Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Cuidado com o homossexual provinciano sem pêlos e deslumbrado com as gajas da cidade que ousam trazer às escâncaras o segredo do templo

José Saraiva, o arquitecto que um dia há-de ganhar o Nobel da Literatura, não pára de produzir coisas bonitas. Depois do "menino que só gostava de brincar com bonecas, tachos e panelas" e virou paneleiro [o paneleiro, salvo seja, é meu] - o que só pode ter acontecido por causa da propensão para as panelas -; depois da revelação de que a ‘Face Oculta’ tem algumas das suas raízes longínquas no deslumbramento de alguns “com a dimensão da cidade, com o luxo da cidade, com as luzes da cidade, com os divertimentos da cidade, com as mulheres da cidade”; eis que Saraiva discorre sobre pêlos. E da forma brilhante como só um futuro prémio Nobel sabe fazer:

 

“Mas o que dizer da depilação das pernas? Isso, então, parece-me uma verdadeira aberração. Porque aproxima os homens dos eunucos, daqueles seres castrados a quem faltam as hormonas masculinas – ou a quem foram ministradas em excesso hormonas femininas. Esses seres de pele lisa, sem asperezas, destituídos de masculinidade, ganham um aspecto estranho, por vezes mesmo algo repelente, porque tudo o que é indiferenciado é susceptível de causar repulsa.” (…) Os pêlos púbicos sempre foram um motivo de atracção para artistas e escritores ao longo dos séculos, porque simbolizavam o mistério feminino, escondiam o fruto proibido, guardavam o segredo do templo. Na pintura, na escultura, na literatura, a zona púbica tornou-se um poderoso símbolo erótico, na medida em que representava o último reduto das defesas do ‘sexo fraco’. Ora também isso desapareceu. Muitas mulheres depilam hoje as zonas íntimas, num exercício negativo e ofensivo do que é natural, autêntico, genuíno. Mas as modas vão e vêm – e a humanidade civilizada acabará por redescobrir a poderosa carga erótica e sensual dos pêlos."

 

Cruzando as três crónicas, temos que o monstro de José António será algo como um homossexual provinciano sem pêlos e deslumbrado com as gajas da cidade que ousam trazer às escâncaras o segredo do templo.

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media