Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Se é para cantar com'á rola que seja à séria

ou esta
(obrigada J)
E aqui fica a letra da Gota de água

...

Estou triste, a reviver uma história com quase 2 anos. Outro dos bons, dos melhores. Outro dos díficeis de ajudar, o Jorge.

Já chateia

 

Avisem lá o homem que isto é o lado primário, bacoco e depreciativo do provincianismo.

3 anos

O horror não se esquece. 

"Dever de sigilo"?

Parece que o Ministério da Saúde recuou na "lei da rolha". Fazer crer que o que estava em causa era uma quebra do "dever do sigilo profissional" é qualquer coisa de fantástico. Se não fosse triste estava aqui a mandar-me para o chão e rebolar de tanto rir.

 

Vamos lá ser honestos, o que estava em causa era impor «aos profissionais de saúde que “salvo quando se encontrem mandatados para o efeito, os colaboradores e demais agentes da (nome do serviço ou organismo) devem abster-se de emitir declarações públicas, por sua iniciativa ou mediante solicitação de terceiros, nomeadamente quando possam pôr em causa a imagem da (nome do serviço ou organismo), em especial fazendo uso dos meios de comunicação social”». Nunca os médicos se insurgiram contra o dever de sigilo profissional, que fique claro.

Areia no cu do outro é vaselina

José Manuel Fernandes mostrou-se muito agastado, no twitter, com um escrito facebookiano da deputada socialista  Catarina Marcelino por causa dos vários erros ortográficos presentes. Depois até referiu  "É. Desculpou-se dizendo-se disléxica...". Ora vamos lá fazer um regresso ao passado, aqui. Não deixa de ter carradas de graça.

 

Adenda: Acabei de ler no FB da Catarina Marcelino "Agradeço as correcções. Já reeditei. Sou disléxica e qdo estou mto cansada acontece. Hoje aconteceu.". Escrito pelo punho da própria ainda torna o "desculpou-se" mais perverso e ruim.

A bola também serviu para isto

 

Campanha "O valente não é violento"

"Depois de se ouvir o Martim Avilez Figueiredo, o Fernando Seara revela-se um modelo de clarividência."*

*Dizia o grande João Pinto e Castro a propósito de bola, mas no que aos médicos diz respeito a coisa é igualmente precária e aldrabona ora vejam:

 

Manipulação, desinformação e mentira. Enfim, nada de novo.

 

Ps: gostava que o Martim Avilez Figueiredo me mostrasse a "ligação" da FNAM à CGTP. E caso não tenha reparado, uma delegação da UGT esteve presente no palanque instalado na João Crisóstomo na terça passada, assim só para informação, coisa necessária - eu acho - para se fazer um artigo de opinião sério. Isto, e o resto da "opinião", pelo André.

Em dia de greve, financiamento do SNS

 

Quadro que roubei ao economista Eugénio Rosa, daqui

Olha que estranho, uma greve por motivos... políticos

É fantástico ouvir Paulo Macedo a afirmar "esta greve teve impacto, mas tem motivos políticos".  O chavão da "greve ter motivos políticos" tem sido repetido amiúde nos últimos dias por diferentes agentes do Ministério da Saúde, não consigo perceber como é que ainda não houve nenhum jornalista a fazer a pergunta óbvia: "qual é a greve que não tem motivos políticos?". 

 

Adenda: O resto das declarações são mais do mesmo. Que a Ordem é um sindicato - mas sem nunca dar, como tem sido também habitual, um único exemplo real que consubstancie essa afirmação -, ou que a abertura de concursos tem sido uma realidade - esquecendo-se de referir que "ficam suspensos os efeitos remuneratórios -, são apenas dois exemplos das aldrabices que, por mais vezes repetidas, não se tornam verdades.