Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

chronicas da Terra Sancta -3

trump.jpg

Saiba V. S. q estou ha duas semannas en esta terra de iudeos & infieis e q. nam me foy possiuel sayr e seguir en uisita a cidade sancta onde preguou e morreo N.S. porq. me foy dito q. nam he bõa occasiam nē momento pera laa yr aguora por seer tempo en q. os judeos estam en granndes festeios celebrãdo a sua tomada da terra ē q. a filharã aos mouros da terra e q. nom he tempo pacifiquo pera laa yr. E tambē q. la esta agora hũ poderozo Rey estrangeyro cõ q. tem grandes cuydados en seruiço de uigia e cautella e cerran tudo e nam sey se hē aquelle de q. todos fazen suas chacotas per conta de seus cabellos desuayrados ē cõor de laranjas e tonteryas q. diz q. parece bobo e nam sey se he esse ou nam mas nam m parece que tal couza possa seer. Deyxo aqui hũ debuxo pello natural do q. uy nũa parede nam sey o q. signifiqua porq. nam sey leer estas leetras mas pareceome pouco respeitozo e desaguisado poys assi uay o desuaryo do mundo e diguame V.S. se he ou nam he o q. signefiqua.

Não podēdo yr fuy entam uisitar esta cidade na parte mays antigua della q he muy fermosa o porto mays q. outras he este foy de turquos antes ser de christãos mormēte dos ingrezes hereges q. senhorearam tudo por aquy antes dos hebreos o fazeren. He estyue tambē no ceentro nũa praça cõ muyta horden e asseio como conuen e laa tem hũ logar õnde matarom hũ chefe destes iudeos ha huns uynte annos e tudo esta assinelado no chãao honde caiu elle he estauam seus guardas he o homē que ho matou cõ hũ tiro q. era judeo como elle porq. nam querya pazes nē treguas cõ os mouros da terra e chamauase Isac Rabino segũndo laa vy o chefe q. o outro nam sey.

Nesta terra ha grãnde myngua de agoa seguũdo me disseron mas tall nam parece poys a gastam ēn grande cantidade e desperdicyo tãto en iardins pera rega de reluados cõmo em repuxos nas praças q. nam entendo q. entēdimento de orden hee este. E tudo he caro como ja disse a V.S. e a unica couza q. comprey q. o nam foy he hum corta unhas q foy barato he nam entendo a rezom quiça (nom alcanço ouutro entendimēto q. sou homē pratico he nam letrado) que seia taluez que Deos N.S. faça crecer en esta jente endemoninhada grãdes unhacas en seos dedos e mui asinha em jeyto de garras cõmo os do mafarrico pera lembrallos de suas damnações q os aguardan e q assy elles ajam mister de cortalas amiude e per quall rezom sam estes estromētos comũns e baratos. De resto he gente como nos e andam em as ruas como os de Portuguall tanto moços e moças e os de prouecta ydade sēmpre cõ suas uentas e narizes preguados no chão e os olhos ora mirando os piquenos aparelhos ora fallando cõ elles sē olharē pessõa algũa na cara. E os q. guiam as carroagēns grandes en q andey san barbaros como os de Portugal creo q he syna ou malldiçam ou pragua cõ q. naceram aquy como laa e os q. guiam bicicretas tambē o sam igualmēnte andam sem cuydado nē ciuilydade he os outros apitam muyto na rua e quasi ha toda hora posto que nam tamto como na Yndia.

Loguo darey mais noticias a V.S quãndo puder he tyuer inspiraçam posto q. nam me enfado por ēnquãnto irey en breue a terra dos Cruzados S. Joam de Acre que foy a deradeyra q teuerom os Christãaos he q se perdeo en o anno de 1291 pera os Mamelucos.

