Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

jugular

crónicas de férias - epílogo

E já vem atrasado, que elas já acabaram. Mas assim encerro com um twilight post. E que é um twilight post? Um neologismo que acabei de criar e que significa "post escrito quando as férias acabam e o trabalho recomeça, que tanto dá para um lado como para o outro, também chamado de «post lusco-fusco» e para o qual se pode usar a analogia do copo meio cheio ou meio vazio". O presente, contudo, excede largamente esta mera dimensão laboral; na verdade, é também uma porta para a surrealidade, digamos que "onde o disparate acaba e o Cosmos começa". Musiquinha do Rod Serling, sff. 

O cidadão entra na esquadra e dirige-se ao agente de serviço que está atrás do balcão. O átrio de atendimento está vazio, é espaçoso e uma televisãozinha emite o Academia de Polícia que passa no canal Hollywood. A situação que o leva ali é meramente burocrática, mas que acaba por retê-lo ali uma boa meia hora até conseguir obter o desejado papelinho. Logo nos primeiros instantes, percebe que há algo de errado. Entende mal o que o agente diz, há uns horríveis guinchos e urros na sala que ferem os ouvidos e causam incómodo. Dois minutos depois, já em versão "sala de espera", pergunta ao guarda como é que ali consegue trabalhar. Ele, com ar cansado, diz que, de facto, não é fácil e que, ao fim de algum tempo, a coisa faz mesmo dores de cabeça. E o que é "a coisa"? Um papagaio. A sala tem um papagaio. Como é evidente, a presença de semelhante animal num espaço de atendimento público é suscetível de causar alguns engulhos, porque, como qualquer um sabe, é bicho que não se consegue fazer calar, a menos que se lhe torça o pescoço. O cidadão imaginou de imediato uma sala cheia, telefone a tocar, intercomunicador a apitar, gente a querer ser atendida, e um escarcéu de guinchos lancinantes a acompanhar. Podiam ter escolhido uma tartaruga ou um peixinho.

Pouco depois, um outro pormenor faz franzir o sobrolho: a gaiola do papagaio estava aberta. Grande, mas aberta. Ou o bicho sofria de claustrofobia, ou algum guarda de apurado sentido de justiça e dotado de veia poética achou indigno mantê-lo preso, precisamente ali, sem advogado nem culpa formada. Portanto, o Jacó vagueia alegremente pela sala. Sai da gaiola de cabeça para baixo e vai saltitando rumo aos bancos. E aos utentes. Como é inexpressivo, não se sabe se é brincalhão, se ameaçador. Mas que tem um belo bico (de papagaio, precisamente), daqueles bem capazes de arrancar um nariz, é inegável. Ora, de cada vez que o faz - sair da gaiola, entenda-se -, o guarda pega num jornal e vai convencer gentilmente o rebelde Jacó a sair de baixo dos bancos e regressar à gaiola. Mas não deixa de comentar: "vai de jornal, que não quero ficar sem um dedo". Ora bem, não há como as palavras tranquilizadoras de um agente da autoridade. O Jacó já percebeu que tem que se submeter à lei, como qualquer cidadão. E, como bom português, tenta sempre uma escapadinha se ninguém está a ver, daquelas inofensivas, sei lá, passar semáforos limitadores de velocidade quando estão vermelhos, por exemplo. Mas quando a autoridade está presente, ai, aí não. Portanto, assim que o guarda está distraído ou sai da sala, lá vai ele a sair da gaiola e tentar conviver com os indígenas; quando regressa, ups, nem é preciso ir buscar o jornal que o obediente Jacó dirige-se de imediato ao poiso.

Metida conversa sobre o assunto, o cidadão recolhe informações interessantes: "sim, ele gosta sempre de coisas novas para roer, é preciso cuidado, sobretudo, com os sapatos". Bom, o filho da puta do bico-torto que me venha cá fazer-me cócegas aos atacadores que eu digo-lhe como é. Isto pensa-se, mas não se diz, claro. Em vez disso, sorri-se. Ora, uma sala vazia é uma coisa. Quando começa a entrar gente, passa a outra. Dez minutos depois, estão seis ou sete pessoas sentadas num dos lados da sala, o mais longe possível da criatura. Uma, em especial, parecia bem mais assustada que divertida, de cada vez que o Jacó olhava para ela e dava uns tímidos passinhos na sua direção. O cidadão, já entediado pela espera mas com uma avolumada vontade de rir, acaba por dizer-lhe "olhe, é melhor assim com ele calado, acredite". Nem mais. O papagaio, ao ouvir a voz de uma senhora, que tinha acabado de entrar, a falar com o guarda, desata aos guinchos. Os minutos seguintes são surreais. Ela (uma senhora idosa de origem africana e, possivelmente, com sotaque carregado e dificuldades de audição) diz ao guarda o que quer, ele responde com palavreado formal e burocrático, processo assim, coima assado, custas de X euros associadas à certificação, impressos e taxa judicial blá blá blá, e o grande Jacó, já quietinho e em mood Pavarotti, acompanhava a conversa com inegável interesse. Incompreensão total. O guarda acaba por dizer "minha senhora, por favor fale mais alto e mais devagar que não percebi uma única palavra" (e ela, imagino, idem aspas). O intercomunicador dele apita e ele fala, também com uns "hãs" e uns "quês" à mistura. É melhor olhar para outro lado, que fica mal uma pessoa desatar a rir-se numa esquadra.

Quando, por fim, os decibéis acalmam (e o papagaio retoma as suas deambulações), lança-se nova pergunta ao guarda: "é mascote?". A resposta não ajuda muito a manter a postura séria que se deseja, enfim: "sim, tínhamos outro nas antigas instalações, mas era velho, este é novo e nunca está quieto, como vê, ainda por cima é uma chatice porque está sempre a dizer palavrões", e isto com ar cansado quando, mais uma vez, seguia de jornalinho na mão a convencer o Jacó a portar-se com juízo e a regressar à gaiola. "Vá, se não te portas bem tenho que te meter na outra sala". Felizmente que o desejado papelinho chegou entretanto, porque a imaginação a fermentar cenários do Jacó a proferir obscenidades naquele cenário não ajudava a manter uma pose sóbria e serena. Saí com a sensação de ter atravessado a twilight zoneNuma esquadra da área metropolitana de Lisboa, ontem.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media