Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O abalozinho, últimas notícias

Uma crise como a actual não tem uma única causa, tem muitas.

Para percebermos o que poderá acontecer daqui para a frente, porém, basta olhar para os actuais desequilíbrios financeiros internacionais. Nos últimos anos, um pequeno grupo de países (China, Japão e Alemanha) acumulou poupanças colossais, as quais financiaram níveis igualmente enormes de despesa em muitos outros países.

É hoje claro que este desequilíbrio não pode persistir porque os consumidores e as empresas que se endividaram entendem que a situação atingiu os limites. Por isso, estamos a assistir a um rapidíssimo aumento da poupança na generalidade dos países devedores, com reflexos imediatos na queda das suas importações.
 

A longo prazo isto é indubitavelmente bom. Porém, se a procura cair a pique nos EUA e num bom número de países da UE, o Mundo poderá mergulhar numa recessão profunda e duradoura, geradora de desemprego e miséria numa escala a que já não estamos habituados.

A melhor forma de o evitar seria a China, o Japão e a Alemanha reduzirem a poupança e o seu excedente comercial. A China e o Japão parecem estar a fazer isso mesmo, embora com relutância. Surpreendementemente, a Alemanha, cuja política económica tem repercussões mais directas sobre a conjuntura europeia em geral, e portuguesa em particular, recusa-se a cooperar.

Em vez de, como seria racional, expandir a procura interna, o governo alemão pretende sair da crise pela via do crescimento das exportações. Pior ainda, comprometeu-se com a aprovação de uma regra constitucional que proibe a existência de défices orçamentais, o que equivale a fechar o cofre e deitar fora a chave.

Angela Merkel esquece-se que, para vender Mercedes, é preciso que alguém compre Mercedes. A Alemanha optou por uma via neo-mercantilista que faz do excedente comercial um valor absoluto, independentemente de quaisquer outras circunstâncias. O resultado será desastroso para a Alemanha e para a União Europeia.

Não tardará muito até tornar-se evidente como é absurda a descoordenação da política económica europeia que se instalou.

Tudo indica que, graças à clarividência de Barroso e seus amigos, podemos contar com um recessão profunda e prolongada.



 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media