Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

caras e corações

Quase todas as semanas se lê uma entrevista ou um texto de opinião em que uma qualquer individualidade (bela expressão esta, que faz do carácter individual uma qualidade) se insurge contra blogues, Twitter e Facebook e o que mais haja de “redes sociais” na net. Um dia é Saramago a afiançar que “se escreve muito mal nos blogues” (isto vindo de alguém que até tem um blogue) e que “cada vez se escreve mais e pior”; noutro é Miguel Sousa Tavares a certificar que “odeia”o  Twitter e o Facebook e que são formas de as pessoas “arranjarem namorados” e de “terem a ilusão de terem muitos amigos sem saírem da frente do computador” (cito de memória).

 

A aversão que alguns afirmam pela net e pelo que nela se passa, nomeadamente no domínio da escrita e da interacção, não cessa de me acrescentar perplexidade.

 

Num debate em 2006 na Casa Fernando Pessoa, Eduardo Prado Coelho afirmava não ler blogues e não gostar. Na assistência o dito debate, havia quem chegasse ao ponto de comparar blogues com jogos de computador, para concluir, contra os blogues, que “a escrita exige tempo e reflexão, não pode ser instantânea”. Esta ideia de que, por uma qualquer alquimia tecnológica, o fenómeno de juntar letras com ideias e construir frases no processador de texto para publicar na net daí a minutos é radicalmente diverso daquele em que se escreve no mesmo processador para jornais, revistas ou livros (cujo tempo de publicação não depende do autor) é extraordinária. Tanto mais que lhe subjaz a ideia, expressa por Saramago, de que escrever em blogues equivale de um modo geral a escrever mal, e de que, como insinua Sousa Tavares, as pessoas que escrevem nos blogues ou interagem no Twitter e no Facebook estão desesperadas de solidão e de vontade de dialogar com desconhecidos e de se fazerem interessantes.

 

Ora bem: quem é que visa publicar o que escreve, seja sob que forma for, sem que isso não implique vontade de dialogar, de partilhar e de se fazer interessante? Que leva Sousa Tavares a discorrer “em público” sobre a sua vida e experiências senão a ilusão de que isso interessa a alguém e, por decorrência, que ele próprio é interessante? Quando dá uma entrevista ou opina nos jornais e na TV, não está a assumir que acha que o que tem para dizer, seja sobre o governo seja sobre o Twitter, é relevante para os outros? Não está a desejar e a invocar uma audiência de desconhecidos? Que diferença existe entre isso e escrever num blogue ou no Twitter, a não ser o facto de que quem o faz por regra não tem outras contrapartidas que não o gozo e, eventualmente, as vantagens – ou desvantagens – que advêm de uma exposição mais ou menos pública? De facto, em abstracto, se diferença existe entre uma coisa e outra é o facto de quem fala no twitter, no facebook ou nos blogues o fazer por simples e pura vontade de comunicar – e isso é de facto uma novidade que além do mais recupera as clássica fórmulas “epistolar” e “diarística” .

 

Mas escreve-se mal na net, diz Saramago. Escreve-se pior na net que nos jornais e na miríade de livros que se publicam todos dias? A grande diferença é que no caso da net e dos blogues o acesso é irrestrito e grátis, quer para quem escreve quer para quem lê, e consequentemente há “mais escrita”. Desde quando mais escrita é uma desvantagem? É normal que a ideia da democratização e universalização comunicacional introduzida pela net assuste quem se formou num modelo unívoco e restritivo, mais ou menos ditatorial, de comunicação escrita. É normal rejeitar aquilo que não se domina ou se estranha – e que por esse motivo nos desorienta. Mas decretar opróbrios com base nisso ou alegar um qualquer certificado de autoridade ou até de “naturalidade” comunicacional (como se houvesse formas de comunicação e sedução mais genuínas que outras) é capaz de ser patético. Cada um expõe-se -- ou põe a cara -- no que entende e pode: na TV, nos jornais e revistas, nos blogues ou num sítio adequadamente chamado “livro de caras”. Do coração depende o resto. (publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine algures este verão, e repescado por causa disto)

 


 

30 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media