Desta cydade de Thelauiv, 23 de mayo anno dezessete,

de seu fyel seruidor,

PP

amnésia colonial

Há anos, existia um blogue cujo lema era "aqui não se diz mal de Portugal". A recente discussão pública sobre a abolição do tráfico de escravos, desencadeada pelas declarações do Presidente da República no Senegal, corre o risco de resvalar para a tentação de reduzir tudo ao dizer bem ou dizer mal de Portugal, mais especificamente, do passado ultramarino português. É um risco. Mas é importante que se faça, ainda assim, porque a nossa memória coletiva dos contactos com o mundo extraeuropeu permanece um terreno de silêncios, omissões e amnésias, minado por conotações ideológicas e perceções enviesadas das realidades históricas.

Disse "ultramarino"? Bum! Já pisei a primeira mina. As próprias palavras, termos e conceitos utilizados para definir e caracterizar a nossa história colonial queimam dedos e escaldam neurónios. Escrevi "colonial"? Bum! Lá foi outra. As fogueiras em que ardem são de teor diverso, acopladas geralmente - e de forma grosseira - à "direita" ou à "esquerda" e que têm em comum a projeção das preocupações e tensões do presente no passado do império português. Disse "império"? Ai!

O debate sobre o tráfico de escravos e, de um modo geral, sobre a história da expansão portuguesa já foi feito e continua a fazer-se, mas limitado aos círculos estreitos e pouco porosos da academia. Não é esse que é urgente; é outro, o que envolve a opinião pública. E porque é que é importante? Porque nunca foi feito. A principal razão decorre da ausência de uma tradição de divulgação histórica entre nós, com origem no divórcio entre o mundo académico e o público leigo. Isto tem permitido a proliferação de informação deficiente, parcial e simplista, quando não simplesmente errada, que se traduz em evocações mais ou menos confortáveis e comodistas de figuras ou eventos, um disfarce para uma relação traumática, difícil e amnésica com o passado.

As palavras de Marcelo não contêm apenas erros, não são apenas declarações desajeitadas e diplomaticamente inconvenientes. Já seriam razoavelmente graves se proferidas por cá; ditas ali, aproximam-se perigosamente do insulto, quando o tema do tráfico de escravos permanece uma ferida mal sarada no quadro identitário dos povos africanos e um foco de desconforto no relacionamento com os ex-colonizadores. Ninguém esperava - nem tal parece sensato - lamentos ou pedidos de desculpa. Mas um mínimo de respeito obrigava ao reconhecimento de um passado lesivo e doloroso, em vez de um discurso apologético sobre alegados méritos próprios. As suas palavras, curiosamente, são a expressão e a confluência da amnésia nacional sobre o passado além-fronteiras, que oculta os odores desagradáveis dos seus esconsos com um humanismo precoce e uma suavidade cosmopolita típicos da especificidade portuguesa. Espera-se que o debate que desencadeou seja extenso, aberto e frutífero. Sobre a escravatura, sim, mas não só, porque esta não é mais do que a ponta de um enorme icebergue da memória coletiva sobre o nosso passado colonial.

Historiador

(publicado no DN de anteontem)

chronicas da Terra Sancta -2

Perdoeme V.S. por perturbar as oraçõoes em que q. esta absorto por estar oje o Sancto Padre em nossa terra rezaaando muyto per a salvaçam de nossas almas portuguezas ē Fatima cõ ayuda destes nouos mininos Sanctos bucollicos q. estãdo em seu pastoreo de cabras uiram N. Sra. Mãi de Jesu pousada ē ũa azinheyra que he decerto millagroza Graça e proua que tem Deos Portugal en especiall consideraçam e agrado como sempre teue. Bem q. por aquy precisaua de hum pouco dessa Fee grandioza q. aquy nom ha q. som todos hebreos e algũs mouros cõmo escreui ha dias se a V.S. aprouue leer e diguo q. os padres do Sancto Offiçyo teriã aquy infindos seruiços a fazeer e nom teriam mãos a medir. Ainda mays q. hoje he sabado e sendo terra de iudeos he dia sancto pera elles e ho guardam e tudo estaa cerrado e nã se ue jente mays que ũa pouca en as ruas. E ysto nã sey se he por deuoçam religioza e se estam todos en seus templlos rezando - pois la non entrey - ou se he dessimulaçam e fingen que uan mas pollo contrayro toman estes dias pera folgar como fazen muitos maos christãaos en Portuguall. Ontem descobry ũa tauerna onde me disserã q. estaa aberta hoje e irey laa daquy a poucoo e pensei loguo que taluez fosse de christãaos mas achey milhor nam preguntar.

