Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Guerras do dia das Bruxas

Num dos posts sobre a controvérsia Saramago que a Fernanda tão bem resumiu, uma das nossas leitoras interpelava-me sobre «a lógica de celebrar datas cujo fundo seja, mais ou menos veladamente, religioso», pensando, erradamente, que a maioria das celebrações de solstícios, equinócios, colheitas, etc.,  que se celebram um pouco por todo o mundo são propriedade da Igreja.

 

O último número do l'Osservatore Romano, o jornal oficial do Vaticano, talvez seja a melhor ilustração de que isso não é verdade, ou seja, de que boa parte das festas inscritas no calendário «santo» não passam, como inúmeras outras coisas, de apropriação pela igreja de celebrações muito anteriores, fortemente enraizadas nas tradições populares e difíceis de erradicar.

 

De facto, a crescente popularidade do dia das bruxas em Itália assusta a Igreja que tem medo de perder a exclusividade do calendário festivo, que tanto trabalho deu a estabelecer. Aliás, já Bento XVI tinha denunciado os horrores seculares da passagem de ano, mais uns execrados «ritos mundanos, marcados principalmente pela diversão» não inscritos no calendário sacro e, como tal, a converter ou eliminar.

 

Assim, depois de durante anos a sua divisão anti-oculto (?) ter alertado em vão contra os perigos da celebração profana e de ter falhado o boicote à «perigosa celebração do horror e do macabro» a que apelou no Avvenire, o Vaticano volta à carga no «Halloween's Dangerous Messages».  O artigo, assente numa linha recorrente - tudo o que não é católico é necessariamente anti-católico -, descreve o Halloween como uma festa «absolutamente anticristã» e propõe como alternativa as Holywins já cristamente celebradas por outras paragens. Mas não acredito que desta vez, por falta de instrumentos apropriados, sei lá, a Inquisição e quejandos, a Igreja consiga reinvidicar como suas festas alheias.

 

Embora estas denúnicas vaticânicas de uma festa que escapa ao seu controle sejam absolutamente ridículas, empalidecem face a outros desvarios cristãos sobre o Halloween. Tendo-me dedicado por várias vezes à extenuante tarefa de esvaziar abóboras de dimensões que deviam ser proibidas e preparar saquinhos com treats sortidos para os tricksters que nos batiam à porta, fiquei de queixo caído por nunca ter dado pela conspiração demoníaca da coisa que para alguns alucinados envolve actividades tão improváveis como sexo com demónios e necromancia. Mas o que me maçou mesmo foi não ter participado nas tais «revel nights» que, pelo enquadramento, deveriam ser de arromba!

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media