Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

"Tratamento" da homossexualidade: cronologia dos acontecimentos e mais uns pozinhos

Em Março passado Annie Bartlett, Glenn Smith e Michael King, investigadores do departamento de saúde mental de duas universidades londrinas, publicaram o artigo de "The response of mental health professionals to clients seeking help to change or raedirect same-sex sexual orientation". De acordo com os autores "we know very little about mental health practitioners' views on treatments to change sexual orientation. Our aim was to survey a representative sample of professional members of the main United Kingdom psychotherapy and psychiatric organisations about their views and practices concerning such treatments." (sublinhados meus).

 

No Público de 2 de Maio Andreia Sanches assina um trabalho jornalístico intitulado "Tratamentos para alterar orientação sexual não são coisa do passado", assumidamente feito na sequência da publicação do referido artigo, e coloca o mesmo tipo de questão a diferentes psiquiatras e psicólogos nacionais. Recordo que o que estava em causa era saber-se se os técnicos "caso fossem procurados por um cliente que pretendesse "mudar" ou "redireccionar" a sua "orientação homossexual" tentariam fazê-lo". No grupo de inquiridos estavam o Presidente do Colégio de Psiquiatria da Ordem dos Médicos (OM), João Marques Teixeira, e o presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, Adriano Vaz Serra, apresentados pela jornalista nessas qualidades.

Dois apontamentos a este propósito. Enquanto psiquiatra fiquei desagradada, digamos assim, com a falta de cuidado técnico posto nas respostas, que entretanto não seriam rectificadas nem corrigidas publicamente por nenhuns dos intervenientes. Impressionou-me, em particular, a confusão entre "orientação sexual" e "identidade de género" e a divisão desactualizada e cientificamente errada entre homossexualidade "primária" e "secundária" presentes nas resposta de Marques Teixeira. Causou-me, também, alguma estranheza que Adriano Vaz Serra tenha apelado ao autor australiano N. McConaghy para sustentar cientificamente o uso de técnicas cognitivo-comportamentais em tais "tratamentos", recordando-me de imediato do seu artigo "Classical, avoidance and backward conditioning treatments of homosexuality" de... 1973. Passaram-se imensas coisas entretanto, incluindo ter-se abandonado, com base em justificações médico-científicas, a integração da homossexualidade nos instrumentos classificativos internacionais das doenças psiquiátricas. E não foi só a Associação Americana de Psiquiatria a rever tal posição nosográfica, é uma realidade mundial, também contemplada pela International Classification of Diseases da Organização Mundial de Saúde, na versão para as doenças psiquiátricas.

 

Daniel Sampaio refere o assunto na sua crónica da Pública de 10 de Maio, "Crenças e valores", questionando e criticando algumas opiniões anteriormente expressas (recordo que o faz na qualidade de psiquiatra e aproveito para subscrever, em absoluto, o que aí é dito).

 

Dia 12 de Maio surge um press release assinado por inúmeras associações que "desafia bastonário da OM a pronunciar-se claramente sobre "reorientações de orientação sexual e de identidade de género".

 

No Público de dia 13 de Maio a jornalista Andreia Sanches retoma o tema e assina o artigo "Associações escandalizadas com terapias para mudar orientação sexual", a propósito do qual julgo importante fazer algumas anotações.


(i) Relativamente às declarações de Marques Teixeira, não me parece que tenham sido as associações a interpretarem mal as suas palavras, os termos técnicos é que foram mesmo mal usados. Tanto quanto julgo saber não existe nenhuma definição técnica para "reenquadrar", "reorientar" ou "redireccionar" mas existem definições precisas para "identidade de género" e "orientação sexual". O que é reenquadrar uma identidade de género é a pergunta que se impõe a João Marques Teixeira, quer ele esteja a responder enquanto psiquiatra quer enquanto psiquiatra presidente do Colégio de Psiquiatria da OM – faço notar, mais uma vez, que foi nesta qualidade que João Marques Teixeira foi apresentado na peça jornalística de 2 de Maio o que, naturalmente, lhe dá responsabilidades acrescidas.

 

(ii) Quanto às declarações de Pedro Nunes, importa relevar que o que está em causa não é criticar um psiquiatra que ajude alguém que está em sofrimento por causa da sua orientação sexual - seja ela homo ou heterossexual -, mas antes os aspectos relativos ao "tratamento" de uma não doença... a boa ou má praxis, portanto. 

 

Em suma, a homossexualidade não é uma doença, ponto. Não se pode falar em tratamento da homossexualidade, ponto. O que está em causa são questões éticas e deontológicas que vale a pena discutir, digo eu, tão somente porque estamos a falar de pessoas. E do sofrimento das pessoas, já agora.

 

PS: À cause de ça recordei-me do texto da Palmira sobre a drapetomania de Samuel Cartwright, o neologismo usado pelo médico norte-americano em 1851 para se referir à tendência "desviante" encontrada em muitos escravos negros que se manifestava numa "mania" de fuga. 

74 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media