Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Gostava mesmo que me explicassem

o que é um documento exclusivamente técnico. Que eu saiba, qualquer dos manifestos pressupõe uma interpretação da nossa situação, das suas "causas" e dos desafios que enfrentamos no futuro. Mas nada disto é "científico" ou "objectivo", isto é, a informação que está na base dos dois manifestos é necessariamente mediada por interpretações valorativas, logo políticas. Eu sei que há quem goste de achar que pessoas na posse da mesma informação chegam necessariamente às mesma conclusões. Isto é, digamos, o ideal de qualquer ciência.  Mas o problema é que, neste caso, não existe informação imediata, não interpretada, o que limita este tipo de pretensões. Um exemplo: a ideia de que, face à incerteza e risco futuro, o melhor é o estado abster-se de fazer grandes obras públicas, depende de alguns presupostos, como o de que não devemos por os ovos todos no mesmo saco - o melhor é diversificar (leia-se: baixar impostos para aumentar o rendimento disponível dos privados). Diversificar parece ser uma estratéga prudente. Até pode ser, em geral; mas sê-lo-à sempre, sobretudo num contexto em que as empresas privadas estão a reduzir investimento e onde acções individuais descentralizadas parecem ser contrários ao interesse geral? A ideia de que só as empresas que criam riqueza e emprego não é uma verdade ahistórica, não é uma lei universal - para além de ser uma ideia historicamente falsa, também há contextos em que é muito pouco provável que tal acontecer. No contexto actual, tudo parece apontar para que o "combate à crise" (conceito que não é do meu agrado) seja um "bem público", o que confere ao Estado um papel fundamental na dinamização da economia. Mais: esta crise parece exigir que se recupera um conceito que se julgava ultrapassado e que os liberais abominam: um estado empreendedor. Não é que o estado vá produzir isto ou aquilo; falo apenas da possibilidade - e da necessidade - de o estado ser o único com capacidade para criar novos contextos e novos mercados que podem beneficiar os privados - e o país - a médio longo prazo. Aqui não há certezas científicas; há opções e leituras políticas. Era bom que fossem assumidas claramente. Por todos.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media