Algũus doctos dizē q. ha primeyra impressam de hũa terra he a mays valerosa por seer empreuista e nom acordada mas he mester dizer q. por uezes assi nom he como aguora digo q. as jentes nom sam tam sezudas como fuy leuado a creer ab initio pois algũas o sam en contrayro. Ha dyas hũas señoras iudias portuguesas de provecta edade q. me estauã ouuyndo me desseram q. eu parecya hebreo como ellas e q. quasy era assi sē deferença algũa e creiame V.S. q. fiquey temendo per minha sorte quãdo regressar ha conta do Sancto Officio posto que creo foy cortezia e deseio de agrado somēte e nada mays Deos queyra.

He esta terraa mui suspeitosa de guerra e temerosa dos imiguos tudo he vysto assim bagages e alforges quãdo se entra ē todo lado casas e lojas igualmēte e nos preguntã quē somos e querē ueer papeys as uezes posto q. outras nom. Quãdo cheguey estauua tudo cheo de ũas bandeirynhas aluas cõ a estrella de Davi no meo azul q sam as armas desta naçam e me disserom que era por seer dia de celebraçam e hiam as carruagēs todas cõ ellas ao uento. A primeyra impressam q. tiue foy q. esta jente he mui uaidosa e soberba e pouco humilde pois tudo na uniuersidade tē nome de gente casas e partes dellas e jardins - todos mui cuydados e cheos de melros e fllores - posto q. me disserom q. he pera ficarē grauadas suas bēfectoryas q. fizerã e nam se perder seu nome e memoria q. cõcedo he cousa louuavel e pena q. nom se faça en Portugal e os nossos Portuguezes nom liguarē nē prezarē as cousas da Historia e memoria como estes fazen. Gatos ha muytos e por todo llado mas nom sey porque.

A uida aquy he cara como nũca uy e tudo custa os olhos da cãra nam sey se he per a naturall enclinaçam usuraria desta jente se he por outra rezom, quiçã pelas despezas que custã tantos soldados nam sey e nam conseguy aueriguar. E as fructas sam bõas posto que os figos da Índia sam entreuados e as alfaces mui rijas - rijaas como os cornuos das mãais delles, como diria a minha auoo q. Deos tem - e comidas pellas lagartas. E o pam he bom e ũa comida chamada humus mui bõa tambē, posto q. da uolta as tripas as uezes e ha hum sitio que ha seruen bē e nã cara e ha dias nam percebi ho q. me disserã en acabãdo e estando cheo disse q. sim e me trouxerã mays e me uoltaran a encher o prato per cortezia e fiquey de papo pleno quasy em rebētando como hũ nababo.

Não incomodo mays V.S. en V. oraçoēs em comungãdo cõ o Sancto Padre q. he ocasiam propicia he muyto neçessarya per os gramdes desvaryos deste Mundo e nossos pecados q. aquy mais perto da Terra Santa tambem ficarey segũdo minhas pobres abilidades e condiçam. E peçouos apenas q. me ynformeis segũdo V. conueniencya e ē tēpo q. uos aprouuer notiçias dos folguedos q. sey se esperam en breue em Portugal en rezon do Bēfica e de D. Xpo. Sobrãll.

