Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Pina (Philippine) Bausch, 1940-2009

Há 1 ano, empoleirada num banco alto do São Luiz, vi pela primeira vez Pina Bausch dançar. Achava que sabia tudo o que havia para saber sobre o Café Müller, coreografia de 1978 que ela por uma vez interpretava –   bailarina extraordinária, aluna mítica da Julliard, solista do Folkwang Ballet, Pina deixou de dançar em palco quando se tornou coreógrafa e directora do Tanztheater Wuppertal em 1973, dizia que não tinha tempo – , desde a resolução de convidar os bailarinos mais chegados para entrarem nela, à exigência deles de que ela dançasse também, à decisão de o continuar a fazer  mesmo depois de Rolf Borzik, cenógrafo com quem dividiu trabalho e vida e que também entrava em palco, morrer em 1980 (desde que Dominique Mercy, um dos bailarinos que a acompanha desde os anos 70, continuasse em palco também). Sabia da importância histórica desta peça na dança contemporânea (com as outras coreografias que criou nessa altura, mas muito com Café Müller, Bausch marcou um antes e um depois no que entendemos por dança hoje e para sempre. Houve que inventar uma nova classificação para  conseguir dar nome ao que ela fazia, ficou teatro-dança para esse trabalho que  continua e leva longe o tanztheater alemão, cruzando todas as artes), do furor que fez em Berlim e depois no mundo. Tinha visto registos artesanais (Pina não queria a peça filmada, há pouquissímas gravações) e a homenagem  de Almodovar em Fala com Ela, sabia do Purcell na banda sonora. Mas nada do que eu sabia ou julgava saber me tinha preparado para aquilo. Chorei do principio ao fim e saí de lá com a absoluta certeza de ter experimentado uma coisa extraordinária, comum, rara e universal.

Dizia ela (numa bela e rara entrevista a Vanessa Rato, no Público, há 1 ano) - “É difícil falar de certas coisas. Como é que se pode falar deste desamparo que temos no mundo? O que é que fazemos com isso? Carregamos isso, esses sentimentos tão presentes. E há uma grande necessidade de gastar emoções. Não é só felicidade. É também o oposto disso. (…) Eu também não sei. Há mais perguntas que respostas. Há muitas perguntas.”

 

Pina Bausch andava à procura de tudo aquilo por que passamos  todos os dias. Dizia  que se deixava guiar pelas coisas, diga-se sensações, e ia atrás delas (e dos seus bailarinos) para lhes arrancar uma qualquer verdade escondida que nenhum deles nem ela conheciam. Um dia perguntei-lhe (ela odiava entrevistas e o mais que se conseguia arrancar-lhe em presença eram mini-conferências de imprensa em que era sempre delicada e suave, quase tímida, e com um imenso sentido de humor) como escolhia os seus bailarinos e respondeu-me que o que a interessava não era a técnica de um bailarino mas sim o ser no mundo. A arte total do aqui e agora, como lhe chamaram alguns especialistas, precisava de individuos comprometidos, como ela, com a experiência da vida. Há muitos na Tanztheater Wuppertal, velhos e novos, altos e baixos, de todas as raças e nacionalidades e certamente credos.
Café Muller foi a última peça que vi dela. Houve outras, de umas gostei mais de outras menos, mas em todas encontrei momentos absolutamente comovedores, esclarecedores, luminosos, assustadores. As peças, longas, densas,  divertidas, trágicas, andam sempre à volta dos encontros e encontrões entre individuos, homens e mulheres, uns com os outros e consigo mesmos. Houve algumas que vi também através dos olhos de outros, como Masurca Fogo, cuja criação Fernando Lopes filmou em Lissabon Wuppertal Lisboa, com Pina sempre de costas - a Imperatriz de cigarro na mão, a interrogar os seus bailarinos  sob a luz de Lisboa, com Amália em fundo a cantar os versos de O’Neill. Vi-as de trás para a frente e graças a pessoas como Madalena Perdigão, António Mega Ferreira, Jorge Salavisa, Mark Deputter. Há-de haver mais, mas estes são os que eu sei que, furiosamente, quiseram e conseguiram trazer o mundo de Pina Bausch a Portugal. E Vasco Santos, da Fenda, editou em português Falem-me de Amor, que junta as comunicações de um colóquio dedicado a Bausch em 1992 e uma entrevista com ela. É também por causa deles que Pina Bausch vai viver para sempre.
Mas para já é o desamparo. (apesar de a Grande Homónima em boa hora ter feito o link, fica aqui outra vez  Café Muller).

 

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media