns anos, que rodearam A Última Tentação de Cristo; todas vindas, curiosamente, de quem não viu o filme. 

Posto isto, não tenho nada contra quem pertence a grupos com regras, limitações de conhecimento, desde que se trate de uma opção consciente. E aqui começo a divergir de boa parte do que tenho lido acerca do index de obras proibidas aos membros da Opus Dei. Desagrada-me o estilo voyeur em que navega a coisa, ainda hoje deparei com outdoors do DN que anunciam a investigação que está a dar que falar. O que está a dar que falar não é a forma como os círculos do poder são permeáveis a influências estranhas, não eleitas e não escrutinadas - o que nos levaria muito para além da Opus Dei, evidentemente. O que dá que falar é a lista de obras cuja leitura é proibida aos seus membros.

Parece-me que há uma boa dose de equívoco, a começar por aqui: a Opus não é um clube de férias nem uma sociedade recreativa, onde os membros comparecem ao fim-de-semana para ocupar os tempos livres. Não é um hobby. É uma congregação disciplinada, com regras e normas estritas. Quem adere sabe ao que vai. Portanto, se aceita que, a partir desse momento, prescindiu da capacidade de discernimento e de escolha daquilo que lê, ouve e visualiza, não vejo qual o motivo de espanto. Posso achar ridículo e incompreensível que alguém me proíba de ler Eça, mas eu não sou membro. Eu creio discernir o bem do mal e criei os meus parâmetros de rejeição ao que julgo que me é nocivo. A quem abdica conscientemente desse seu juízo e o concede a terceiros, só tenho uma coisa a dizer: está no seu direito, desde que não me queira convencer a fazer o mesmo.

Mas dizem: são pessoas poderosas, quadros, diretores, executivos, deputados, ministros. É verdade. Vamos fazer uma barrela, então? Passar a sociedade a pente fino para, quiçá por referendo, amostragem ou sondagem feita no Correio da Manhã, votarmos quais as leituras e os filmes obrigatórios a quem ocupa esses cargos? E se este é maçon? E aquele, mórmon? E o outro, Testemunha de Jeová? O diretor Z fará parte de alguma confraria que o impede de ler Camões? e quanto ao opinion-maker A, estará proibido de ver Citizen Kane? Tive uma vez uma colega de trabalho que recusou uma sugestão de leitura porque era o marido quem decidia o que ela podia ou não ler. Nesse dia percebi que cada um escolhe os seus censores, e que a censura tem muitos matizes.

11 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media