Desta cydade de Thelauiv, 13 de mayo anno dezessete,

de seu fyel seruidor,

PP

chronicas da Terra Sancta -1

Saiba V. S. que cheguey a esta terra Sancta ha tres dyas comforme esperado e q ja me encontro cõ trabalho en pleno, aynda q cõ peq.nos desaguizados como he mester. Esta he terra chea de judeos muytos he quase todos, mouros algũs poucos q uisse e christãos nenhũs nē gentios q nam ui nenhum. He esta jente da naçam hebrea mui atarefada he sezuda, nam primam pela sympatia como nos en Portuguall q sempre estamos prestes en ajudar os q. sam de foora y nam entendē nossa lengua, sam brutos posto que despois ora dam un sorriso; e nysto mays os pretos q a gemte branca como nos. Nam sey se he de sangue se de feytio se do estado de guerra cõ q. uivē cõ os mouros vezinhos se de estarē todos damnados por nam reconheceren nossa verdadeyra Fe quiça por anteceparem as pennas do Inferno mas sobre ysto nam escreverey por ser homē pratico e nam ser theologo. Nam falam nē entendem portuguez nē lyngua de jente christãa, posto que ingrez entemden algũs aynda q. nam muyto, antes fallam ũa algarviada e espreuem en rabiscos sem entendimēto algum de rezão.

Sam mui superstiçyosos en suas cremças, tem todolos quartos en suas portas hũas pequenas caixas de lado enclinadas sem saber pera q. seruem perguntey e me disserã q. he cousa de fee (delles) q daa boa sorte por estar en algũ liuro do Antiguo Testam.to - elles chamã de outraa sorte - e q he bõo e nam se atreuēn a tocar nellas nē aq.lles que fee nom tem. E os homees sam de indumentaria como a nossa e as molheres tambē sem ser as daa fee de Mafoma q. andam de guisa deferemte; he os nouos e os velhos como nos posto que algũs quasi rapados em pello mui curto he outros barbados. Mays nam sey q. nam tiue  tempo, Portugal he aqui terra ignota mas creya V.S. q. muyta satisfaçam tiue en fallar de Portugall e dos portugueses e dos feytos delles en desvayradas partes do Orbe e q. estas gentes de naçam folgaran ouuir e muy interessados e atentos e graças a N.S. nenhũ me fallou de Christiano Ronaldo o que tomey por sinnal do Ceo e de bõ auspicio.

Nam sey mays q. desserã me q. esta he a parte noua e iguall a nossa terra sem deferenças e q. noutras partes sam mays arabicos e ha moda de mouros e podendo irey veer e darey deuida conta a V. S. E tamb.ē yr a Jherusalem logo que puossa dizen que mudou muyto desde os tempos do rey Balduino. 

Desta cydade de Thelauiv, 10 de mayo anno dezessete,

de seu fyel seruidor,

PP

É lá fora

A minha avó não ligava grande coisa aos noticiários internacionais. O mundo era, para ela, uma coisa turbulenta, confusa e distante e o facto de não saber ler nem escrever acentuava o sentimento de distância e de alheamento. "Notícia" era o que se passava em Portugal (e ainda mais o que ocorria na sua localidade, na sua vizinhança e na sua família, naturalmente). Quando via imagens de violência, de um desastre ou de um evento trágico, perguntava de imediato: "é cá ou é lá fora?". Quando sabia que "era lá fora" fazia ar de alívio e saía-lhe um "ah é lá fora".

Ontem fiquei estarrecido ao ver o noticiário da noite (na SIC, salvo erro) e lembrei-me da minha avó. Dezenas de pessoas morreram num ataque com armas químicas na Síria e a reportagem mostrava imagens de caos, gente a ser lavada com jatos de água na rua e a ser levada para o hospital; crianças em choque, jovens deitados em mesas, pessoas com máscaras, em sofrimento, com dificuldade em respirar. Senti um murro no estômago, embaciou-se-me a vista. Mas durou pouco e passou-se à notícia seguinte. É lá fora.

