Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

A magnífica reitora

texto de Marta Rebelo (http://www.linhadeconta.blogspot.com/) A partir de 1 de Julho, Drew Gilpin Faus será a Reitora da Universidade de Harvard, a melhor universidade do mundo. Será a 28.ª Reitora (President, mas em português que fique Reitora), uma reputada historiadora especializada na Guerra Civil Americana e na América do Sul. Dêem-se, pois, urras! A gerir um orçamento anual de 3 biliões de dólares, acrescido de 30 biliões de doações anuais, e doze faculdades, temos uma mulher. Mas registado o gáudio, o que dizer? Três coisas: os norte-americanos divagam a cada minuto sobre a estreitada relação feminina com o poder; a Europa concentra críticas ou elogios na Gália, e todos os dias se diz “Elas estão a chegar ao topo”; que importa isto tudo para a sujeição e condição feminina no mundo que (já não) se diz dos homens? Os norte-americanos sobrevivem bem à ideia de terem primeiras-damas poderosas (estão atrás da cortina), Secretárias de Estado a definir a política externa do país mais poderoso do mundo (Albright, Rice), mas agora têm também a speaker da Câmara dos Representantes, (Pelosi) e começam a pensar se Hillary passará de ex primeira-dama poderosa à poderosa Senhora dos States. Gostam da ideia? Claro que não! Os americanos estão melhor preparados para um presidente muçulmano, ultrapassando preconceitos muito vivos, do que para uma presidente, deixando a ancestralidade de outros preconceitos. Aliás, a Magnífica Reitora sucede a Lawrence Summers (2001 e 2006) cujo clímax de um mandato de tolerância e civismo foi a afirmação peremptória de que as diferenças genéticas tornam as mulheres menos aptas para as engenharias e a matemática e, logo, para ocupar cargos importantes nessas áreas. Até porque – e continuamos com Lawrence – têm uma responsabilidade sua de educar os filhos. O Reitor entrou em conflito com docentes afro-americanos, de esquerda e contratou menos mulheres. Não estará aqui o retrato mais fiel da geral percepção americana sobre a chegada feminina ao poder? A prova exigida é redobrada, e o preconceito vai ficando. Na Europa, Ségolène, a bela, faz parongas, sorri, comete gaffes e veste tailleurs encarnados. Os analistas começam a comparação: Tatcher vestia azul clássico, pelo joelho; tinha a face fechada, era teimosa e antipática e tomava despreocupadamente medidas impopulares; Merkel fez-se na ex-RDA, é germânica, mais redonda, tem mais pulso. Que Royal reflexão! Estão os Europeus preparados para ver uma mulher – aquela, em concreto, cedo – no Eliseu? Claro que não. Se ocupar o Palácio, questionar-se-á o método, vem a habituação e, no dia seguinte, diz-se “Elas estão a chegar ao topo”. Mas se elas estão mesmo a alcançar o poder, esse cálice de impressões digitais masculinas, que importam estes relatos e esta conversa de seis parágrafos? Em primeiro lugar, relata-se a chegada, sem análise do caminho. É a mais vergonhosa mentira afirmar que, em igualdade e dificuldade, o caminho dos géneros é igual, ainda que partam de uma igualdade relativa nas circunstâncias e oportunidades. A Magnífica Reitora queria ter estudado em Princeton, mas à época não se admitiam mulheres. Depois, a comparação nunca é realmente feita inter-genéros, mas intra-género. Já dizia Stuart Mill, insuspeito pela vida e pela época, que a regra da supremacia masculina “era um dos principais obstáculos ao desenvolvimento humano”, teoria sem exposição a outro sistema que revelasse maior maximização do bem-estar social e da felicidade. Elas chegam lá, mas é difícil! E em grande parte das fotografias, encontrar a melena feminina é exercício semelhante ao infantil “Onde esta o(a) Wally?”

148 comentários

Comentar post

Pág. 1/15

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media