Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

jornalismo, mentiras e belém

 

Faz domingo um mês, o DN publicou o mail de um jornalista do Público que narra um encontro, em Abril de 2008, com o assessor de Cavaco para a Comunicação, Fernando Lima, em que este lhe comunicou a suspeita de que a Presidência estaria a ser vigiada pelo Governo e lhe sugeriu que o jornal noticiasse o assunto "fingindo" que este surgira da Madeira. Faz também dois meses que a primeira notícia sobre as "suspeitas" de Belém saiu no Público.

 

Esta semana, no programa da RTP1 Prós e Contras, o caso foi discutido do ponto de vista jornalístico, com os directores do DN e Público. Estiveram também o do Expresso, o da TSF e o do departamento de informação da RTP. Dos cinco, quatro (a excepção foi o do Público) não tiveram pejo em afirmar que não acreditavam que alguma vez o Governo tivesse vigiado a Presidência. Como se explica então que toda a comunicação social tenha embarcado na "notícia"? A justificação foi dada no programa: a simples vocalização das "suspeitas" era notícia por "abrir uma crise institucional". É certo. Aliás, se havia notícia para dar desde o início - desde Abril de 2008 - era a de que um assessor do PR, homem da sua confiança há décadas, propôs uma inventona a um jornalista. Mas o jornalista alinhou em vez de a denunciar, pedindo ao correspondente na Madeira que investigasse. A "notícia", sabe-se, não saiu logo. Justifica o director do Público, na resposta que deu ao provedor do mesmo e que foi publicada a 13 de Setembro de 2009: na altura não havia suficiente "confiança" para a publicar nem "fonte autorizada". Na verdade, a investigação feita pelo correspondente contradissera as "informações" dadas pelo assessor do PR. Mas ano e meio mais tarde a "notícia" saiu mesmo.

 

Porquê? Explica José Manuel Fernandes: "Um membro da Casa Civil do PR confirmou formalmente ao Público (...). No dia em que uma fonte autorizada(...) assume que no Palácio de Belém se suspeita de que o Governo montou um sistema para vigiar os movimentos do Presidente, essa informação tem uma tal importância e gravidade que só podia ter o destaque que teve." Ignoremos que esta "notícia", a qual segundo Fernandes "estava a ser investigada há ano e meio", não só não continha qualquer reacção do acusado, o Governo, como se escusava a concretizar a forma da qual se revestiria o tal "sistema de vigilância" e quem dele se ocuparia; concentremo-nos na "autorização" e no "formalmente". Se quase toda a gente, após a publicação do mail, se convenceu de que a fonte "autorizada" era Lima, Fernandes nega-o. No dia seguinte ao da comunicação de Cavaco, o seu editorial é claríssimo: "'O PR não desautorizou ontem os membros da Casa Civil que falaram ao Público: disse que só ele fala em seu nome - ele e os chefes da Casa Civil e da Casa Militar."

 

O que Fernandes nos anda a dizer há semanas é que quem "confirmou as suspeitas" ao Público foi uma ou mais dessas três pessoas. Ou seja, o próprio Presidente. Claro que Fernandes pode estar a mentir. Mas e se não estiver? Como muitas outras perguntas que o caso suscita, esta deveria estar a ser objecto de séria investigação jornalística. Porém, desde que Cavaco falou, os chamados "fluxos noticiosos" desviaram-se do assunto. Watergate é, está visto, uma coisa para a América, para filmes e para escolas de jornalismo. Bigger than life. E nós somos pequenos.

 

(publicado hoje no dn)

 

adenda: ler a propósito, também no dn, paulo pinto de albuquerque, com uma opinião jurídica interessante sobre a categorização legal da divulgação do mail, assunto que tem apaixonado tanta gente ao ponto de a fazer esquecer tudo o resto.

32 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • f.

    olá. pode usar o endereço fernandacanciodn@gmail.c...

  • Anónimo

    Cara Fernanda Câncio, boa tarde.Poderia ter a gent...

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media