Ontem, hoje de manhã, procuro informações e fico de alma apertada. Capas de jornais, nada, com exceção de um pequeno retângulo no Público, e que fala de Assad. Na notícia online, os comentários são "estratégicos", sobre Assad, os ataques "aliados", o assalto a Mossul, as dúvidas sobre o meio usado no ataque, se há ou não "cratera". Na rádio, fala-se da reunião do Conselho de Segurança. Sobre as vidas e o sofrimento das pessoas, nada. São pessoas com nome e rosto e que vivem na sua localidade, têm vizinhança e famíllia? Provavelmente. Mas é lá fora.

Nós não queremos saber o que sofrem as pessoas lá fora. Queremos é que não tragam sofrimento para cá. Que se deixem lá estar, que nós somos um continente pacífico e não precisamos de importar isto. O sofrimento cá tem sempre nome próprio, rosto, família, passado, afetos e dimensão humana. Lá, são números e efeitos colaterais de um jogo estratégico no qual interessa é perceber se o Daesh está a ser derrotado ou se está a progredir. Se está a recuar, ótimo, temos é que zelar para que não se vinguem e causem sofrimento cá. Mas enquanto andarem entretidos lá entre eles (os "islâmicos" mais "radicalizados" e os outros mais "moderados"), a gente vai mudando de canal em paz.

No dia anterior vi outra peça sobre os horrores da República Centro-Africana. Uma portuguesa (presumo que de uma ONG) dizia que "nem nos apercebemos da sorte em que temos em viver num país seguro, na Europa". Momentaneamente, a RCA passou a ser "cá". Porquê? Porque está lá um contingente português, em missão de paz. Se algum dos soldados morrer, terá um nome, um rosto, uma família, um luto e uma homenagem. O resto, não. É lá fora.

leituras do dia

Injustiças, humanismo empírico e ironias ácidas, na Goa do século XVII:
"“(…) nunca nesta teia de aranha se prendem senão os mosquitos; porque o baneane [mercador hindu] que urinou de cócoras é logo condenado, o gentio que pelejou com outro e lhe disse uma ruindade é logo metido em ferros. E o compadre e o rico, que quebraram os bofes a esse gentio e lhe tomaram sua fazenda por força e o tiveram preso em casa, dizem-lhe coisa leve, pode-o fazer, que tem licença para tudo. O mouro, que no seu moçafo [Alcorão] jurou falso, que seja preso e que pague para as obras da justiça. E o compadre, ou quem lhe fez empréstimo, que perjurou no Juízo dos Santos Evangelhos, que não pague uma tanga do que devia a quem o demandou. O feito do mouro nakodah, ou capitão da sua nau, que está para ir para Ormuz, e que porventura não tem justiça contra o mercador sobre os fretes ou outros contratos que entre eles há, com duas alcatifas que lhe dá, com lhe levar alguma fazenda forra de fretes, assim lhe sobeja a justiça pelos telhados”

o Carrascão-Party

quinas.pngAí há uns 20 anos, numa vetusta instituição, ouvi um igualmente vetusto senhor comentar o que se passava em Timor-Leste. Dizia ele que, ao contrário do que afirmavam os comunistas da FRETILIN, os timorenses não queriam a independência; queriam era voltar a ser portugueses. Nem sei como é que ninguém se lembrou de tal evidência no referendo que teve lugar pouco depois. Só agora percebi que só pode ter sido por isso que aquilo correu tão mal.

