Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

desconcertos

Não de Jaime Nogueira Pinto, que hoje escreve a propósito da morte de Alpoim Calvão. Meus, certamente. Com c e com s. Sobre a nossa história recente. Tal como o autor, também eu vibrei, na minha adolescência, com aventuras de dogs of war (como esta ou esta), mas pouco com "romantismos imperiais", talvez por ter vivido a sua (deles) ressaca, talvez por já estarem fora de moda. Lamento. Porque é de "romantismos imperiais" que fala, ao mencionar a "Guerra e o Império", o "português do Império", o homem que queria "salvar o que podia ser salvo do Império e do país". Um herói romântico, um herói imperial. Não um homem de ação de um regime decrépito e obscurantista. E colonialista. Tudo bem. Nada contra, a nostalgia não tem cura e cada um dá polimento aos metais que quer. Os meus desconcertos (ainda não decidi se com c se com s) não provêm exatamente daqui. Emergem de outros lados. Coisas que eu não sabia. A primeira é que Alpoim Calvão conhecia as "capacidades" e as "folhas de serviços" dos seus camaradas que fizeram o 25 de Abril, "e por isso tinha-os na devida (não muito elevada) consideração". Para um "homem de guerra" como ele, isso significa, deduzo, que Salgueiro Maia e os seus pares não eram grande espingarda. "Foi por isso que conspirou e participou no 11 de Março", diz JNP. Seria bom que esclarecesse o "isso". Poderão as má-línguas deste país de invejosos dizer, alegar, suspeitar que "foi [também] por isso" (não serem militares a sério, como ele próprio?) que Alpoim Calvão foi à sede da PIDE-DGS na manhã de 25 de Abril, ato que, intencional ou não, levou os agentes a resistir e a não se render? Porque lá fora só estava tropa fandanga de camuflado que certamente iria debandar a meio da manhã, logo que os homens de fibra (como o próprio e, presumo, os agentes da António Maria Cardoso) fizessem buuu!?

O segundo desconserto (com c ou com s?) é que Jaime Nogueira Pinto, que até escreve livros de História, afirma que o 11 de Março foi "afinal, uma maquinação e provocação esquerdista, para antecipar e sabotar a reacção conservadora nas Forças Armadas". Deixa lá ver. A "esquerda" maquinou e provocou? como? com os folhetos da "matança da Páscoa"? com o ataque dos paraquedistas ao Ral 1? Não entendo. Para mim, foi apenas excesso de confiança, bravata e vaidade, a juntar a um paupérrima planificação estratégica, de Spínola e dos seus indefectíveis. Alpoim Calvão, por exemplo. Até posso opinar que foram eles os responsáveis, em boa parte, pela rápida escorregadela de Portugal para o PREC, precisamente porque agitaram o fantasma do "golpe fascista" e da "reação" e precipitaram tudo. Nacionalizações, ocupações, o que a gente sabe. Mas isso é outra história.

O terceiro desconcerto diz respeito à atividade conspirativa de Calvão. Grupos que agitavam o papão comunista, que incitavam o medo nas pessoas contra os "russos" que vinham aí, que punham bombas e matavam gente, pensava eu. Nogueira Pinto esclarece que não. Afinal, foram apenas "movimentos" que "tiveram um papel importante na articulação da resistência popular que, respondendo à violência com a violência, equilibrou o balanço de forças em Portugal e permitiu o 25 de Novembro". Eu tinha a ideia contrária, que estes grupos dificultaram, precisamente, o 25 de Novembro, porque acirraram ódios e terrores e tornaram mais difíceis as soluções de compromisso, de razoabilidade e de bom senso. Não comento o "responder à violência com a violência" do MDLP e de outras formações, porque é sempre inútil ajuizar sobre quem iniciou o quê. Para além de que não sei o que me repugna mais, se o "terror de esquerda", se o "terror de direita".

Há outros. Mas talvez o maior esteja nas linhas finais do artigo de JNP, quando fala de África e da forma como Alpoim Calvão e outros lá regressaram: "os que gostávamos de África, não éramos necessariamente colonialistas opressores: gostávamos daquelas pessoas e daquelas terras. E continuámos ou voltámos a gostar quando de «nossas» passaram a ser «deles»". Gostar de África, que era "nossa" e passou a "deles". Aqui, confesso, trata-se de ambos: um desconcerto e um desconserto, não meus, mas de Jaime Nogueira Pinto e de tanta gente, que não consegue libertar-se de equívocos profundos e de incompreensões irremissíveis da História.

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media