Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Sei o que fizeste no governo passado(TM*): negócio Citigroup

Ferreira Leite diz que não podemos onerar as gerações futuras...agora. Recordemos o belíssimo legado resultante do negócio da então ministra das finanças com o Citigroup. Para reduzir o défice, MFL limitou-se essencialmente a pedir um empréstimo ao banco, usando dívidas ao Estado como garantia do dinheiro recebido. Atenção: não vendeu, não alienou, não trocou cobranças futuras com risco por dinheiro certo — limitou-se a diferir despesas e a pagar por isso; e o Citigroup fez uma excelente operação sem risco. Extraordinário negócio...para o Citigroup. A coisa foi mais ou menos assim: como o Estado precisava desesperadamente de dinheiro, MFL —sempre astuta — dá 11 mil milhões de dívidas em troco de uns dinheirinhos que lhe permitiram mascarar a défice a curto prazo.  Mas como não vendeu, a responsabilidade pelas cobranças não ficou do lado do citigroup. Não. Quem cobra é o Estado, que tem de compensar as perdas eventuais do Citigroup. E como é que financia esta responsabilidade sem aumentar o endividamento? Aumentando a eficiência fiscal (coisa que os apoiantes de Ferreira Leite tendem a classificar como políticas predatórias e que atentam contra a liberdade do contribuinte), aumentando impostos (coisa que os apoiantes de Ferreira Leite não aceitam), vendendo património (coisa que eu desconheço se os apoiantes de Ferreira Leite apoiam) ou, finalmente, defendendo políticas de crescimento económico (coisa que os apoiantes de Ferreira Leite ainda esperam que esta lhes apresente). Independentemente da solução, uma coisa é certa: Ferreira Leite diferiu responsabilidades financeiras e onerou brutalmente o futuro de todos os portugueses. Dir-me-ão: todos os políticos têm feito este tipo de truques. É verdade. Mas este truque saiu caro, muito caro.

 

 

(nota: post editado)

 

*tm: Carlos Santos

5 comentários

  • Sem imagem de perfil

    ??? 30.06.2009

    Suponho que uma parte das dívidas foi substituida por dívidas novas por serem incobráveis. Suponho que também sabe que esse prazo de substituição acabou. Suponho que também sabe que dívida não cobrada tem de ser paga pelo Estado. Suponho que sabe que na altura o negócio era tão bom que nem o mostraram aos deputados durante meses alegando que estavam a traduzir o contrato.
    Suponho que o Morgadinho sabe tudo isso.
  • Sem imagem de perfil

    Morgadinho 30.06.2009

    Suponho que o ou a ??? sabe a diferença entre incobrável (risco de quem comprou as dívidas) e inexistente (créditos que não existiram nunca e foram vendidos).

    Suponho que o ou a ??? sabe que não há razão para substituir créditos que se entendam que são existentes.

    E também suponho que o ou a ??? sabe que a dívida que exista e não for cobrada por devedor a não pagar não tem de ser resposta porque esse é o risco de quem comprou obrigações.

    Finalmente, suponho que o ou a ??? ainda não percebeu a diferença entre incobrável e inexistente e por isso erra sobre as suas apreciações.

    Sobre os deputados e acesso aos documentos nada sei.
    Só sei o que é público sobre a transacção e poder ser lido nos respectivos Prospectos.
  • Sem imagem de perfil

    ??? 30.06.2009

    "Suponho que o ou a ??? sabe que não há razão para substituir créditos que se entendam que são existentes.

    E também suponho que o ou a ??? sabe que a dívida que exista e não for cobrada por devedor a não pagar não tem de ser resposta porque esse é o risco de quem comprou obrigações."

    Suponho que o Morgadinho não seguiu a minha recomendação de aceder ao link que coloquei, mas eu facilito-lhe o trabalho:

    "disse o juiz conselheiro do Tribunal de Contas (TC), Freitas Pereira, no Parlamento,
    (...)
    Em declarações à Lusa, o juiz afirmou que a recompra significa que o «Estado terá de pagar ao Citigroup o que o Citigroup pagou pelos créditos» considerados incobráveis após 2007, «a não ser que tenha existido alguma modificação contratual», que permita ao Citigroup aceitar esses créditos"

    Claro que eu não me atrevo a desmentir um juiz conselheiro do Tribunal de Contas nem começo a divagar pela diferença entre incobrável e inexistente que, para o Estado, significa a mesma coisa-dinheiro com que contava e não recebeu.
  • Sem imagem de perfil

    Morgadinho 01.07.2009

    Se o TContas traduz por incobrável uma dívida inexistente, começo por achar que afinal a tal tradução foi mesmo mal feita e enganou os respeitáveis Juizes Conselheiros (lost in translation?)... pode constatar por si próprio que o Prospecto (disponível em http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/fsd7419.pdf ) é claro no sentido que a incobrabilidade (isto é a falta de pagamento pelos devedores da suas dívidas fiscais) é claramente um risco de quem comprou as obrigações.

    Para também não perder tempo, cito a passagem de alerta aos investidores (em inglês, a língua em que leu certamente quem assumiu os riscos):

    Payment by Debtors in respect of Claims
    The ability of the Issuer to meet its payment obligations under the Notes depends almost entirely
    on the full and timely payments by the Debtors of the amounts to be paid by such Debtors under
    the Claims. The Sellers have not made any representations nor given any warranties nor have they
    assumed any liability in respect of the ability of the Debtors to make the payments due under the
    Claims. All Debtors are in arrears in making payment. General economic conditions and other
    factors may have an adverse impact on the ability or willingness of Debtors to meet their payment
    obligations under the Claims. Unexpected loss of earnings, illness, divorce and other similar factors
    in relation to the Debtors may lead to an increase in delinquencies and bankruptcy filings by
    Debtors, which may lead to an increased inability or willingness by such Debtors to make payments
    in respect of their Claims and this could accordingly, reduce the Issuer’s ability to service payments
    on the Notes.
    Even when the amount of a Claim is acknowledged by the relevant Debtor or agreed between the
    relevant Seller and the relevant Debtor or a decision has been made by the relevant authority
    confirming the existence of a valid Claim against such Debtor, it is possible that no payment is
    received as a consequence of the Debtor’s failure to pay and/or the non existence of assets owned
    by the relevant Debtor against which the relevant Seller may effect a claim.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Arquivo

    Isabel Moreira

    Ana Vidigal
    Irene Pimentel
    Miguel Vale de Almeida

    Rogério da Costa Pereira

    Rui Herbon


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Comentários recentes

    • Fazem me rir

      So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

    • Anónimo

      Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

    • Anónimo

      Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

    • Anónimo

      "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

    • Anónimo

      apos moderaçao do meu comentario reitero

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D

    Links

    blogs

    media