As apreciações sobre o passado ultramarino de Portugal têm conhecido uma evolução interessante: há historiadores que, vai não volta, se interrogam se, e em que medida, foram os portugueses diferentes dos outros europeus em África, na América e na Ásia; a outros interessava saber, sobretudo, se foram melhores ou piores. Tudo isso está ultrapassado, agora  a dúvida é: "quão melhores fomos? 1. muito, 2. mesmo muito ou 3. arrebatadoramente, os galos da capoeira global". Quem escolheu 3. tem à sua disposição a "Nova Portugalidade", que está a fazer furor. Sobretudo entre os seus adeptos, embora não se conheça mais do que um, um jovem das Caldas que escreve por aí uns caldos de insigne transcendência como "Mais que um idioma, a Portugalidade é terra e gente, cultura e sentimento, passado e futuro. Queremos reerguer o mundo de fala portuguesa". Tem ideologia? tem, se bem que um pouco confusa: "Portugal [está] mais próximo histórica, cultural e sentimentalmente de Timor que de Budapeste". Muito curioso para quem, aquando dos atentados em Munique, escreveu que "por sorte, há um homem [Orbán] que se distingue do escorralho [Merkel, Renzi, Hollande]". Ora, Orbán vive em Budapeste. Noutro texto, diz: "passo a passo, documento a documento, Trump vai tornando o mundo mais limpo. Só podem agradecer-lhe os patriotas de todas as longitudes." Logo, a ordem de proximidades é: Díli, Budapeste, Washington, e só depois Paris, Roma ou Berlim. Embora Orbán e Trump, como todos sabemos, sejam típicos homens de comunhão e de afetos, e esses superam todas as distâncias.

É de comunhão e de afetos que falamos, sobretudo, nós, os "portugueses". A Portugalidade é a "grande família humana gerada e cimentada por séculos de convivência", formada pelos "povos do mundo português" e pelos "países de civilização portuguesa - aqueles que connosco se encontraram ao longo da História". É, portanto, tudo português, a "nação policromada, diversa mas coesa, que se dilatou pelo globo". Nada de colonialismo, nem racismo, nem PNR, nem saudosismo. Credo. Nada disso. Isso era coisa da Velha Portugalidade (da qual só resta, ao que parece, a devoção a Salazar). Esta é a Nova ou, como diz o seu mentor, "rejuvenescida".

Opá.

Para "Nova", precisam de umas novidades. Libertem-se, bolas. Organizem-se. "Portugalidade" é coisa velha. Novas abordagens, novas perspetivas. Sabem o que é o Tea Party? É isso, não é? Um movimento informal, não enfeudado aos políticos. O problema é que é coisa de colonialistas e colonizados, impostos sobre chá e tudo borda fora que lá vai disto, e movimentos políticos de direita. Tudo estranho à Portugalidade, que é exatamente oposta e não é de esquerda nem de direita (como afirma o próprio mentor), logo, há que aproveitar o élan mas à nossa moda: não um party-partido, mas sim uma party-festa, vale? E nada de chá, que bebida portuguesa há de ser? Viram o Kagemusha? a parte em que Oda Nobunaga e Tokugawa Ieyasu bebem vinho dos "Bárbaros do sul" (uns snobes, estes japos) e este cospe? era carrascão, pois então. Carrascão histórico no Japão do século XVI, haverá melhor mote? E depois, bolas, um movimento de promoção de afetos familiares tem um logo tão tosco e frio, com um "1" a lembrar o Canal 1 da RTP de outros tempos? É animar as hostes com smileys e coisas fofas, caramba. Deixo aqui o meu humilde contributo para um verdadeiro logo representantivo e unificador. Hino não tenho, mas penso que a sugestão abaixo servirá provisoriamente. Servirá, pelo menos, para matar saudades.

Há pouco vi, no Facebook, chamarem-lhes de "molho de queques aparvalhados". Eu prefiro, ainda assim, pensar que é gente que ficou com aquela letra do "Inventor" dos Heróis do Mar em loop na cabeça: "é muito provável que a riqueza do mundo esteja em Portugal"; ou, em alternativa, que são todos discípulos do tal senhor vetusto que há 20 anos me dizia que os timorenses não queriam ser independentes.

em defesa de Trump

Quem diria. Uma das características dos tempos interessantes que vivemos é a forma como nos obriga a refletir e a confrontar as nossas próprias convicções. Para os cínicos, é uma idade de ouro, para os humoristas, uma era de oportunidades infinitas. Para quem apenas se interessa e preocupa com o que vai pelo mundo, bom, há uma desconfortável sensação de ironia, simultaneamente cómica e dolorosa, que envolve as crescentes contradições a que vamos assistindo. Mas desenganemo-nos, há muito poucas razões para rir. Ou não, talvez, quem sabe.

