Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

o Carrascão-Party

quinas.pngAí há uns 20 anos, numa vetusta instituição, ouvi um igualmente vetusto senhor comentar o que se passava em Timor-Leste. Dizia ele que, ao contrário do que afirmavam os comunistas da FRETILIN, os timorenses não queriam a independência; queriam era voltar a ser portugueses. Nem sei como é que ninguém se lembrou de tal evidência no referendo que teve lugar pouco depois. Só agora percebi que só pode ter sido por isso que aquilo correu tão mal.

As apreciações sobre o passado ultramarino de Portugal têm conhecido uma evolução interessante: há historiadores que, vai não volta, se interrogam se, e em que medida, foram os portugueses diferentes dos outros europeus em África, na América e na Ásia; a outros interessava saber, sobretudo, se foram melhores ou piores. Tudo isso está ultrapassado, agora  a dúvida é: "quão melhores fomos? 1. muito, 2. mesmo muito ou 3. arrebatadoramente, os galos da capoeira global". Quem escolheu 3. tem à sua disposição a "Nova Portugalidade", que está a fazer furor. Sobretudo entre os seus adeptos, embora não se conheça mais do que um, um jovem das Caldas que escreve por aí uns caldos de insigne transcendência como "Mais que um idioma, a Portugalidade é terra e gente, cultura e sentimento, passado e futuro. Queremos reerguer o mundo de fala portuguesa". Tem ideologia? tem, se bem que um pouco confusa: "Portugal [está] mais próximo histórica, cultural e sentimentalmente de Timor que de Budapeste". Muito curioso para quem, aquando dos atentados em Munique, escreveu que "por sorte, há um homem [Orbán] que se distingue do escorralho [Merkel, Renzi, Hollande]". Ora, Orbán vive em Budapeste. Noutro texto, diz: "passo a passo, documento a documento, Trump vai tornando o mundo mais limpo. Só podem agradecer-lhe os patriotas de todas as longitudes." Logo, a ordem de proximidades é: Díli, Budapeste, Washington, e só depois Paris, Roma ou Berlim. Embora Orbán e Trump, como todos sabemos, sejam típicos homens de comunhão e de afetos, e esses superam todas as distâncias.

É de comunhão e de afetos que falamos, sobretudo, nós, os "portugueses". A Portugalidade é a "grande família humana gerada e cimentada por séculos de convivência", formada pelos "povos do mundo português" e pelos "países de civilização portuguesa - aqueles que connosco se encontraram ao longo da História". É, portanto, tudo português, a "nação policromada, diversa mas coesa, que se dilatou pelo globo". Nada de colonialismo, nem racismo, nem PNR, nem saudosismo. Credo. Nada disso. Isso era coisa da Velha Portugalidade (da qual só resta, ao que parece, a devoção a Salazar). Esta é a Nova ou, como diz o seu mentor, "rejuvenescida".

Opá.

Para "Nova", precisam de umas novidades. Libertem-se, bolas. Organizem-se. "Portugalidade" é coisa velha. Novas abordagens, novas perspetivas. Sabem o que é o Tea Party? É isso, não é? Um movimento informal, não enfeudado aos políticos. O problema é que é coisa de colonialistas e colonizados, impostos sobre chá e tudo borda fora que lá vai disto, e movimentos políticos de direita. Tudo estranho à Portugalidade, que é exatamente oposta e não é de esquerda nem de direita (como afirma o próprio mentor), logo, há que aproveitar o élan mas à nossa moda: não um party-partido, mas sim uma party-festa, vale? E nada de chá, que bebida portuguesa há de ser? Viram o Kagemusha? a parte em que Oda Nobunaga e Tokugawa Ieyasu bebem vinho dos "Bárbaros do sul" (uns snobes, estes japos) e este cospe? era carrascão, pois então. Carrascão histórico no Japão do século XVI, haverá melhor mote? E depois, bolas, um movimento de promoção de afetos familiares tem um logo tão tosco e frio, com um "1" a lembrar o Canal 1 da RTP de outros tempos? É animar as hostes com smileys e coisas fofas, caramba. Deixo aqui o meu humilde contributo para um verdadeiro logo representantivo e unificador. Hino não tenho, mas penso que a sugestão abaixo servirá provisoriamente. Servirá, pelo menos, para matar saudades.

Há pouco vi, no Facebook, chamarem-lhes de "molho de queques aparvalhados". Eu prefiro, ainda assim, pensar que é gente que ficou com aquela letra do "Inventor" dos Heróis do Mar em loop na cabeça: "é muito provável que a riqueza do mundo esteja em Portugal"; ou, em alternativa, que são todos discípulos do tal senhor vetusto que há 20 anos me dizia que os timorenses não queriam ser independentes.

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    PS: só um avivar de memória http://jugular.blogs.s...

  • Pinto

    Filipe, muito rapidamente. Eu não estou a discutir...

  • Filipe Gomes

    (1) "A palavra consenso refere-se a uma conformida...

  • Pinto

    A palavra consenso refere-se a uma conformidade de...

  • Filipe Gomes

    (1)"O resultado dessa votação não foi unânime. Por...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media