Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Cinjamo-nos à ciência, então

Anda para aí um grande burburinho com a Maria Alves - a jornalista e escriba do Corta Fitas que ontem escreveu a deliciosa frase "Como vêem há mais jornalistas que pensam como eu, e que são lúcidos", assumindo assim a sua não lucidez - por causa dos seus escritos sobre homossexuais e homoparentalidade. Como para mim já não são novidade as alarvidades da senhora sobre as mais diferentes temáticas, encanitam-me bem mais os posts que o João Távora tem publicado, assinados pelo Abel Matos Santos como "Psicólogo Clínico e Sexologista". Que o Abel queira, enquanto cidadão, debitar a sua opinião nos locais que lho permitam é uma coisa, já que use o seu estatuto  de, e cito, "Mestre Doutor e Assistente Especialista em Psicologia Clínica do HSM" (seja lá isso o que for) para fazer um exercício de legitimação é outra completamente diferente e, nesse caso, terá que jogar com as regras profissionais, académicas e, já agora, deontológicas existentes.

 

Disse Abel Matos Santos, em declarações à RR, que na discussão sobre adopção e co-adopção "nós temos de nos cingir à ciência". Apesar de questionar esta afirmação, ou melhor, dela discordar, façamos-lhe a vontade e cinjamo-nos, então.

 

No artigo de opinião que escreveu no Público da passada semana, cujo conteúdo e a forma me abstenho de comentar, pelo menos para já, tenta pincelar a coisa com umas referências "científicas" dizendo  "(...) Um estudo australiano (Children in three contexts)" (...) "De acordo com um dos maiores psiquiatras americanos (Fitzgibbons)" e (...) "No estudo de 2010 (US National Longitudinal Lesbian Family Study)".

 

Fazendo um movimento empático vou numerar os parágrafos, parece que é do gosto do Abel Matos Santos.

 

1. Quanto ao "estudo australiano" é estranhíssimo que um doutorando em Psicologia, como refere ser, utilize referências de 1996 quando tem à mão bibliografia deste ano, mas pronto, as pesquisas bibliográficas não são para todos. Mais estranho ainda é o facto de utilizar um estudo publicado numa revista sem revisão por pares, com erros metodológicos importantes, nomeadamente no que diz respeito às histórias pregressas e acontecimentos de vida das crianças dos três grupos, e no qual quase todos os dados sobre o seu funcionamento se basearem em relatórios de professores, sendo o próprio autor do trabalho a assumir o enviesamento que isso pode determinar, sobretudo tendo em conta a área de estudo em questão.

 

2. Não sei a altura de R. Fitzgibbons, referido por ele como "um dos maiores psiquiatras americanos" - com mais de 2m conheço pelo menos três - mas sei que integra a National Association of Research and Therapy of Homosexuality (NARTH), defensora das terapêuticas de reconversão, prática "clínica" formal e deontologicamente condenada (cf, a este propósito, uma conversa antiga aqui e aqui). Perceberão, portanto, que a referência "científica" de Abel Matos Santos não mereça grande crédito desde logo porque incorre em má praxis - coisa pouca.

 

3. Por último escreve "No estudo de 2010 (US National Longitudinal Lesbian Family Study)". "No"? A que estudo se refere e em que contexto surge a informação de que "40% dos pares que tiveram um filho (por inseminação artificial) tinham-se separado"? Para quem advoga que nos devemos "cingir à ciência" tem obrigação de, pelo menos, saber indicar uma referência bibliográfica.

 

Nada disto é novo, o Abel parece insistir neste seu papel pouco digno e pouco sério, que de resto já lhe valeu uma queixa pública, apresentada por pares, junto da Ordem dos Psicólogos Portugueses. É pena, a Psicologia nacional é muito melhor que isto e merece mais.

52 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fátima Góis

    O que eu acho piada é a tentaiva de activista Paul...

  • Ana Matos Pires

    PS: só um avivar de memória http://jugular.blogs.s...

  • Pinto

    Filipe, muito rapidamente. Eu não estou a discutir...

  • Filipe Gomes

    (1) "A palavra consenso refere-se a uma conformida...

  • Pinto

    A palavra consenso refere-se a uma conformidade de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media