Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

2004 em 2009

Lembram-se de 2004? Durão Barroso decidiu abandonar as funções de primeiro-ministro, para as quais tinha sido eleito, e rumar a Bruxelas para assumir a presidência da Comissão para a qual acaba de ser reeleito, "apontando" Santana Lopes como seu herdeiro. Assolado pelo fervor patriótico do final do Euro 2004, Portugal fazia-se palco de um espectáculo político permanente: Manuela Ferreira Leite falava em "golpe de Estado", Cavaco (não me lembro se na mesma altura ou pouco depois) vituperava o substituto de Barroso com o epíteto de "má moeda", Pacheco Pereira fazia-se arauto indómito da resistência do povo livre e Santana tomava posse numa confusão de papéis, ministérios e secretarias de Estado, com Teresa Caeiro a chegar à cerimónia sem saber o que lhe caberia e Portas a receber de surpresa os Assuntos do Mar, que lhe valeriam, lá para Agosto, o confronto heróico com as mulheres das ondas.


Como muito boa gente, pasmei com a escolha de Barroso. Porquê Santana, se tinha Ferreira Leite? Como muito boa gente, fazia estas contas: Ferreira Leite era ministra das Finanças e número dois do governo; Ferreira Leite era (ou parecia) uma pessoa séria; Ferreira Leite era (ou parecia) da nobreza do PSD; Ferreira Leite era (ou parecia) uma pessoa competente; Ferreira Leite era (ou parecia) o contrário absoluto de Santana Lopes; Ferreira Leite era mulher (esta era a parte, confesso, de que gostava mais).Ferreira Leite era (ou parecia) a escolha óbvia.


O mistério prolongar-se-ia, pelo que me diz respeito, até 2009. Quando Ferreira Leite foi eleita presidente do PSD, a sua vitória sobre Santana, ainda que magra, surgiu como justiça poética.  Isto, claro, foi até começar a ouvir Ferreira Leite. As primeiras entrevistas revelaram não só uma pessoa de discurso errático,  impreciso, hesitante - o que não sendo uma qualidade nem desejável podia ser fruto de pouco treino mediático (ainda que justificação bizarra em alguém que anda na política e em cargos governativos desde os anos 80) -  como com ideias absurdas e contraditórias,ou mesmo sem ideias nenhumas. Mas foi preciso chegarmos à recta final das legislativas para se perceber que nem na sua suposta área de especialização, a da economia e finanças,  Ferreira Leite parece saber do que fala. Não se limitou a confundir a taxa máxima do IRS com a do IRC no debate com Jerónimo de Sousa; ontem de manhã na TSF mostrou não saber o que é um projecto PIN (Projecto de Interesse Nacional), ao responder a um ouvinte que "não pode ser o Governo a decidir que empresas salva".  Ora até eu, que nãopercebo nem pretendo perceber de economia, sei que os projectos PIN não têm nada a ver com "salvar empresas". Um candidato a PM pode estar a favor ou contra a existência da classificação PIN e do que significa; não pode é nao fazer ideia do que é um PIN e, já agora, convém que não finja que sabe (parece que a isso se chama aldrabar, não?).


Percebo pois agora o dilema de Barroso. A própria MFL, afinal, também o percebe: no mesmo programa da TSF, disse que quando se candidatou à presidência do PSD nunca pensou que poderia vir a concorrer a primeira-ministra. Parece mentira, mas é verdade - verdadinha.   

 

(publicado hoje no dn)

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media