Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

jugular

um post sobre trânsito

Os portugueses estão carregados de impostos. Nada de novo. 2014 trouxe novos. Idem. O que alguns talvez não saibam é que há uma série de agravamentos resultantes das alterações ao Código da Estrada que são verdadeiros impostos. Aceito que o "apelo ao civismo" e as campanhas de sensibilização são medidas ineficazes e lentas. É um facto. Sei o que é a praga dos telemóveis durante a condução, a cautela redobrada perante quem atende chamadas a fazer manobras ou a 50 à hora na faixa do meio. E os ziguezagues dos espalha-brasas, que não respeitam prioridade nem coisa nenhuma, mais a pressão dos "sinais de luzes"="sai da frente", a juntar aos que desconhecem o significado do triângulo invertido (sobretudo nos acessos a vias rápidas) e enfiam-se literalmente na via principal. O perigo espreita a cada curva, os portugueses conduzem como loucos. É verdade.

Mas duvido que o que vem aí resolva o problema. E o que vem aí é, apenas e tão-somente, um agravamento das multas e penalizações. Não vai servir de nada, em termos gerais. Continuará a ser uma roleta. Podes continuar a ser uma besta na estrada, provavelmente nunca te acontecerá nada. Ou podes ter azar, pisar o risco uma vez que seja, estás feito. Vai girar, senhores, vai girar. Da mesma forma como a tenebrosa (porque inverte completamente o sentido das responsabilidades cívicas) novela das "faturas com NIF" e os sorteiozinhos que hão-de premiar quem se porta bem, tal como há uns anos havia um concurso televisivo ("Arreganha a Taxa") que obrigava as pessoas a rir durante um minuto para ganharem um prémio, e desde que tivessem a taxa em dia, também a circulação automóvel vai ser, cada vez mais, um jogo de sorte. Ou de azar. Querem ver? Então aqui vão uns exemplos, tirados daqui.

1. A ultrapassagem de veículo pelo lado direito passa a ser sancionada com coima de €250 a €1250. Está-se a ver a fortuna que a BT vai arrecadar, se calha haver uma fiscalização a sério. Pena que ninguém se lembre de fazer o mesmo a quem circula sempre na faixa do meio (ou da esquerda). 2. Passa a ser proibido parar e estacionar a menos de 25 metros antes e 5 metros depois dos sinais de paragem dos veículos de transporte colectivo de passageiros «autocarros». Não diz quanto custa, mas presumo que a "norma" seja 30 € (possivelmente agravada). Vai ser uma fartura. 3. É proibido e considerado abusivo o estacionamento de veículos ostentando qualquer informação com vista à sua transacção «ex: vende-se, procuro novo dono, n.º de telemóvel, etc». Em caso de infracção, o veículo será rebocado. Ora toma, desembolsa. 4. A infracção a esta disposição [usar telemóvel] é sancionada com coima de €120 a €600 e passa a ser considerada contra-ordenação grave, sendo penalizada com sanção acessória de inibição de conduzir. Eu até sou adepto de que deveria dar direito a fuzilamento imediato, é verdade, mas assim rende mais. 5. A ausência de colete é sancionada com uma coima de €60 a €300 euros. A não colocação do colete é sancionada com coima de €120 a €600. E agora as novas contraordenações muito graves: a) Não parar perante o sinal de STOP ou perante a luz vermelha de regulação do trânsito ou o desrespeito da obrigação de parar imposta pelos agentes fiscalizadores ou reguladores do trânsito; b) Pisar ou transpor uma linha longitudinal contínua que separa os sentidos de trânsito. Estas contra-ordenações muito graves resultam na apreensão da carta de condução durante um período de 2 meses a 2 anos. Imagino as multas. Pisar um traço contínuo é "muito grave"? É faturar, senhores, é faturar.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

  • Luís Lavoura

    o melhor método que temos à nossa disposição para ...

  • Luís Lavoura

    É preciso um certo cuidado, pois o facto de algo n...

  • Filipe Gomes

    O problema das medicinas alternativas é o facto de...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media