Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

re (2)

Quando escrevi "relação de expropriação entre capital e trabalho" limitei-me a constatar algo óbvio: para Marx, o capitalista só pode acumular riqueza porque aqueles que trabalham para ele recebem menos do que aquilo que produzem. Ou seja, existe expropriação porque Marx entende que só o trabalho é produtivo, não o capital. O Nuno pode estar descansado que eu não pretendi introduzir um novo conceito, nem confundi relações de produção, forças de produção e relações de expropriação; limitei-me a dizer que a relação de produção entre trabalho e capital, no capitalismo, favorece o capital à custa do empobrecimento do trabalho. É tudo. Mas o capital não é apenas algo negativo, um mal. (Como estamos em campanha, espero que o Nuno me permita simplificar a coisa). O Capital, na sua relação com o trabalho, também é produtivo, pois permite, por exemplo, o desenvolvimento da consciência de classe, isto é, sem expropriação o proletariado não se reconheceria enquanto tal, nem poderia desempenhar o papel revolucionário que o Marxismo entende ser a sua vocação histórica.   Sem este "reconhecimento", sem uma experiência social que permita o desenvolvimento de uma consciência de classe, não seria possível desenvolver as condições que permitem a superação do capitalismo.

 

A crítica de Marx ao Capitalismo não é uma crítica abstracta, pois este não é rejeitado nem diabolizado; o capitalismo, apesar de todas suas contradições, é necessário, pois é ele que cria as condições para a sua própria superação: aquilo que constitui o sucesso do capitalismo é simultaneamente a causa da sua destruição. O Marxismo é uma escatologia revolucionária que depende de uma circularidade histórica que só pode ser entendida à luz da filosofia dialéctica Hegeliana: alienação fundadora e regresso dessa mesma alienação, através de uma apropriação histórica de uma essência alienada. Para Marx o Capitalismo não é errado, é o erro através do qual a verdade histórica do comunismo pode aparecer — primeiro para Marx, o teórico, depois para o proletariado. Não há luz (comunismo) sem trevas (a história da alienação anterior ao comunismo).

 

Escrevi que "o conceito de luta de classes pressupõe a validade de um conjunto de conceitos e afirmações — relação de expropriação  entre capital e trabalho, taxa decrescente do lucro, empobrecimento do proletariado, etc. — e culmina necessariamente na revolução e na abolição da propriedade privada, isto é, pressupõe que o materialismo dialéctico". O Nuno diz que esta passagem não faz sentido. Vou reformular. Todos os conceitos Marxistas — Capitalismo, alienação, relações de produção, forças de produção, capital, trabalho, emancipação, capitalismo, etc — só fazem sentido na constelação de significados avançados por Marx, isto é, os conceitos Marxistas são interdependentes e não existem independentemente da filosofia de Marx. O Marxismo, e os seus conceitos, constituem uma totalidade que pressupõe uma certa filosofia da história — o trabalho, o capital, etc não são realidades em si, a sua verdade depende de toda a artilharia conceptual que Marx, inspirado, por exemplo, em autores como Hegel, articulou. 

 

O Nuno é profundamente anti-marxista porque tem uma leitura selectiva da história — só regista a falência do neoliberalismo e ignora que o socialismo real foi uma tragédia — e não percebe que não se pode manter o conceito de "luta de classes" sem evocar todos os outros. Se a interpretação Marxista da história já não é válida, os conceitos que Marx usou para interpretar a história têm de mudar, isto é, os conceitos são eles mesmos históricos, não são um método a priori, válido para todo o sempre. Dizer que existem classes não é o mesmo que olhar para o mundo e ver que há ricos e pobres, nem é o mesmo que constatar que há desigualdades inaceitáveis. Classe, no sentido Marxista do termo, não é um termo descritivo; é um conceito normativo que, mais uma vez, so faz sentido no contexto de toda a filosofia Marxista e, sobretudo, no contexto de uma interpretação revolucionária da história. Quando disse que a luta de classes não existe, limitei-me a dizer algo que pensava óbvio: qualquer Marxismo, hoje, tem de incorporar a experiência histórica do último século, isto é, tem de mostrar que aprendeu com os seus erros e, por isso, não se pode limitar a criticar o neoliberalismo. Apenas isto.

 

8 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media