Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

A defesa de um estado empreendedor

A ideia de um estado empreendedor não se esgota na alocação de recursos públicos para grandes obras públicas. Por detrás de um projecto como o novo aeroporto ou como o TGV está uma visão para o futuro de Portugal. E é o futuro que interessa discutir.

A forma como vemos um país e a sua capacidade produtiva não acaba nas limitações e constrangimentos da nossa realidade. É possível, diria mesmo obrigatório, percebermos o país a médio e longo prazo. Como poderemos preparar Portugal? O que é que o Estado pode fazer pelas próximas gerações?

Esta crise  obriga o Estado a um papel de maior intervenção, enquanto a poupança privada sobe, exigem-se maiores consumos (investimento) públicos, e é razoável que o Estado co-participe em investimentos que, pela sua dimensão, só sejam possíveis com o envolvimento do Estado. No entanto, o futuro não é só o TGV, nem a plataforma logística de Sines, nem o novo aeroporto, nem a auto-estrada para Bragança. É possível começar a preparar Portugal com medidas que não envolvem muitos recursos, apenas compromisso, visão e liderança.

Espanha foi um dos países pioneiros na energia eólica. Muitos acharam louca a aposta nas energias renováveis, especialmente vento, como parte fundamental do sistema de geração de energia. No entanto, com esta medida, e em boa parte por se ter antecipado a uma tendência que parece hoje inevitável, criou condições para empresas Espanholas apostarem no desenvolvimento desta tecnologia. Hoje, uma das maiores produtoras de motores de energia eólica é Espanhola. Os EUA, que chegaram tarde a esta festa, dependem, em parte, da capacidade de uma empresa Espanhola para concretizarem a sua aposta em energias renováveis. Nos EUA o tema foi discutido durante anos, com os lobbies das diferentes tecnologias e a oposição dos Republicanos a conseguirem protelar a decisão. Quem ganhou foram os Espanhois. Quem fez a aposta, o Estado Espanhol.

Tudo isto para falar de carros eléctricos. Muitos dizem que esta tecnologia é experimental e que implicará consumos excessivos de energia ao qual hoje não podemos responder. Não sendo um entendido, apenas um curioso, vejo neste tipo de argumentos a capacidade para um país como Portugal se antecipar e, com essa antecipação, assegurar uma participação na construção e desenvolvimento dessa alternativa. A visão de um país com consumos mínimos de combustíveis fósseis, teria um impacto significativo na grande maioria dos indicadores de contabilidade nacional com que o grupo dos 28 tanto se assusta, e a vantagem de propor uma alternativa de crescimento à economia Portuguesa.   

 

(publicado também aqui)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media