Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Gostava mesmo que me explicassem

o que é um documento exclusivamente técnico. Que eu saiba, qualquer dos manifestos pressupõe uma interpretação da nossa situação, das suas "causas" e dos desafios que enfrentamos no futuro. Mas nada disto é "científico" ou "objectivo", isto é, a informação que está na base dos dois manifestos é necessariamente mediada por interpretações valorativas, logo políticas. Eu sei que há quem goste de achar que pessoas na posse da mesma informação chegam necessariamente às mesma conclusões. Isto é, digamos, o ideal de qualquer ciência.  Mas o problema é que, neste caso, não existe informação imediata, não interpretada, o que limita este tipo de pretensões. Um exemplo: a ideia de que, face à incerteza e risco futuro, o melhor é o estado abster-se de fazer grandes obras públicas, depende de alguns presupostos, como o de que não devemos por os ovos todos no mesmo saco - o melhor é diversificar (leia-se: baixar impostos para aumentar o rendimento disponível dos privados). Diversificar parece ser uma estratéga prudente. Até pode ser, em geral; mas sê-lo-à sempre, sobretudo num contexto em que as empresas privadas estão a reduzir investimento e onde acções individuais descentralizadas parecem ser contrários ao interesse geral? A ideia de que só as empresas que criam riqueza e emprego não é uma verdade ahistórica, não é uma lei universal - para além de ser uma ideia historicamente falsa, também há contextos em que é muito pouco provável que tal acontecer. No contexto actual, tudo parece apontar para que o "combate à crise" (conceito que não é do meu agrado) seja um "bem público", o que confere ao Estado um papel fundamental na dinamização da economia. Mais: esta crise parece exigir que se recupera um conceito que se julgava ultrapassado e que os liberais abominam: um estado empreendedor. Não é que o estado vá produzir isto ou aquilo; falo apenas da possibilidade - e da necessidade - de o estado ser o único com capacidade para criar novos contextos e novos mercados que podem beneficiar os privados - e o país - a médio longo prazo. Aqui não há certezas científicas; há opções e leituras políticas. Era bom que fossem assumidas claramente. Por todos.

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media