Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Continuemos a fazer de conta

Mário Crespo faz de conta que escreve uma crónica, que é o mesmo que dizer que faz de conta que comenta factos da actualidade.

Comecemos por fazer de conta que Mário Crespo sabe tudo o que se passou no caso Freeport, que não mistura a gosto tios e primos, sobrinhas e sobrinhas. Que não recorre ao folhetineiro estilo “vocês sabem do que é que eu estou a falar”.

Continuando a acompanhar o estilo e a metodologia da mistela feita crónica, façamos de conta que o pregão onde Mário Crespo pretende fazer de conta “que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo” jamais poderia ser proferido numa feira, conjugado num “ó freguesa dois pares de cuecas pelo preço de uma; e a Universidade que licenciou José Sócrates está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo”.

Façamos ainda conta que tirar um curso numa universidade que “está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo” é, também por si, um caso de polícia. E que todo este fazer de conta de Mário Crespo quer dizer alguma coisa, que é afirmação contextualizada, com alguma espécie de substância, que não fica no ar uma espécie de conclusão que não chega a ser retirada. E aqui chegados façamos de conta que o inconclusivo não é propositado.

Façamos de conta que fazer de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês é arrasador para o destinatário. E que não há má fé na piadola e que a piadola ainda não chegou à tasca.

Façamos igualmente de conta que Mário Crespo sabe do que fala quando nos aconselha a fazer de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral. Façamos de conta que ignoramos as demais considerações que o neófito entrevistador de horário nobre tece a propósito da entrevista concedida por Freitas do Amaral. Façamos de conta, para isso, que Mário Crespo foi ao fundo de questão, que analisou quês e porquês, que estudou o assunto - que procurou, encontrou, comparou e concluiu. O que fez de conta que concluiu.

Façamos de conta que os media nada têm a ver com todo este mundo do faz de conta e que alguns jornalistas não escrevem crónicas como a que Mário Crespo deu à estampa, com elas contribuindo para tanto faz de conta. E, porque não?, façamos ainda de conta que uma mentira repetida à exaustão não tende a transformar-se numa verdade.

Façamos de conta que misturar o enjoativo "Magalhães", as declarações do director do Sol e a existência do SIS não dá origem a uma mixórdia que só desacredita quem a assina.

Façamos de conta que Mário Crespo não recupera também a falsa questão do relatório da OCDE que afinal não o era. E façamos de conta que ninguém percebeu que o dito “caso” não se reduz a uma monumental gaffe política e que o Governo pretendeu mesmo tirar dividendos duma pantominice gerada por negligência.

Façamos de conta que faz sentido trazer novamente a terreiro as afirmações de Jorge Coelho e de Augusto Santos Silva – e aqui façamos igualmente de conta que eu aprecio as personagens. E façamos de conta que invocar, neste ponto, o que o carniceiro Nazi Klaus Barbie terá dito, à laia de comparação, é coisa para ser levada a sério. Dita por gente que quer ser levada a sério.

Façamos de conta que o que Mário Crespo diz acerca dos bastidores da entrevista com Pedro Silva Pereira não é dito por um jornalista. E façamos de conta que Mário Crespo nunca recebeu outros telefonemas de tão grave teor.

Façamos de conta que entender como Mário Crespo entendeu a suposta comparação entre o Caso Freeport e o Caso Dreyfus não é “infinitamente ridículo e perverso”. E que é de bom tom chamar os bois pelos nomes.

Façamos de conta que Sócrates é responsável directo pelos buracos da minha rua. E façamos de conta que é ele o responsável pelas indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Porque temos provas disso. E façamos, já agora, de conta que essas indagações vão além de meras indagações procedimentais.

Façamos de conta que a entrevista dada pela procuradora Cândida Almeida não foi um momento ímpar, um precedente a ser seguido e invocado, nas espinhosas relações entre a comunicação social e Justiça. E façamos de conta que é correcto traduzir essas declarações por “sequência de entrevistas do Ministério Público”. Façamos de conta que não se é preso por ter cão e preso por não ter. Que a relação entre a Justiça e a comunicação social não tem areias na engrenagem, que esta nunca as invocou para malhar no segredo de justiça, e que colocar um pouco de óleo no mecanismo não é agora passível de crítica.

Façamos de conta que não é normal o Presidente da República chamar o PGR nas circunstâncias em que o fez. E façamos de conta que algo que mexe com os órgãos de soberania não é assunto de Estado, sem que daí possam ser tiradas outras conclusões.

Façamos de conta que a alusão ao funcionamento da democracia, a Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos e Kabila não fica ali a matar e que foi proferida no calor da rítmica. Aqui chegados façamos de conta que no pasa nada, que todos podemos dizer o que nos der na real gana.

Se fizermos estes de conta todos, teremos uma crónica séria, circunstanciada, de argumentos sólidos. Coisa sem segundas intenções, um momento feliz. E neste caso, ser entrevistado por Mário Crespo não voltará a ser uma obrigação.

E será caso para dizer: parabéns, Mário, essa foi bem esgalhada.

23 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media