Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Três hipóteses

por Hugo Mendes, em 27.02.13

Depois de o Governo se ter rendido à realidade – o desastroso último trimestre de 2012 colocou o desemprego nos 17% - e admitido que precisa de mais tempo para o ajustamento, o País questiona-se sobre como foi possível chegar aqui. Há três hipóteses para explicá-lo.

Hipótese 1: foi um erro. A "aprendizagem do padrão de ajustamento da economia" revelou-se mais complicada do que previsto, e a realidade teima em não respeitar os modelos de Gaspar.

Hipótese 2: foi uma manobra tática. A estratégia inscrita no OE2013 permitiria a Gaspar ganhar "credibilidade" junto da ‘troika' e dos mercados, mostrando coragem para destruir o necessário, mesmo que tivesse de assumir um cenário fraudulento para 2013; assim, o emprego sacrificado com a queda de atividade no fim de 2012 - e que teria sido poupado se o OE2013 não tivesse lançado o pânico sobre famílias e investidores - serviu de moeda de troca para o reforço da "credibilidade".

Hipótese 3: fez parte de uma estratégia. O alegado desastre é, afinal, um indicador avançado de futuros sucessos, dado que da explosão do desemprego resultará (i) menos poder de compra e menos importações, logo uma balança comercial mais equilibrada; (ii) menos consumo, menos receita e um défice maior, logo justificação para cortar nos serviços públicos; (iii) trabalhadores mais apavorados e salários em queda, logo um país mais competitivo; (iv) menos receita contributiva, logo mais cortes nas prestações sociais.

Nesta hipótese - versão da estratégia de Andrew Mellon, o secretário de Estado do Tesouro do Presidente Hoover que, em plena Grande Depressão, propunha "liquidar o trabalho, liquidar as ações, liquidar os agricultores, liquidar o imobiliário", de modo a limpar "a podridão do sistema" -, o falhanço representa, para a direita, um assinalável sucesso.

Não é preciso concluir se Gaspar é um analista inexperiente, um jogador maquiavélico ou um estratega sádico para saber que, desde já, se impõem duas consequências: primeiro, que já não reúne condições para continuar como ministro das Finanças. Segundo, que, com o que sabemos hoje das economias portuguesa e europeia, o nosso ajustamento, precisa, para ser credível, não só de mais tempo, mas de ser qualitativamente diferente.

 

(texto publicado hoje no Diário Económico)

Autoria e outros dados (tags, etc)





Pesquisar

  Pesquisar no Blog


calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728


Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    Vamos fazer assim, João, informa-se, pergunta, elu...

  • Niamey

    O advogado até pode fazer o "pino de pés no chão" ...

  • Niamey

    há cenas que só despertam a simplória que há em mi...

  • joao m

    O dever do advogado é fazer tudo o que legalmente ...

  • f.

    se calhar é prá frente, sim. e lembro-m bem, vanes...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D



Links

blogs

media