Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Re:

O Nuno Ramos de Almeida ficou escandalizado por eu ter dito que a luta de classes e as nacionalizações não servem os interesses da esquerda. Não sei se o Nuno sabe, mas o conceito de luta de classes pressupõe a validade de um conjunto de conceitos e afirmações — relação de expropriação entre capital e trabalho, taxa decrescente do lucro, empobrecimento do proletariado, etc. — e culmina necessariamente na revolução e na abolição da propriedade privada, isto é, pressupõe que o materialismo dialéctico, apesar da história dos últimos 150 anos, continua de boa saúde. Está enganado, e os autores que o Nuno tanto admira — Zizek, Badiou, Ranciere —  explicam porquê. Por alguma razão, num certo momento da história tornou-se necessário complementar Marx com Freud e Lacan,. Por alguma razão, autores como Derrida e Foucault viraram-se para filósofos como Nietzsche e Heidegger. A razão é simples: as coordenadas revolucionárias definidas por Marx perderam actualidade. A partir do momento em que "a superação do capitalismo" deixa de fazer sentido — eu acho que deixou, o Nuno parece que não — o conceito de luta de classes tem de ser revisto, senão mesmo abandonado.

 

A esquerda com a qual me identifico acha que uma economia de mercado — se devidamente regulada, com uma forte progressividade fiscal e investimento em serviços públicos de qualidade — permite responder a grande parte das aspirações da esquerda. O Nuno acha que eu endoideci. No fundo, o Nuno ficou escandalizado por alguém se dizer de esquerda não rever naquilo que o Nuno entende dever ser a Esquerda — ontem, hoje, amanhã, sempre. Não me surpreende. Há quem não aprenda. Há quem se recuse terminantemente a não aprender. Em nome do ideal, dizem-nos. Se o Nuno fosse verdadeiramente Marxista, perceberia facilmente que qualquer filosofia da história não pode olhar ignorar o século XX. Um Marxista, hoje, tem a obrigação de conferir um sentido à experiência do socialismo real e perceber o que correu mal e porquê. O Nuno recusa este caminho, olha para a história de forma selectiva e só vislumbra o fim do neoliberalismo. E é por isso que ele se tornou num utópico, no sentido pejorativo que Marx deu a esse termo. Entretanto, entrega-se à actividade de desqualificar todos aqueles que se afastam da pureza do seu ideal. O Marxismo do Nuno é um Marxismo não dialectico, isto é, é um Marxismo idealista, religioso — um oximoro. A posição do Nuno já foi criticada pelo próprio Marx, num livrinho intitulado A Ideologia Alemã. A todos aqueles que se dizem de esquerda — da Esquerda a sério — recomendo a leitura deste clássico.

 

nota: tinha escrito Idealismo Alemão e não Ideologia Alemã. Fica a correcção.

23 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media