Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Das Obras Valerosas

A história foi contada pelo próprio, há umas semanas. Estava tudo preparado, contactos diplomáticos, viagem, roteiro, encontros. Do outro lado havia abertura e vontade de quebrar formalmente o gelo, já rançoso e anacrónico mas ainda pendente. Estava, de facto, na hora. Tudo foi discretamente preparado e lá partiu, em viagem exploratória, de cujo sucesso iriam depender os passos mais largos a tomar no futuro. Foi calorosamente recebido pelo homólogo, que o acompanhou num périplo pelo país. A viagem deveria culminar numa jornada final a uma região específica, foco de tensões e hostilidades passadas, assinalando a reconciliação e abrindo caminho a encontros a um nível mais elevado. Antes disso, porém, estava agendado um encontro, o  grande encontro, o sinal inequívoco da boa vontade e a confirmação política de que o passado era passado e que era preciso olhar para o futuro. Algo, porém, aconteceu no dia anterior. Subitamente, a meio do jantar, começou a ouvir um zumzum estranho, um tom inesperado que indicava que algo de estranho se passava. Não conhecendo a língua, não percebia o que era dito. O ruído aumentou de intensidade, até que alguém teve a gentileza de lhe traduzir e explicar o ocorrido: sim, algo não estava bem; estava até muito mal. A pessoa com quem deveria encontrar-se no dia seguinte, a tal, tinha sido vítima de um ataque e estava em perigo de vida. Pouco depois, e no meio de uma já evidente agitação entre os convivas, chegava a confirmação: o ataque fora fatal. Portanto, o plano diplomático estava irremediavelmente perdido, não havia condições para prosseguir a visita ou realizar a jornada final acordada. Assistiu às exéquias e regressou a Portugal.

A pessoa em causa chama-se António Coimbra Martins e é o maior especialista da vida e obra do cronista quinhentista Diogo do Couto. A história, contou-a na sessão de abertura de um colóquio que teve lugar na Torre do Tombo, em dezembro. Teve o cuidado de descrever diversos pormenores do episódio e de revelar que era a primeira vez que o fazia publicamente. Éramos poucos a ouvi-lo, entre participantes e interessados no assunto que ali nos juntou. Em 1984, Coimbra Martins era o ministro da Cultura do IX Governo Constitucional; ironicamente, liderado por Mário Soares. O país é a Índia, o destino da jornada final era Goa e a pessoa que concordou em recebê-lo previamente, assinalando o degelo definitivo entre os dois países, era Indira Gandhi. Indira Gandhi, a líder do Partido do Congresso e então chefe de governo que foi assassinada a 31 de outubro desse ano por dois guarda-costas. Nunca imaginei que o ministro da Cultura de Portugal estivesse, nesse mesmo dia, a aguardar audiência e a preparar a plena normalização das relações diplomáticas entre Portugal e a Índia, cortadas durante quase duas décadas e com uma guerra pelo meio; e que o processo tivesse sido interrompido e atrasado desta forma abrupta. Fiquei a saber de viva voz há dias. Espero ter transmitido o exato tom com que o autor a reportou.

Mário Soares, o chefe do governo então em funções, visitou a Índia no ano seguinte e a normalização das relações diplomáticas foi alcançada. Três décadas mais tarde, o primeiro ministro português faz nova visita à Índia, desta vez com um objetivo adicional: visitar Goa, a primeira vez por parte de um chefe do governo de Portugal. Não será muito exagerado dizer-se que só agora, passado tanto tempo, se podem considerar saradas as feridas de uma relação atribulada de mais de cinco séculos. Ironicamente, este desfecho esteve ameaçado, uma vez mais, pela interferência de uma morte; desta vez, do lado de cá, e precisamente do homem que esteve por trás do processo de aproximação, há três décadas. Muita gente se indignou, por ignorância, despeito e/ou estreiteza política, com a recusa do primeiro-ministro em interromper a visita para comparecer ao seu funeral. Alguma imprensa fez chacota indecente com as raízes familiares do chefe de governo; cheguei a ouvir, num canal de televisão, "quantos turbantes são necessários para se fechar um bom negócio?", sinal inequívoco - embora não inesperado, infelizmente - de estreiteza de vistas, ignorância e preconceito, a vários níveis.

Coimbra Martins foi um dos elementos fundadores do PS, em 1973. Ignoro se esteve nas exéquias de Soares ou se compareceu no Largo do Rato à passagem do féretro. A sua idade avançada, possivelmente, não o terá aconselhado. Mas penso que terá ficado satisfeito com a decisão de António Costa. Por compreender em pleno as funções de estado, por entender a importância da missão e, finalmente, por pensar que a sua viagem de 1984 foi finalmente completada. A morte interpôs-se uma, duas vezes, mas agora sem sucesso. E por considerar, certamente, que a decisão teria agradado ao seu antigo companheiro e líder. Não é Soares, afinal, um daqueles que "por obras valerosas se vão da lei da morte libertando"?

1 comentário

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media