Vemos o PSD a votar ao lado da "extrema-esquerda" e contra o que apregoou durante anos a fio? Sim. Devemos ficar admirados? Ora, ora, já tínhamos visto semelhante sintonia em assuntos mais sérios, quando dinheiro e ideologia ficam alinhados, como nas conjunções astrais: quando vem à baila Angola, por exemplo. 

Não, não venho escrever sobre TSU nem sobre Luaty Beirão. Venho falar de Trump. Trump, aquele escarro da república que toda a gente rejeita e que ninguém sabe nem entende como foi eleito. Mas foi. E agora, todos nós, que estamos ainda em choque, horrorizados com o que vem aí e com o inominável e vergonhoso grau de baixeza de quem vai ocupar o trono da pátria da democracia, odiamos tudo o que é Trump e aplaudimos tudo o que é contra Trump. Um dos efeitos perversos do fenómeno é a forma como o que sempre rejeitamos e denunciamos como inaceitável passará a merecer admiração, elogio e aceitação. Desde que seja anti-Trump. Uma espécie de mal menor.

Ontem, o presidente da China falou em Davos e muitos, tantos, cá, lá e por todo o mundo, aplaudiram e manifestaram admiração pela sensatez, diplomacia, clareza e inteligência do seu discurso. Haja quem defenda a globalização, o livre comércio, a normalidade dos negócios mundiais, o crescimento económico, haja quem rejeite o protecionismo do bronco americano, haja quem diga banalidades sensatas e combine "the wisdom of the East and the science of the West", como dizia a publicidade dos filmes do Charlie Chan, nos anos 30. Mesmo que seja o líder de um regime despótico, totalitário e repressivo, onde a exploração laboral é comum, onde a aplicação da pena de morte bate recordes e onde a justiça paira ao sabor dos caprichos das lutas internas; o líder de um regime de partido único, não eleito, não sufragado, não escrutinado por uma opinião pública informada, uma imprensa livre, uma tradição cívica enraizada. "The worst of the East and the West", diria eu. Xi Jinping não foi eleito. Trump foi. Xi Jinping nunca estará sujeito a instrumentos de controle democrático, de supervisão de governo, de um estado de Direito. Trump estará. Xi Jinping nunca será derrubado por vontade popular. Trump poderá sê-lo. Portanto, e desculpem-me a franqueza, Xi Jinping que vá para o inferno, ele mais os hipócratas que só olham para os direitos humanos quando não riscam a bíblia comunista ou quando não ferem os ouvidos dos "mercados". Ou quando, cumulativamente, se opõem a Trump. Portanto, na sexta feira estarei em crise: não há forma de aplaudir a coroação daquele homem, a vitória de tudo o que ele representa e os danos que causará. Mas prefiro mil Trumps a um Xi Jinping.

Das Obras Valerosas

A história foi contada pelo próprio, há umas semanas. Estava tudo preparado, contactos diplomáticos, viagem, roteiro, encontros. Do outro lado havia abertura e vontade de quebrar formalmente o gelo, já rançoso e anacrónico mas ainda pendente. Estava, de facto, na hora. Tudo foi discretamente preparado e lá partiu, em viagem exploratória, de cujo sucesso iriam depender os passos mais largos a tomar no futuro. Foi calorosamente recebido pelo homólogo, que o acompanhou num périplo pelo país. A viagem deveria culminar numa jornada final a uma região específica, foco de tensões e hostilidades passadas, assinalando a reconciliação e abrindo caminho a encontros a um nível mais elevado. Antes disso, porém, estava agendado um encontro, o  grande encontro, o sinal inequívoco da boa vontade e a confirmação política de que o passado era passado e que era preciso olhar para o futuro. Algo, porém, aconteceu no dia anterior. Subitamente, a meio do jantar, começou a ouvir um zumzum estranho, um tom inesperado que indicava que algo de estranho se passava. Não conhecendo a língua, não percebia o que era dito. O ruído aumentou de intensidade, até que alguém teve a gentileza de lhe traduzir e explicar o ocorrido: sim, algo não estava bem; estava até muito mal. A pessoa com quem deveria encontrar-se no dia seguinte, a tal, tinha sido vítima de um ataque e estava em perigo de vida. Pouco depois, e no meio de uma já evidente agitação entre os convivas, chegava a confirmação: o ataque fora fatal. Portanto, o plano diplomático estava irremediavelmente perdido, não havia condições para prosseguir a visita ou realizar a jornada final acordada. Assistiu às exéquias e regressou a Portugal.

A pessoa em causa chama-se António Coimbra Martins e é o maior especialista da vida e obra do cronista quinhentista Diogo do Couto. A história, contou-a na sessão de abertura de um colóquio que teve lugar na Torre do Tombo, em dezembro. Teve o cuidado de descrever diversos pormenores do episódio e de revelar que era a primeira vez que o fazia publicamente. Éramos poucos a ouvi-lo, entre participantes e interessados no assunto que ali nos juntou. Em 1984, Coimbra Martins era o ministro da Cultura do IX Governo Constitucional; ironicamente, liderado por Mário Soares. O país é a Índia, o destino da jornada final era Goa e a pessoa que concordou em recebê-lo previamente, assinalando o degelo definitivo entre os dois países, era Indira Gandhi. Indira Gandhi, a líder do Partido do Congresso e então chefe de governo que foi assassinada a 31 de outubro desse ano por dois guarda-costas. Nunca imaginei que o ministro da Cultura de Portugal estivesse, nesse mesmo dia, a aguardar audiência e a preparar a plena normalização das relações diplomáticas entre Portugal e a Índia, cortadas durante quase duas décadas e com uma guerra pelo meio; e que o processo tivesse sido interrompido e atrasado desta forma abrupta. Fiquei a saber de viva voz há dias. Espero ter transmitido o exato tom com que o autor a reportou.

Mário Soares, o chefe do governo então em funções, visitou a Índia no ano seguinte e a normalização das relações diplomáticas foi alcançada. Três décadas mais tarde, o primeiro ministro português faz nova visita à Índia, desta vez com um objetivo adicional: visitar Goa, a primeira vez por parte de um chefe do governo de Portugal. Não será muito exagerado dizer-se que só agora, passado tanto tempo, se podem considerar saradas as feridas de uma relação atribulada de mais de cinco séculos. Ironicamente, este desfecho esteve ameaçado, uma vez mais, pela interferência de uma morte; desta vez, do lado de cá, e precisamente do homem que esteve por trás do processo de aproximação, há três décadas. Muita gente se indignou, por ignorância, despeito e/ou estreiteza política, com a recusa do primeiro-ministro em interromper a visita para comparecer ao seu funeral. Alguma imprensa fez chacota indecente com as raízes familiares do chefe de governo; cheguei a ouvir, num canal de televisão, "quantos turbantes são necessários para se fechar um bom negócio?", sinal inequívoco - embora não inesperado, infelizmente - de estreiteza de vistas, ignorância e preconceito, a vários níveis.

Coimbra Martins foi um dos elementos fundadores do PS, em 1973. Ignoro se esteve nas exéquias de Soares ou se compareceu no Largo do Rato à passagem do féretro. A sua idade avançada, possivelmente, não o terá aconselhado. Mas penso que terá ficado satisfeito com a decisão de António Costa. Por compreender em pleno as funções de estado, por entender a importância da missão e, finalmente, por pensar que a sua viagem de 1984 foi finalmente completada. A morte interpôs-se uma, duas vezes, mas agora sem sucesso. E por considerar, certamente, que a decisão teria agradado ao seu antigo companheiro e líder. Não é Soares, afinal, um daqueles que "por obras valerosas se vão da lei da morte libertando"?

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

blogs

media